Subsídios para a história da cunha em Portugal

humberto delgado.jpg

Um dia apareceu no Ministério da Instrução um professor primário, director de uma escola oficial, a Sete-Rios. Tinha direito a uma casa do Estado, ilegalmente ocupada por uma professora.Há uns nove meses que o assunto se arrastava.
O Ministro despachou mandando entregar a casa a quem de direito. Ora o leitor, se não sabe, fica sabendo que o ministro Costa Ferreira, como disse Homem Cristo no jornal, “não é para graças”…
Pois bem; os burocratas resolvem entravar a cousa, porque a interessada era irmã dum inspector. Chegaram ao descaramento de me informar – a mim secretário do ministro! – que o professor não era director da escola, quando ele estava nomeado em dois Diários do Governo!!!!
O ministro era massacrado por todos os lados com “cunhas”, cunhas que ele me mandava rasgar, logo que eu lhas principiava a ler.
Duma vez, aproveitando o facto de me mandar em serviço no carro do ministério e eu passar próximo da citada escola, disse-me para falar à professora a lembrar-lhe que ele, ministro, não era para festas.
Pois a professora não saía. Este é que era o facto. (…) entretanto o ministro, que esteve apenas dois meses na pasta, demite-se, e a professora, apesar de todas as ordens ou directivas que eu dera “por ordem de S. Exa. o Ministro” não saíra!!!
Era a burocracia a empatar!
Dias depois de saír do Ministério, quando se preparava tudo para deixar ficar na casa a professora, – atendendo a que estava grávida…!! – o interessado apareceu-me em minha casa a solicitar ainda o meu interesse, apesar de eu já nada ser. Escrevi ao Governador Civil João Luís de Moura que, ao que parece, no momento, tinha já contra-ordem para não mandar proceder a despejo.
Disse-lhe eu então da vergonha que era para a “situação” o adiamento dum assunto claro como a água. E incisivamente dizia-lhe que quanto à mulherzinha estar grávida, havia onze meses que a situação se arrastava!! isto é, começara antes de o marido sequer pensar na possibilidade de vir a ser pai, pois que o período de gestação de uma criança são só nove. Que, além disso, durante os dois meses que passamos no ministério, o assunto fôra sempre mexido e a professora nunca se dispusera a saír, à espera duma cunha salvadora, ou da queda do ministro tão invulnerável aos seus formidáveis pedidos!
E só então saíu o diabo da mulher! Arre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.