Vinte Linhas 764

Joaquim Camacho e a irrequieta e opiniosa senhora

Longe de mim tratar com algum acinte a senhora que está na presidência da Fundação José Saramago. A imagem é bem clara: tirada na Casa da Cultura da Galiza em Marid no Verão de 2008 lá estou ao lado da minha amiga poeta, tradutora e professora Marta López Vilar e mesmo ao lado do poeta e tradutor Vicente Aráguas que mais tarde em 15 de Novembro de 2008 promoverá a publicação de uma página sobre a minha poesia no jornal «ABC» no «Suplemento Las Artes y las Letras» coordenado pela também amiga, a jornalista cultural Amália Iglésias Serna.

Quando escrevi «irrequieta e opiniosa senhora» estava apenas a referir um aspecto, nem sequer estava a julgar. Ando nisto há muitos anos e uma das coisas essenciais que aprendi em 1978 com Jacinto Baptista no Diário Popular e em 1979 com Carlos Pinhão em A BOLA foi que o nosso juízo nada é perante o tempo. Nós vivemos entre o pó, embora muitos aspirem ingenuamente à posteridade – que toda ela é relativa. Mas não são as nossas notícias que podem separar o pó da posteridade. Compete a quem escreve nos jornais revelar, desocultar e incentivar à leitura. Numa palavra «recensear» com tudo o que a palavra contém e implica. Armar-se em juiz – não. Nenhum de nós pode fazer isso.

No tempo de Cesário Verde quem era conhecido era o Cláudio Nunes, no tempo do Eça de Queirós quem era popular era o Pinheiro Chagas, no tempo do Camilo Pessanha quem era divulgado era Augusto Gil. Hoje ninguém tem dúvidas de que eles, os três primeiros, eram mais importantes embora fossem menos conhecidos. O Cesário Verde chegou a desabafar perante o ostracismo geral à sua volta: «A Imprensa vale um desdém solene».

22 thoughts on “Vinte Linhas 764”

  1. mais um ensaio de umbigologia, desta vez em marid, não há tomtom que resista. o gajo da direita deve ser o basílio horta numa tentativa, sem sucesso, de te exportar para longe. o escalracho deu-lhe corda, agora aturem-no.

  2. oh poeta da treta e ensaísta cómico, explica lá onde é que “a imagem é bem clara” sobre o tratamento acintoso à pillar. só dizes asneiras, misturas alhos com caralhos, baralhas e voltas a dar, aparecendo de novo como trunfo num baralho de cartas que só tem cenas tristes. és especialista em autoreciclagem de alta rotação, não escapa asneira ou erro grosseiro que não seja tranformado em grande vitória de afirmação e glorificação do parolo da benedita. vê lá se desapareces para começares a valorizar.

  3. Porra pá! és um gajo famoso à brava! Atéem Madrid te sentas à mesa com altas figuras, diria melhor, com grandes figurões.
    Olha lá, aqui só para a gente. Eu já estive numa reunião com o Mário Soares, já estive na praia a poucos metros do Sampaio, trabalhei com a mulher dele, estive ao lado do Alegre e do Duo Ouro Negro. Já falei com o Zenha e com a Madalena Iglésias. Já andei no metro com o Raúl de Carvalho. Já estive na esquadra da Mouraria e no Alto do Pina. Já apanhei uma bebedeira no Ginjal. Já fui preso. Nunca cantei o fado.
    O que achas? Sou tão importante como tu? Ou nenhum de nós dois vale um caralho?

  4. Vaidoso não, assumia a responsabilidade de estar num auditório exigente. Foi bom e deu resultados no Suplemento Literário do jornal ABC de 15-11-2008.

  5. Peço desculpa se incomodo, mas o poeta queria dizer-nos exactamente o quê, com o seu post?

    Deve ser dificuldade minha, mas não atingi qual era o seu objectivo.

    Cumprimentos.

  6. Também fiquei intrigado sobre o conteúdo do poste quando li, pensei ser desatenção minha, mas agora verifico que há mais leitores que também não entenderam. Será que o senhor do Carmo Francisco nos poderia elucidar sobre o propósito do texto e a sua relação com a fotografia e o título ou legenda da mesma.

  7. É muito fácil, senhor. Vai ver o post anterior sobre o Alpalhão do Saramago por Alporão nas páginas da Viagem a Portugal. O meu responde ao comentário do senhor Joaquim Camacho. OK?

  8. se não queres responder, não respondes, escusas é de ser malcriado e fazer dos outros lorpas. tá bom de ver que não respondes, porque não há resposta possível para tanta cabotinice junta. chamas nomes à pillar e depois justificas-te com a importância que julgas ter pelos autogabanços e promoções fatelópirosas que fazes à tua pessoa. consegues ser mais ridículo que o cavacóide himself, vulgar, vazio e vingantivo. não admira que os teus vizinhos andem a mudar de bairro.

  9. Senhores João e Joaquim – é bem claro que tenho boas amizades em Espanha.Caso contrário não tinha sido o meu trabalho objecto de uma página no «ABC» de 15-11-2008 nem do convite para essa sessão que envolveu também a Embaixada de Portugal em Madrid. A senhora da esquerda é minha amiga e é professora em Alcalá de Henares.

  10. ” … é bem claro que tenho boas amizades em Espanha.Caso contrário não tinha sido o meu trabalho objecto de uma página no «ABC» de 15-11-2008 nem do convite para essa sessão que envolveu também a Embaixada de Portugal em Madrid. A senhora da esquerda é minha amiga e é professora em Alcalá de Henares.”

    és mesmo tótó, acabas de declarar publicamente que o mérito do teu trabalho reside no factor cunha. não é nada que não soubessemos já, mas a confissão publica deve ser embaraçosa para os teus amigos da fotografia. enfim, o pedante no seu melhor.

  11. “A senhora da esquerda é minha amiga e é professora em Alcalá de Henares.”

    e o marido já sabia ou ficou a saber pelo poste? ainda bem que explicas que é a da esquerda, por momentos pensei que era a do meio.

  12. Mas há mais alguma senhora sem ser a da esquerda?
    Não é assim que se escreve. Terias escrito: a senhora da foto.
    Agora dizeres que subiste para cima é que não me parece de alguém que mereça página em jornais a não ser nos Ridículos.
    Quanto mais tentas mais mostras a tua ignorância e incapacidade de tratar algum assunto. Aliás aqui nunca tratas de assunto nenhum, apenas te auto elogias e nada mais. Não tenho nada com isso, não sou dono do blog mas lamento que não entendas o ridículo a que te submetes em cada pseudo-crónica.
    Até isso, essa de análise do que os outros dizem sobre ti, mostra que o que pretendes é que falem de ti nem que seja para dizer mal.

  13. Ó BRONCO DA BENEDITA, és um ZERO, UM ZERO, besta todos os dias, e depois de uma vaidade de padaria de bairro, olha só o comentário que te faço AHAHAahahahahhahahahahahhahahahahahahhahahahahahahhahaahhahahhaahahhahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahhahahahahahihiihhiihihihihihihihihihihiihihihihihihihihihihihiihihiihihihihiihihihihihihihihihihihih
    Granda Bécula, ó meu granda BURRO vê lá se aprendes a escrever sobre o que interessa. Pois tens amigos professores, olha meu garnada Camelo e eu yenho amigos escritores, de renome, que não te conhecem e integram a ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS e sabes que mais, riem-se, mas riem-se, com as tuas asnadas e coices de gajoq ue não tem onde por as dianteiras. Fogo, que sabes tu de LETRAS? CALA-TE. Manda lá a morada da tertúlia pá, que eu quero ver se abres as tripas a alguém ou se levas escrito na testa « o filho da puta sou eu»
    Cum caraças, este gajo não se enxerga mesmo. Granda BODE. Pode ser que apanhes um baile num qualquer auditório e dno fim pá, até cais de cu quando vires o VOLTAREN ou AUGMENTIN FORTE. Fogo, que portugues mais estupido e ilustrativo da mente que destruíu este país.Se valesses alguma coisa, alguma vez te esgotavas em autopromoção na bodega de um blogue, pá? até uma galinha pensa melhor e mais céleremente do que tu, ó xanax das letras.

  14. até o teu amiguinho escalracho desapareceu com vergonha das figuras que fazes. dedicas-lhe um poste e o gajo nem aparece para dizer olá, os melros são uns ingratos.

  15. CARAMBA, até a gargalhada sai do écran, vê lá, ó top model da benedita, manda aí a foto o teu casório, contigo montadinho no burro, a caminho da igreja, ou já agora o diploma da terceira classe. caramba, já sabias das novas oportunidades nos teus tempos, por isso, é que dizes que fizeste vinte eum um. Não conseguiste foi ser dôtore, pá, sabes porquê, porque os dôtores, meu, até os de bolonha, têm no mínimo que marrar uma noite e tu não tens tempo para isso, estás ocupado a guardar o citrohein ou aber se a huver está em merecido repouso.

  16. ilustre poeta da treta, se o gajo diz «senhora da esquerda», deve ser porque há mais alguma por lá disfarçada. Ora o bronco da benedita chama travestis aos outros e conheçe cabeleiras louras. Bai a bere e temos um mutante por cá, lá diz o ditado «deixa-me chamar aos outros, antes que me chamem a mim».

    Ó da benedita, mostra aí a verruga do meio, pra tirarmos as dúvidas, pá, tu falas muito das judites, das luisas, não dás cabacu à sinhã, falas da hoover, andas nas padarias a ber quem paga o pão, tens a mania que és artista do bairro alto, hum, temos uma issue, ai temos, temos.
    Debes ser o oposto da filha da cher, a gaja queria ser homem e olha, hoje já tem barba.

  17. Primeira razão:
    Bom, vamos lá ver se a gente se entende. Diz você aqui no post referindo-se à fotografia: «(…) lá estou ao lado da minha amiga poeta, tradutora e professora Marta López Vilar (…)». Depois de ampliar a foto, para confirmar, vejo que se encontra sentado entre dois homens! Mais à frente, escreve: «A senhora da esquerda é minha amiga e professora em Alcalá de Henares.». Portanto, não há duas senhoras, mas apenas uma! Para um tal equívoco, só posso pensar que você se enganou na foto, que bebeu um copo a mais e viu a dobrar ou que se sentou num lugar errado! Esta última versão é a que mais convence. Importa-se de explicar? Como pessoa educada (???), penso que terá essa gentileza.

    Segunda razão:
    Agora, vamos ao título do post: «(…) IRREQUIETA E OPINIOSA SENHORA». E começa o texto assim: «Longe de mim tratar com algum acinte a Senhora que está na presidência da Fundação José Saramago»!!! Ora diga-me cá, meu caro, chamar a Pilar «irrequieta e opiniosa senhora» não será um acinte, falta de educação, grosseria, provocação, agressividade, que se repete agora em Pilar vinda, toda essa raiva, inveja, má-língua, mesquinhez, do tempo em que Saramago ainda era vivo – e que tem continuado depois de morto, como podemos confirmar aqui no aspirina?! Que culpa tem Pilar das DUAS gralhas do livro?!

    Digo mais: o post em que pela primeira vez atinge Pilar Saramago teve razão de ser. Sabe qual foi? Servir-lhe de pretexto para publicar a «sua» foto. Aquele «trunfo» que você pensava ter na manga para nos esmagar de espanto perante a sua omnipotente pessoa. Ainda se fosse tirada na Fundação José Saramago, ao lado de Pilar… Mas ela não o conhece e desconhece que você existe. Sendo assim, a foto tem tanto valor como se você tivesse ido a Badajoz comprar caramelos. Repare na diferença abismal de comportamento entre você e os outros grandes poetas e escritores portugueses. Não se promovem, promovem-nos. Não se gabam num simples blog onde você só encontra comentários que o ridicularizam – e com toda a razão.
    Como sei que você já nasceu assim, li por aqui algures que lá no Banco onde trabalhou já você era um gabarola, olhe, continue a ser o bobo da corte. O problema está em que da risota que você provoca, às vezes tira-nos do sério.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.