Vinte Linhas 607

Bairro Alto – vidros partidos, urina, porcaria, vomitado e confusão

No passado dia 31-3-2011 esteve toda a tarde estacionado o automóvel de matrícula «05-10-35» no muro do Instituto de São Pedro de Alcântara. O seu condutor raciocinou como qualquer pessoa normal: naquele local há apenas o muro e as irmãs entram e saem pela Rua Luísa Todi. Alguns dias antes no mesmo lugar outra viatura foi multada a partir de uma mentira da EMEL: «está a ser autuado por estacionamento indevido». Este indevido é um abuso: há ali 4 lugares autorizados mas no mesmo passeio cabem mais 8 lugares. O trânsito é um drama mas há mais. No «Diário de Noticias» de 3-4-2011 Maria de Lurdes Vale assina um texto (Botijas de gás) onde se refere ao Bairro Alto como amontoado de «garrafas vazias de cerveja, vomitado, copos de plástico, cheiro de urina e cerveja». Conclui a jornalista que o presidente de Câmara deve apostar num gabinete na Rua da Rosa onde poderá de preferência trabalhar à noitinha: «verá como fica petrificado». Vim para aqui morar em 1976 e isto nunca esteve tão mal. A EMEL faz do Bairro Alto um campo de prisioneiros: temos direito a circular mas não a estacionar pois há grande diferença entre os cartões de residente e os lugares de estacionamento. Na Travessa da Boa Hora há um estaleiro de obra que roubou 8 lugares aos moradores mas ninguém se preocupou em ressarcir estes.

Para concluir falta acrescentar que a matrícula «05-10-35» corresponde a uma viatura da PSP afecta ao projecto «Escola Segura» mas isto apenas para significar que o raciocínio do seu condutor perante o muro do Instituto de São Pedro de Alcântara foi o mesmo que o outro condutor elaborou mas o primeiro não foi multado e o segundo foi.

15 thoughts on “Vinte Linhas 607”

  1. Bolas! «…o primeiro não foi multado e o segundo foi»?! Em que ficamos, pá? Então, não foi o primeiro que foi multado e o segundo não?! Vê lá se atinas! Tás mas é gagá! E andas tu a criticar os outros por ridicularias quando os teus textos metem sempre as mãos pelos pés… Trata-te, pá, que bem precisas! Aspirina já não dá, talvez um pouco de ferro – se possível, uma barra de ferro comida às dentadinhas, tipo chocolate preto semi-amargo…

  2. E desde quando as matrículas dos carros em Portugal têm três números? Nunca reparei que os da polícia fossem diferentes. Ou será que é por ser “a matriculo”?

  3. camarada xico! já existe um blog que é especialista nessas merdas de higiéne & estacionamento público onde um pedante debita fotos da avenida de roma, vomita emel e dá prémios a quem adivinhar o nome do gajo que estacionou à porta dele, chama-se carmo e trindade. podias requerer a posse judicial do blog por ter o teu nome, convencias o medina a trabalhar de trindade e faziam orações quente & frio, tu punhas carros em cima dos passeios e ele tirava. entrementes livravas a malta das tuas comichões & sarnitude.

  4. O meu mano André, talvez devido ao adiantado da hora, sugeriu-te que tomasses ferro. Eu aconselho-te o fósforo. De preferência, extra longos, «quinas», da Sociedade Nacional de Fósforos. É capaz de dar resultado…

    Então, pá, não pias?

  5. O André, logo a abrir a faena, faz uma figura tristíssima (dispenso-me de explicar porquê, tirem a 4ª Classe antiga, releiam o último parágrafo do texto e talvez consigam perceber à segunda; senão, uma barra de ferro nos cornos ou um fósforo pelo cu acima talvez ajudem), depois vem o mano armado em valentão e nem repara na calinada do objecto do seu fraternal amor. Lindos, confrangedores e umas riquezas da respectiva avózinha.

    Quanto ao autor do texto, por esta altura já deveria talvez ter corrigido para “a matrícula” e esclarecido se o inicial 05 da mesma é mesmo 05, ou se não será OS (foto talvez desfocada?…).

    Um, dois, um, dois, três, quatro, CINCO minutos de “józcio”…

  6. Vamos la a perceber: o automovel multado foi em 14-3 e o carro da PSP esteve lá em 31-3. Quanto à matricula é mesmo assim são numeros e não letras, basta olhar. Quanto ao erro peço desculpa mas não posso emendar agora…

  7. Então, deveria ter escrito: « o primeiro foi multado e o segundo, não»! Caso contrário, o texto é uma perfeita contradição! Mas você nunca desdiz o que diz mesmo quando erra, certo? E ainda tem a audácia de escrever: «Vamos lá a perceber:»?! Ficava-lhe bem pedir desculpa aos leitores pelo seu lapso, não acha, meu caro jcFrancisco?

  8. O blog do MARCO ALBERTO ALVES tem este nome: «revolução pela lei». Diz mais: «blogue onde também se defende a Justiça, a Democracia e a Liberdade e onde se pratica a perspicácia, o civismo e, acima de tudo a tolerância…» Ena, pá, ó Marco, tanta coisa! E consegues dar conta do recado, pá?

    Em «acerca de mim», lê-se também: «Fui primeiro Conde de Oeiras e, depois, Marquês de Pombal. Tenho um palácio magnífico em Oeiras, com uns Jardins soberbos…»! Chiça, pá, ó Marco, desculpa lá tratar-te por tu, mas só fui ler o teu perfil depois de ter escrito a primeira parte deste comentário ao teu comentário! Mania das grandezas… Acontece, meu, acontece. Mas tem remédio: basta marcares uma consulta no psiquiatra, pá! Vai por mim. Contigo, nem ferro, nem fósforo, é a vida…

  9. Ó Marco, pá, foste «o primeiro Conde de Oeiras». Se não for incómodo, quem foi o segundo e o terceiro e por aí fora? Vê se não copias o jcfrancisco e aprende a escrever. Assim: «primeiro, fui Conde de Oeiras e, depois, Marquês de Pombal», ok, pá? Podes corrigir no teu blog que não cobro direitos de autor. Já agora, lá no teu blogue como é que «praticas a perspicácia»?

    O André já foi dormir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.