Quanto é que ganha um caluniador?

CVM – O João Miguel Tavares decreta “um adeus sem saudades a Pinto Monteiro”, o Procurador-Geral da República…

JMT – Porque ele deu uma entrevista quase de despedida, de final de mandato, à Judite de Sousa. Eu não gostei nada da entrevista, mas ao mesmo tempo tinha aquele saborzinho bom de “oh, pá… acho que é a última vez que o vou estar a ouvir…”. E portanto eu gostei muito disso. Ele disse: “quero ser relembrado como um beirão de coragem”. Ele como beirão acho que vai ser relembrado, como de coragem é que duvido.

Governo Sombra

__

João Miguel Tavares é um caluniador profissional: alguém que é remunerado por órgãos de comunicação social para, entre outros serviços menores, caluniar. Deve a Sócrates a melhoria do seu nível de vida, tendo sido contratado pelo Correio da Manhã como vedeta antisocrática na sequência das calúnias que lançou contra um cidadão e contra um primeiro-ministro. Calúnias sem alcance legal, como se descobriu desde o arquivamento pelo Ministério Público do processo movido por Sócrates até ao acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, passando pelo Tribunal de Instrução Criminal. Mas calúnias com alcance moral, fazendo parte das campanhas de assassinato de carácter que invadiram a comunicação social a partir do episódio OPA da PT e imediata alteração da linha editorial do Público, iniciando-se uma vingança em registo de caça ao homem que iria ocupar a enorme maioria dos publicistas até às eleições de 2011.

Nesta passagem, atacando Pinto Monteiro continua Sócrates a ser o seu alvo obsessivo. O caluniador declara que o Procurador-Geral da República não foi corajoso ao longo do tempo em que exerceu as suas funções. As razões de tal opinião não foram sequer enunciadas, mas, com uma probabilidade que ultrapassa os 200%, o caluniador estará a falar dos casos que envolveram Sócrates. A ideia que deixa implícita é a de que algo terá ficado por fazer, precisamente aquilo que a aludida coragem levaria a ter sido feito. E era o quê? Levar Sócrates a tribunal, claro, usando os abundantes pretextos que foram recolhidos por tanta gente, onde se incluem o casal Moniz, os magistrados de Aveiro e o Pacheco Pereira.

O caluniador tem direito a conceber o Estado de direito como aquela coisa que mete na cadeia aqueles que o caluniador odiar, haja ou não provas. Podemos até considerar que o caluniador tem direito a fazer disto a sua vida, fazendo-se cobrar pelo veneno que liberta no espaço público. O que lamento, ou o que me falta, é que não haja a oportunidade do caluniador levar até ao fim a sua valentia. Por exemplo, chamar cobarde a Pinto Monteiro cara a cara. Ou usar a sua coluna no Correio da Manhã, juntamente com a sua carteira de jornalista, para demonstrar que Pinto Monteiro é corrupto. Porque é isso, e nada menos do que isso, que o caluniador está a dizer no embrulho de um programa radiofónico supostamente humorístico.

Não existe a figura da coragem quando se trata de cumprir a Lei na presidência da Procuradoria-Geral da República – mesmo que se trate desse tipo especialíssimo de coragem ao gosto do caluniador, a qual consiste em arrastar na lama certas pessoas até à destruição completa do seu bom nome e credibilidade política. O que existe é a responsabilidade de Pinto Monteiro, a sua palavra, a sua honra, aqui achincalhadas por mais um dos infelizes que utilizam a sua projecção mediática para envilecer a democracia.

Quanto ganha por mês este caluniador?

19 thoughts on “Quanto é que ganha um caluniador?”

  1. o tavares representa (com o lomba) a tralha direitista que nos calhou em sorte. nada fazem e nada constroem, a não ser conversetas de calúnia com que se acham (o tavares é exemplo) muito giros. mas começam a perder graça mesmo se alguns cães de água ainda persistem (é ver o helder).

  2. Para alguns rapazes de Portalegre (filhos de um Poeta meu amigo) esta vocação inesperada da criatura é uma surpresa. Na escola não era nada disto. Um dia, com o cuspo, a corneta fica entupida, há-de acontecer.

  3. O Tavares talvez precise de ajuda psiquiátrica urgente. O assunto é sério: não tem gracinha nenhuma.

    O “helder”, esse, é apenas burro, como quase todos os comunas. Não existe tratamento para ele.

  4. É o “helder”, o Tavares e tutti quanti desta asquerosa cambada da miserável direita portuguesa que ao longo da nossa História sempre foi o que foi: a responsável pela “porca miséria” deste povo.

  5. É pá segue em frente! Não te mantenhas agarrado a mitos e dogmas.

    O que disse ele de mais relativamente ao PGR que um dó nós não teria dito?

  6. És burro ou fazes-te, Ibn Erriq. O caluniador define-se pelo que sugere, deixando na penumbra a nudez e crueza da calúnia. O caluniador refinado é portador da cobardia inata que verbaliza menos de meia-verdade, para que a mentira se entranhe e medre insidiosamente nas mentes desprevenidas. Ou simplesmente inclinadas a defender as suas “cores” ideológicas.

  7. Val és habilidoso, mas regra geral não passas disso, um habilidoso!

    Concordo que o PGR aparentemente teve falta de coragem. Se foi por causa disso que não obteve os resultados que todos esperávamos isso já não sei!

    Se tivesse tido mais coragem seguramente o MP hoje estaria hoje melhor, não te parece?

  8. estamos todos a falar da mesma coragem, aquela que tu dizes que ele tem para dar e vender e a que eu digo que teve em défice. Claro agora?

    Os resultados que todos esperávamos (as pessoas de bem nas quais me incluo) era uma justiça mais eficiente e eficaz, não achas?

  9. Não sei se sabem mas o “Governo Sombra” é um programa de humor em que nenhum dos participantes deve ser levado a sério… é apenas para rir e esquecer no momento seguinte.

  10. Excelente “post”, há muito que se percebeu que o sr.Tavares não olha a meios
    para ganhar a vidinha, não é tão inteligente como julga ser pior, não aceitava os
    comentários às suas “crónicas”! Como muito bem os defeniu B.Bastos não pas-
    sam de meros estipêndiados da comunicação social! Pinto Monteiro pôs o dedo na
    ferida, a composição do Conselho Superior do Ministério Público onde, predomina
    uma aberração o tal sindicato que devia ter sido extinto com a entrada da Consti-
    tuição em vigor, quando muito poderia ser uma ordem profissional, o mesmo com
    os juízes!

  11. Para não ir muito longe, desde a “santa inquisição”os suspeitos e denunciados eram obrigados sob inomináveis torturas não só confessar as suas “culpas”como ainda a denunciar “cúmplices”.As torturas, físicas,acabaram com o 25 de Abril,mas na essência o resto mantém-se mais ou menos encapotado até sob demonstrações ditas humorísticas,apenas e só para prevenir explicações (inexplicáveis) em sede de justiça,por muita reserva que esta nos mereça e principalmente agora.É lastimoso que os Tavares,Lombas e outros valentaços não sejam chamados a corresponder com factos o que insinuam ou deixam nas entre-linhas.Paradigmático,foi o caso Freeport,no qual concorreu a nacional pulhice de todas as vertentes,a escrita,a televisionada e até a parlamentar,esta porque não houve um só dos dignos representantes que se insurgisse quando um tal Lopes que ainda por aí anda à custa do Contribuinte,patrocinasse uma campanha infamante de que todos nos recordamos nem contra a mais abjecta caça à dignidade da pessoa humana jamais intentada que durou anos e ainda prossegue.Nesta direita das inquisições até em sede parlamentar com o inominável inquérito sobre a pseudo compra da TVI,dos excessos dos absolutismos miguelistas,dos balet roses patrocinados pela PIDE e dos tribunais plenários,nada mas mesmo nada mudou,e com este (des)governo laparotal criou alma nova e gerou certezas de impunidades.Bem haja a quem ainda vai mantendo espaços destes,a ver vamos até quando.O caso do Rosa Mendes foi apenas um facto visível porque há mais e a auto-censura paira em tudo que é comunicação social.

  12. No fundo, o que está mesmo “muito” a dar é ser reaccionário e sobretudo reaccionário caluniador. Qual pé de cabra virtuoso dá para tudo e mais alguma coisa, incluindo para ser comentador na televisão, escrevinhador nos jornais, conselheiro do príncipe pateta, maitre à penser de meia tigela ou simplesmente fazer boa figura no “salão”.
    A chatice é que estamos por uns tempos condenados a os ouvir debitar sentenças do alto da sua alarve bacoca sabedoria

    Resposta à pergunta “Quanto é que ganha um caluniador”:

    Geralmente é bem pago e pela simples razão que é actividade de risco: quando já não serve ou perdeu a “graça” é “desembrulhado” e atirado para o lixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.