OS NOSSOS FILHOS DA PUTA

Syriana_onesheet[1].jpg

Syriana é um filme que revela o óbvio: os regimes Ocidentais são cúmplices das ditaduras mais torpes e corrompidas do planeta em troca de petróleo. O Fundamentalismo religioso é um germe de uma doença grave que tem na falta de democracia, na miséria e no desespero o seu caldo de cultura. Em nenhuma região do mundo a democracia progrediu tão pouco como no Médio Oriente. O petróleo tornou-se numa maldição negra. Em troca destas reservas de combustível os Estados Unidos da América apoiam regimes feudais como o da Arábia Saudita, fazendo recordar a grande máxima da política internacional cínica e realista que sempre norteou esta grande potência: quando perguntaram, salvo erro, ao Presidente Truman o que pensava do líder da Nicarágua colocado pelos Estados Unidos, o Presidente Somoza Garcia (pai do Anastásio Somoza corrido pelos sandinistas), Truman respondeu com astúcia: “é um filho da puta, mas é o nosso filho da puta.”

55 thoughts on “OS NOSSOS FILHOS DA PUTA”

  1. Caro NRS:deixe-me fazer-lhe uma pergunta simples: caso fosse obrigado a optar, escolheria viver aonde: na América ou na Arábia?

    Saudações cordiais, do Saloio.

  2. Então o Bush pai Presidente CLIA colocou o Noriega na Presidência do Panamá. Quando o mestiço disse: não sou vendido, sou de aluguer, tramou-se. O mesmo Bush, agora Presidente meteu-o na cadeia até hoje. Isto a propósito de no Congresso terem perguntado ao Bush:mas um assassino destes aliado nosso?(tinha o hábito de degolar os adversários com uma faca de sapateiro, mas devaaagaarziiiinho)
    Respondeu francamente: cada um ter que ter o seu, o meu é o Noriega. E já matou o do Fidel!

  3. Então o Bush pai Presidente CLIA colocou o Noriega na Presidência do Panamá. Quando o mestiço disse: não sou vendido, sou de aluguer, tramou-se. O mesmo Bush, agora Presidente meteu-o na cadeia até hoje. Isto a propósito de no Congresso terem perguntado ao Bush:mas um assassino destes aliado nosso?(tinha o hábito de degolar os adversários com uma faca de sapateiro, mas devaaagaarziiiinho)
    Respondeu francamente: cada um ter que ter o seu, o meu é o Noriega. E já matou o do Fidel!

  4. Caro Saloio,
    A questão é se a ditadura da Arábia se mantinha sem os Estados Unidos da América.

    Voltaire,
    O filme é um pouco como o Munich do Spielberg: boas intenções, bem executado, mas falta-lhe qualquer coisa.

  5. Nuno:

    Eu concordo com o teu post no geral, mas não se pode exagerar excessivamente na resposabilização dos Estados Unidos. O petróleo poderia sempre ser um presente envenenado (mesmo sem a atitude negligente das potencias estrengeiras). Estruturar uma economia com base na exploração de recursos naturais é uma pequena loucura, no caso dos países com petróleo é uma loucura que compensa porque as oligarquias não precisam de cobrar impostos para se manterem no poder, e ainda lhe sobra para ir dando umas esmolas ao povo.

  6. Luis Oliveira:

    Claro que é melhor estruturar uma economia com base nos recursos naturais…. dos outros

    Mais brilhante ainda é estruturar uma economia com base em recursos naturais não renováveis e estabelecer como dogma o crescimento eterno, de preferência exponencial, que é o modelo em que vivemos.

  7. map:

    “Claro que é melhor estruturar uma economia com base nos recursos naturais…. dos outros”

    Obviamente que os Estados Unidos têm mais poder do que Portugal ou mesmo a UE no seu conjunto e é preciso ter isso em conta, mas gostava de perceber se Portugal e a UE não têm uma economia estruturada nos tais recursos naturais dos outros …

    Isto de dizer mal é muito fácil, tão fácil que até eu consigo …

  8. Luis:

    Óbviamente. Importamos “recursos naturais”, exportamos “civilização”.
    A questão é saber quanto tempo resta a esta “civilização”. Pessoalmente, acho que muito pouco.

  9. Luís Oliveira, sem dúvida que Portugal e a UE têm uma economia dependente dos tais recursos naturais. Pelo menos se estamos a falar do petróleo.

    A grande diferença entre a UE e os EUA é mesmo o facto de os primeiros terem uma economia baseada no petróleo enquanto os segundos a têm estruturada pelo petróleo. Basta ver as políticas que ambos os governos vão tendo em relação aos preços dos combustíveis. Os EUA estão tão dependentes do petróleo que mantêm, artificialmente, preços baixíssimos para a gasolina que alimenta os monstros gastadores que eles conduzem. Uma brutal escassez mundial de petróleo afectaria os EUA muito mais que a UE. Quer dizer, isto depois de esgotadas as reservas americanas. A crise de New Orleans demonstrou-o.

    Claro que se me perguntarem se alguma dessas estratégias é boa, eu terei que responder que não. Tudo o que não seja sustentado em recursos verdadeiramente renováveis não tem um futuro verdadeiramente longo. Poderemos aguentar os alicerces uns tempos mais, mas no final a casa acabará por desabar.

    Quanto aos “nossos” filhos da puta e aos filhos da puta “deles”, isso é o que sempre se passou na história humana. Não o defendo, evidentemente, mas por vezes têm que se escolher males menores. Quantos não estarão actualmente a pensar que Saddam seria menos mau que aquilo que existe no Iraque?…

  10. Caro Nuno
    Se este é um espaço que queremos manter decente, não compreendo pq não apagam de imediato as foleirices dos Bigornas e Zés Tins.Não se trata de liberdade de expressão, apenas de evitar qua a mancha de óleo da estupidez alastre sem controlo. É mau para a saude pública. Eo voto pela limpeza imediata, já!

  11. sobre Syriana, não tenciono ir ver. Óbviamente é um filme mainstream que alinha no clamor geral contra aquilo com que toda a gente já está contra. E esta é a melhor forma de distrair as atenções do essencial – o que se pretende fazer crer, com obras deste género, é que o sistema até é bonzinho, porque até admite a contestação a gente famosa (sob a condição de não extravasar determinados parâmetros). Entretanto, como é evidente, nada muda apenas pq o sr. Clooney agora resolveu virar estrela do cinema com face de independente, mas de essência mais dependente que nunca.
    Por alguma razão no caso dos blockbusters hollywoodescos as salas estão às moscas apesar da promoção; e filmes notáveis como “Crash” passam quase despercebidos, quando de forma inteligente não pretende ser contra nada, antes se limita a mostrar a complexidade das coisas deixando ao espectador a liberdade de as compreender. “Crash” é um dos melhores retratos da sociedade norte-americana que algum dia me foi dado ver.
    Por isso, será ostracizado pelos óscares.

  12. “A questão é se a ditadura da Arábia se mantinha sem os Estados Unidos da América.”

    Provavelmente não!
    Mas a opção seria melhor ?
    Veja-se o Irão.
    O que é preferivel, os que lá estão ou o Xá ?
    .

  13. uma resposta brilhante…

    agora já sabemos que em casa do nuno nao ha electriciade.

    E fibras sintéticas, tupperwares,tinta, livros, etc. ?

    Vc é tão cumplice das ditaduras mais torpes e corrompidas do planeta como as big oil corp.

    Veja lá não fique inquieto e vá viver p debaixo da ponte.

    Tem outra solucao:vá para a Noruega e aí pode viver descansado como cliente da STATOIL.

    Tem é para lá umas centrais “nucleaes” (malvados)…..

  14. “A questão é se a ditadura da Arábia se mantinha sem os Estados Unidos da América.”

    Esta lôgica confunde-me. Está, sinceramente, a afirmar que sem os EUA a ditadura da AS não existiria? Porquê? Será que sem os EUA os inumeros “movimentos democratizantes” da AS chegariam finalmente ao poder? (obvte que NÃO!!!) Será que o Nuno está a ponderar sobre a sociedade a que se refere (e estou a generalizar, não estou a falar de um regime ou governo etc mas de uma CULTURA POLITICA)

    FOr fucks sake! What a ridiculous argument! THINK, you ignoramus!

  15. “Crash” é um dos melhores retratos da sociedade norte-americana que algum dia me foi dado ver.
    Por isso, será ostracizado pelos óscares.

    Comentário de: xatoo | fevereiro 27, 2006 04:01 PM

    Entre as dezenas de milhares de hipóteses, foi um dos cinco nomeados para o oscar de melhor filme. Para lá de outras cinco nomeações, entre elas direcção e argumento. Isto é ser ostracizado?

    Quanto a ter passado despercebido, enfim, vá ver os numeros do box office: $85.000.000. Entre os nomeados, deve ser superado apenas pelo pastelão que o spielberg fez. Se isto é passar despercebido…

    Isto serve como parábola, porque, do post até à maioria dos comentários, é assim: mal informado e propenso à teoria da conspiração.

  16. cordobes | fevereiro 27, 2006 10:42 PM
    eu disse: “Será ostracizado” o que significa que não ganhará o óscar que de longe merece por ser o melhor filme. Quanto ao ter sido nomeado – de facto não conseguem tapar o sol com uma peneira.
    Quanto aos numeros da exibição: saiba que quando foi estreado já há alguns meses durou apenas uma semana e passou de facto quase despercebido. Foi agora reposto por via da nomeação.
    Não deturpe o que lê, OK?

  17. Comentário de: xatoo | fevereiro 28, 2006 01:54 AM

    eu disse: “Será ostracizado” o que significa que não ganhará o óscar que de longe merece por ser o melhor filme.

    Para o xatoo, um filme ostracizado é um filme que não ganha o oscar de melhor filme. Ou seja, todos os filmes são ostracizados, menos um. Para o xatoo apenas se o crash não ganhar o oscar ( o de melhor filme, nao pode ser um qualquer) foi ostracizado. Como eu, por exemplo, até prefiro o Capote, um de nós pode ficar-se sempre a queixar de terem ostracizado o seu filme preferido.

    Quanto aos numeros da exibição: saiba que quando foi estreado já há alguns meses durou apenas uma semana e passou de facto quase despercebido. Foi agora reposto por via da nomeação.

    Opening Weekend: $9,107,071
    (1,864 theaters, $4,885 average)
    % of Total Gross: 17.1%

    10 milhões de dolares no primeiro fim de semana – ou seja, quase o dobro de que custou o filme em apenas dois dias. Aqueles dados que apresentei – receitas de $85.000.000 são apenas das primeiras 19 semanas, 4/5 meses, não incluem reposições nenhumas por causa dos oscares. Aliás, em termos de receitas, de todos os nomeados, só o Munich tem melhor perfomance – embora o Brokeback Mountain para lá caminhe. xatoo, a realidade é chata: se o filme passou despercebido, foi para si. para o resto do mundo, foi um sucesso de bilheteira.

    E há ainda uma deliciosa ironia no xatoo gostar tanto do crash. Se ele soubesse, acho que lhe dava uma síncope ;)

  18. Mas achar que um filme nomeado para cinco oscares (entre eles melhor filme, melhor realização, e melhor argumento) é um filme que está a ser ostracizado e silenciado e que as nomeações são apenas uma forma de esconder isso é uma verdadeira delicia. Parece uma sátira feita à teoria da conspiração por uns bons humoristas.

  19. “Quanto ao ter sido nomeado – de facto não conseguem tapar o sol com uma peneira.
    Quanto aos numeros da exibição: saiba que quando foi estreado já há alguns meses durou apenas uma semana e passou de facto quase despercebido. Foi agora reposto por via da nomeação”

    Ou seja, depois de o filme ter passado despercebido, a academia foi nomea-lo, dando-lhe novo protagonismo de forma a…ostraciza-lo. São invios, os caminhos dessa gente! Que maquiavelismo!

  20. Eu falava do percurso do filme feito entre nós. Mas se foi assim lá pelos midlelands yankees fico satisfeito, claro. quanto ao resto, vamos ver qual é a classificação que a Academia lhe dá. Vai uma apostinha?

  21. Comentário de: xatoo | fevereiro 28, 2006 06:19 PM

    Entre nós? Eu recordo-me de o ir ver numa sala bem composta. E de ter estreado em muitas salas e com uma muito aceitável cobertura de imprensa. E de criticas muito positivas. Quanto ao resto, a sua tese já estava percebida: a Academia, na ânsia de silenciar um filme, dá-lhe cinco nomeações para os OScares para depois o deixar ganhar. É o que se chama requinte.

  22. Eu aposto no Capote ou no Brockeback Mountain, mas com aquelas aventesmas, nunca se sabe. E você pensar que receitas de $85.000.000 de dolares se referiam ao percurso nacional, é outra pérola.

    Mas olhe, caso o Crash não ganhe, para lhe adoçar a noite, eu prometo vir cá a ironia deliciosa que você não conhece :)

  23. Depois de ler o postado pelo Nuno de Almeida e todos os outros comentários a seguir fiquei com uma dúvida tremenda.Afinal estamos a falar de quê?Do filme,de petróleo,de política ou de filhos de senhoras sem camas certas?É que destes já temos que nos cheguem e não precisamos de importar mais.Petróleo houve no Beato e não o quiseram ou será que furaram uma conduta à Sacor?
    Tenham juizo meninos é que sem petroleo andavamos todos à pata porque de burros estamos conversados.O Governo curtou os subsídios para que a especie não acabasse e os que temospor aí não se deixam montar,só nos querem é montar.

  24. Já lá fui. Muito divertido!!! A tua honestidade intelectual é verdadeiramente exemplar. Um tratado académico! Nada como uma boa dose de determinismo para fazer um homem rir, logo pela manhanzinha. Gostaria de poder enviar-te para o Irão (etc), sem bilhete de regresso para veres como é que eles tratam os Marxistas. Quando concluires o proximo episodio do “Evil empire against the oppressed” avisas a malta, né???

  25. Cuidado com o fascinio subconsciente com os icones do imperialismo cultural americano, como o Marlão Brando etc.

  26. “O Fundamentalismo religioso é um germe de uma doença grave que tem na falta de democracia, na miséria e no desespero o seu caldo de cultura.”

    Todos os estudos desta problematica indicam que nao, mas voçe deve saber muito acerca de tudo isto.

  27. Caro Ezequiel,
    Importa-se de me dar o inventário dessa figura mítica que dá pelo nome de “Todos os estudos”.

  28. A frase é atribuída ao FD Roosevelt não ao Truman. E foi dita ironicamente creio. O que não quer dizer que não tenha o seu fundo de verdade, a não se defenda que os EUA deviam mudar regimes pelo mundo fora.

    Irónico também o facto de Syriana ser um filme pago e publicitado por capitalistas americanas desejosos de lucro a denunciar as malfeitorias de capitalistas americanos desejosos do lucro. Ou seja, os EUA no seu melhor.

  29. Sim, com muito gosto. Estou a viajar mas envio-lhe todas as referencias quando regressar a casa. Mas pode começar por alguns estudos de Gilles Kepel, Olivier Roy, Esposito. (e uma Economist publicada o ano passado, com um suplemento especial sobre o mundo islâmico. Não tenho a ref comigo, mas neste suplemento oferecem varias referencias) Mas, no worries, eu envio-lhe todos os elementos.

  30. Quero fazer um comentario aos comentarios: São exactamente como os ninhos das pombas. Quero dizer que só têm palha e merda. Ou seja, não servem para nada.

  31. Quero fazer um comentario aos comentarios: São exactamente como os ninhos das pombas. Quero dizer que só têm palha e merda. Ou seja, não servem para nada.

  32. Parece ser que esta pagina não é muito popular, pois a ultima opinião, antes da minha, foi dada em 24 de Abril de 2006, ou seja, há seis meses

  33. Que coisas!!!!Nunca te tocou comprar gato e te deram lebre?? Chama-lhe, filho, antes que ele te chame a ti. Que pena que o mundo, em vez de ser redondo, não um cubo, Seriamos todos cubanos.

  34. boa noite, só para dizer k voces sao todos uma merda…
    conversas de merda enquanto há ai brasileiras a mamar caralhos por 10 euros e voces aqui a tocar ao bixo a venerar html.
    felizmente há gajos como voces….e é isto, fique bem, vou foder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.