Mais um Jogo do Quadrado

A pedido de inúmeros leitores, a braços com o aborrecimento natural das férias escolares, aqui está mais um dos nossos simpáticos passatempos. O objectivo mantém-se: identificar os Grandes Vultos da Cultura Lusa que compuseram cada uma das seguintes Odes a Manuel Alegre.
No fim, pode avaliar objectivamente a sua proficiência Cívica e Artística. Assim: de 0 a 25% — você não merece viver numa Pátria que deu à luz um poeta como Manuel Alegre; de 26 a 50% — alguém incapaz de perceber que o importante num Presidente é ser um Homem da Palavra não devia ter direito a votar; de 51 a 75% — se decorar mais uns sonetos de Manuel Alegre, você até lá vai; de 76 a 100% — você é um modelo de Cidadania, de Ilustração e está pronto para dominar “a linguagem sublime dos deuses” ou seja, votar em Alegre. Como prémio, fica desobrigado de ler qualquer obra de Inês Pedrosa em 2006.

1— Precisamos de rasgar a abulia, a ignorância e o pessimismo, de nos amarmos como Pátria, de sermos Homens de palavras limpas. E quem melhor do que um poeta para o corporizar, no topo da pirâmide, em nosso nome?!
2— Era um vulcão. E no teu corpo a flor e a lava.
3— Ter um Presidente da República com um perfil destes, é um luxo, diferente da desesperança de outros que transformam a vida numa máquina de calcular, que subtrai em vez de somar, que divide em vez de multiplicar, em que tudo se resume à aridez de um número, de uma percentagem, de uma estatística gelada…
4 — Uma diferença que tem riscos, evidentemente, mas cuja razão de ser é exactamente a aceitação serena desse risco, a troco de uma palavra preciosa (e esta é uma candidatura de palavra): VERDADE
5 — Com ele (Cavaco Silva) em Belém lá teríamos a sarabanda de videirinhos, empresários do dia e da noite, chicos espertos, patos-bravos, autarcas celerados, chatins, tias, reaccionários, espiões, e oportunistas de toda a espécie a moer-nos o juízo.
6 — Aqui pode começar uma descoberta para todos. Mas, se me permitem, sobretudo para a Pátria.
7 — “O sonho comanda a vida” é afirmação do António Gedeão, que nos habituámos a ouvir cantada por Manuel Freire. “Pelo sonho é que vamos!”, dizia Sebastião da Gama. Mal de nós se fôssemos apenas, sem um grãozinho de loucura na asa (podem chamar-lhe também poesia) o tal “cadáver adiado que procria”, para usar a expressão de Pessoa. ( e até como tal teríamos uma fraca prestação porque andamos procriando muito pouco).
8 — as pessoas estão fartas de ser tratadas como carneiros que fornecem lã para as mantas do Poder
9 — Votar nele é um acto de pura poesia, que, como se sabe, é a linguagem sublime dos deuses e dos homens que deles se aproximam. Ser inteligente também passa por aí, como o vento pelo mar.
10 — Querida Inês, Você é a minha outra voz. Jamais a desautorizaria. Prepare-se para comentar as próximas sondagens.

Autores: Cristóvão de Aguiar; Teresa Rita Lopes; o próprio Bardo, o Grande Vate Alegre; João Gobern; Mário de Carvalho; Inês Pedrosa; José Dias Egipto


Soluções:
1— José Dias Egipto; 2— O próprio Bardo, o Grande Vate Alegre; 3— Cristóvão de Aguiar; 4— Inês Pedrosa; 5— Mário de Carvalho; 6— João Gobern; 7— Teresa Rita Lopes; 8— Inês Pedrosa; 9— Cristóvão de Aguiar; 10— O próprio Bardo, o Grande Vate Alegre

5 thoughts on “Mais um Jogo do Quadrado”

  1. Caro Luís
    É a segunda vez que inclui uma citação do mesmo texto de Cristóvão de
    Aguiar. Para referência futura, fica aqui o link do texto original,
    publicado no blogue de Cristóvão de Aguiar:
    http://aguiar-conraria.weblog.com.pt/arquivo/140947.html
    Bem sei que este texto também aparece n’O Quadrado, mas manda a
    cortesia bloguística que as fontes originais sejam citadas.
    Muito obrigado e grande abraço do
    LA-C

  2. Luís,
    Então, pena é que no “Quadrado” essa tal “cortesia” não seja respeitada, nem sequer pelo próprio autor . Como deveria eu adivinhar que tal peça já ia na segunda encarnação?
    Mais: estranhamente, não encontro aqui reclamação sua similar.
    De qualquer forma, parabéns por ter albergado semelhante obra: “Quem é Mestre da palavra não deve nada ao trabalho! Pelo contrário, é seu credor!”
    Caramba.

  3. Sei bem que a culpa não só não é tua como não tiveste nenhuma intenção de ser indelicado. Eu mesmo só com as suas entradas reparei que tal texto estava n’o Quadrado.
    Agradeço também os parabéns que endereça ao blogue que partilho com o meu pai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.