No intervalo do debate Louçã-Cavaco

Alguém devia explicar ao Prof. Cavaco Silva, conhecido por não perceber de literatura mas ser muito bom em números, que mil milhões só é um bilião nos Estados Unidos. Em Portugal, mil milhões são mil milhões. E é de Portugal que ele quer ser presidente.
Quanto ao debate, é bom constatar que nem todos os candidatos se ajoelham perante o putativo futuro inquilino do Palácio de Belém. Ao contrário de Alegre, Louçã tem atacado o seu adversário de todos os ângulos possíveis, desmontando o mito da prosperidade cavaquista, e está a vencer folgadamente um debate centrado (o que não deixa de ser irónico) naquele que é o ponto forte de Cavaco: a Economia.

19 thoughts on “No intervalo do debate Louçã-Cavaco”

  1. Cavaco foi totalmente arrasado!
    E aquela dos imigrantes que podem no futuro superar em número os portugueses? Patético…

  2. Foi sem dúvida o melhor debate até agora. Cavaco esteve igual a si próprio e Louçã esteve excelente e terá o meu voto.

  3. Bem… sem conhecer o anterior “paradeiro” do postador, dava para adivinhar!
    Tirando as tentativas de ataque pessoal e que tocavam o passado de Cavaco enquanto Primeiro-Ministro e a tentativa de criar uma piadola com os estrangeiros… o que é que Louçã quis fazer passar mesmo?

    Saudações

  4. Louçã levou o “adversário” a embrulhar-se perante uma afirmação certeira : o seu partido…”. Esta mensagem passou, como outras.

  5. Qiestões menores, portanto. É do conhecimento geral – julgava eu – que Cavaco é Social Democrata. É e nunca o negou ser. O que ele afirma e é uma grande verdade é que a sua candidatura partiu da iniciativa própria dele, enquanto que a de Louçã partiu do simples facto de ser líder do Bloco de Esquerda. Se fosse outro, certamente seria esse o candidato. Uma diferença que salta à vista dos menos desatentos.

    Saudações

  6. Deixem ver se eu entendo o Carriço: falar do que Cavaco Silva fez enquanto primeiro-ministro é um “ataque pessoal”? Que coisa estranha.
    Se ele foi um bom primeiro ministro ( creio que deve ser isso que o Carriço pensa) não é um ataque, é um elogio. Ou será que não foi um bom primeiro-ministro e nesse caso já é um ataque…? Mas foi, ou não foi?
    E os actos de um primeiro-ministro são pessoais? Eu a julgar que eram actos políticos. Se bem entendo, os 10 anos em que esteve em S. Bento foi a tratar da sua vidinha pessoal? O que se vem a saber, heim?

  7. Cavaco um social democrata onde e quando?
    Um social fascista aceito…
    Este tipo representa e é o responsável pelo estado que os economistas dizem q o país está.
    Infelizmente não é só ele mas, pode-se dizer que é o principal resonsavel. Quer ser pesidente da republica das bananas?

    Carrega-lhe Louçã que ele vai levar mais do Jeronimo. Dos xuxialistas nem por ixo!

  8. ML, mais uma vez discutem-se questões menores! Quando falo em ataque pessoal, evidentemente que não é no sentido lato. Aliás, nem seria próprio de um candidato à Presidência da Republica. O que Louçã fez e que eu julgava ter referido de forma clara – engano meu – foi centrar-se em Cavaco Silva e nas suas opções enquanto Primeiro Ministro. Não condeno: afinal, cada qual “joga” – já coloquei entre aspas para não causar mal entendidos – com o que tem. Louçã fez um regresso ao passado, quando o que se queria era um piscar de olhos ao futuro.

    Espero ter esclarecido o que, afinal, não tinha ficado tão claro e lamento que a forma arrasadora como Louçã aqui foi apresentado se prenda com estes pormenores.

    Saudações

  9. Caro Zé Mário, qualquer conhecedor sabe que se há ponto onde é fácil de comparar Cavaco a Louçã é na economia, afinal a especialidade de ambos. onde Cavaco é conhecido cá no burgo, e Louçã internacionalmente.

  10. O VERDADEIRO PRIMEIRO DEBATE SOBRE AS PRESIDENCIAIS. LOUÇÃ HUMANO, VENCEU CLARAMENTE O ROBOUT DECORADOR DE TEXTOS. PENA É TUDO ISTO SEJA AINDA TÃO UTÓPICO.

  11. não é só nos EUA que se diz bilião. Aliás nos EUA não se diz tal coisa pois lá fala-se inglês. No Brasil diz-se bilião. E lá fala-se português…

  12. Como se chama ao 109 são artificialidades criadas pelo homem, e não pela natureza. Questão perfeitamente secundária – o que importa é o número em si, e sobretudo o que fazer com ele. Mas estou com o “corrector”, de esquerda ou de direita. Era o que faltava, esse nacionalismo serôdio, à Manuel Alegre, ó Zé Mário…

  13. A propósito do Cavaco ser Social-Democrata:
    Recordam-se que o Soares tinha por projecto alterar a desiganação do Partido Socialista para PSD? E de que o Cavaco, quando foi fazer a tal rodagem do carro à Figueira da Foz, quando lhe saíu o partido na rifa, ainda em congresso, propôs a adição do PSD ao PPD? Coisa à qual o Santana tentou arrepiar caminho, dizendo a quem o queria ouvir (e eu gosto de ouvir tudo…) que era fundador do PPD.
    Os motivos do Soares compreendem-se. Tendo colocado o socialismo na gaveta (i.é., o seu propósito já não era um modelo científico de uma via para o comunismo, mas sim uma aproximação ao modelo Sueco (modelo sueco é uma designação inventada pelos norte-americanos, que têm algum pudor em apelidar esse extraordinário sucesso de socialismo. Pois então os Suecos deram origem à grande família europeia dos sociais-democratas.) E era esse o propósito do Soares, aderir a esta família. Tal foi igualmente o objectivo do Cavaco, puxando na altura o tapete debaixo dos pés do Soares. Este, então, resignou-se a continuar líder de um Partido Socialista. É como as coisas é!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.