Aguardam-se dados. Já vimos isto

Todos nos lembramos do chamado «caso Freeport». Na sua fase final, ainda ouvíamos responsáveis judiciais dizer que estavam à espera de respostas a cartas rogatórias enviadas a países vários em busca de dados fundamentais para incriminar de vez o mafarrico. Nunca vieram ou, se vieram, nada confirmaram. Nunca soubemos o que diziam as ditas respostas. Mas a espera rendeu meses de suspeitas.

 

Agora, mais uma vez, a acusação de corrupção está pendente de dados pedidos pelo procurador Rosário Teixeira aos suíços sobre o histórico dos movimentos da conta de Carlos Santos Silva, o amigo de Sócrates, no UBS. Com uma diferença – desta vez, prenderam o mafarrico enquanto aguardam. Dão-se, portanto, ao luxo de não terem pressa. É, porém, legítimo perguntar se não tiveram já tempo de os obter. Afinal, andam a escutar o ex-primeiro-ministro há um ano.

 

Ora bem, o que me apraz dizer sobre tão bizarra e bisada situação? Que, não se dera o facto de o homem ser primeiro-ministro na altura e, possivelmente, há quatro anos, aguardaria as respostas internacionais na choldra. A vontade estava lá, como se vê. Mesmo sem fundamento para a grave acusação de corrupção no exercício de um cargo político, procurador e juiz aproveitam a estrada de oportunidade agora aberta para humilhar e privar o homem da liberdade. Já o julgaram. Já o condenaram.

 

Entretanto, rogam aos suíços que, pelas suas alminhas, lhes deem as provas de que precisam. Não é por nada. É que os Albertos Gonçalves e os J. Miguéis Tavares deste mundo apostam nisso e estão de olhos postos neles. Ou talvez não. A prisão já os satisfaz. Com ou sem provas. Não interessa.

 

Sócrates, esse, não está bucolicamente a ler e a tocar flauta debaixo de uma azinheira. Por muito saudável que seja ao pretendê-lo.

 

 

14 thoughts on “Aguardam-se dados. Já vimos isto”

  1. Algum jurista me esclareça se um qualquer juiz podia, no caso Freeport, ter mandado deter Sócrates-PM, depois, claro, de ficar convencido dos fortes indícios de crime. ´E que se não podia ser um Carlos Alexandre qualquer, assim se explica porque nunca arguiram, acusaram e prenderam Sócrates, mas alimentaram a suspeita durante anos, queimando o homem na praça pública e que agora dá tanto jeito para continuar a presente saga judiciária.

  2. Ao contrário do PS, aqui só se fala de Sócrates.

    Como não se fala de mais nada, vou mudar de rumo, e não volto cá.

  3. Vai e não voltes Reaça, és uma reliquia perdida de há 40 anos atrás, que não faz falta nem aqui nem em lugar nenhum.

  4. ahah, e o segredo de justiça? já passou quando se apercebeu que o Sócas foi o primeiro a saber?? heheh, e como anda o processo por difamação ao Smith? …e o tio? que soube de tentativas de pagamento de luvas e foi fazer queixa ao mp? perdao ao sobrinho?…tenho pena, porque, ao que me parece, o vosso comportamento anda mais perto de psicose que convicção, e por isso, tenho mais pena que nojo, do uso que dao ao vosso cérebro, o único que teem e terão…

  5. “Afinal, andam a escutar o ex-primeiro-ministro há um ano.”

    consta que andam a ser escutado desde 2001 e o mais relevante que tiveram para apresentar foram as escutas que o pacheco ouviu, o outro destruiu, um terceiro tirou um excerto que enxertou e agora aguardamos que dê fruta. se não é assim, é parecido.

  6. Ó Pedro Sousa, se o filho vê a casa ivadida pelo MP e o seu motorista é preso; se o filho telefona ao pai Sócrates o sucedido, e Sócrates fica a saber, desta forma, a acçâo do MP, onde é que tu vês violação do segredo de Justiça? Quem está cego ou se faz de burro és tu.

  7. e a procuraçao que o advogado tinha há já um mes??? isso é publico!..e o almoço terça feira? coitadinha…para a a proxima se nao tem argumentos, nao diga nada…

  8. Devias estar a dormir quando o advogado disse, para quem quis ouvir: “primeiro preciso de uma procuração de Sócrates”. Isto nas primeiras horas a seguir à detenção. Que tem o almoço de terça a ver com isto? Pareces uma espingarda de carregar pela boca, com uma diferença: a espingarda só dispara quando lhe metem pólvora e tu disparas com qualquer merda que te metam na cabeça.

  9. “e a procuraçao que o advogado tinha há já um mes??? ”

    todas as procurações devem mencionar o dia, mês, ano e lugar em que foram outorgadas, portanto deves ter visto qualquer coisa que escapou ao super-alex.

  10. e depois, ó soisa! uma procuração para requerer cópias de escutas do processo “face oculta” não é necessáriamente uma procuração para representar o sócras no processo “marquês”. mais um raciocínio do associativismo taxista, a antral que se cuide.

  11. pedro sousa,eu quero que os independentes como tu vão para a que os pariu! se não és, diz-nos, o que és para estarmos no mesmo plano.se és bloquista,andas fodido, e bens descarregar a bilis para o aspirina.se es do pcp.és um politraumatizado da politica e agora agarras-te ao socrates porque está preso.em 1976 o cds teve 19% de votos o pcp 12% ,mas agora, e ao fim de 40 anos de democracia não tem conseguido superar essa percentagem.pergunto: que culpa têm os socialistas,se o povo não acredita na mensagem da comunada? mete isto na cabeça: o pcp não quer o poder alcançado por meios democraticos. queria-o atraves de um golpe,mas agora não é possivel.a europa saltava-lhe toda para o lombo.perante esta evidencia só resta ao pcp,fazer oposição e provocar eleiçoes para recolher dinheiro para pagar às centenas de funcionarios que ~já não conseguem emprego em lado nenhum. os que não precisam do pcp em termos profissionais,mandam-no foder outro,como carvalho da silva,carlos do carmo,e muitos outros sindicalistas que na reforma,abandonam o partido.por ultimo se és de direita vai foder outro,pois essa gente mete-me nojo!nota: se não tivessemos entrado na europa o pcp estava muito mais confortavel.foderam-se!

  12. essa tua tese da procuração, sousa, é mesmo um disparate, como o ignatz já demonstrou. e quanto ao almoço, não é crível que um tipo que, como alvitram os da tua laia, conseguiu ocultar provas e ludibriar investigações atrás de investigações durante anos a fio, cometesse a infantilidade de almoçar num local público com um ex-procurador dias antes de saber que ia ser detido. a história é pródiga em estrondosos erros judiciais e em magistrados com um enorme e louvável espírito de missão mas irremediavelmente contaminado por convicções pessoais e/ou ideológicas. a prudência aconselharia a que fosses mais comedido na análise do caso sócrates e não chamar psicótico a quem presume e defende a inocência de uma pessoa acerca da qual ainda nem sequer se sabe que concretos factos lhe estão a ser imputados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.