Vinte Linhas 404

«Boca de palhaço» do Batman é outra coisa – aqui é muito pior

Faz agora 43 anos (9-9-66) que comecei a trabalhar e a descontar para o Estado. Dos 600 escudos 16 foram para o «fundo de desemprego» de onde nunca tive nem poderia ter nada para mim. Sendo bancário não podia ir para a Segurança Social.

Toda a minha vida foi hipotecada a uma ideia: comprar uma casa bonita com vista para o Tejo e para a Serra da Arrábida mediante empréstimo bancário a 25 anos. A casa foi armazém do «Mosquito» e da revista «Távola Redonda». Vivo no Bairro Alto desde 1966 e acabei de pagar a casa em 2005. Se eu morrer de súbito (sou doente crónico) o que tenho para deixar à família é esta casa. Por isso reajo com veemência aos atropelos que nos fazem aos moradores aqui no Bairro Alto.

Agora corre o chamado boato urbano de que grupos de assaltantes fazem o golpe da «boca de palhaço» baseado no filme Batman. Desses não tenho eu medo. Tenho medo é dos trambolhos da EMEL que se colocam de cócoras perante a Câmara e da Câmara que se coloca de cócoras perante os trambolhos dos Sapadores Bombeiros. Tenho medo é da Junta de Freguesia que nada faz para defender os moradores e da Polícia Municipal que vem bloquear e multar automóveis à minha rua mas entre a entrada do Bairro e a minha rua passa por restaurantes que roubam lugares de estacionamento para colocarem assadores, carvão e mesas. E de brasileiros mal encarados que perante as reclamações de quem quer dormir respondem em vernáculo pataxó: «Si quer dórmir, sinhóra toma uma pílula!» Ao pé destes trambolhos o golpe da «boca de palhaço» é uma brincadeira. É um boato urbano. Estes são piores. Muito piores.

6 thoughts on “Vinte Linhas 404”

  1. Exmo. Sr.

    Presidente

    Da Câmara Municipal de Paços de Ferreira

    Manuel Maria Ferreira Pacheco, Número de Identificação Fiscal 133085740, Administrador do Condomínio, sito na rua Escola no. 91, em Freamunde, vem expor a Vexa, o seguinte:
    É a segunda vez que me dirijo a Vexa, sobre o estado dos canteiros de relva, existentes em frente ao prédio na rua da Escola nº. 91, e que cada vez estão mais deteriorados pelo uso da esplanada, que o proprietário do Café C S vem utilizando.
    Os Administradores do condomínio, nunca foram ouvidos para existência de tal esplanada o que nos leva a crer que a mesma esteja ilegal. Em 18 de Setembro de 2006, o signatário enviou uma carta a Vexa, dando conta da situação e em 27-11-2006 recebi uma carta com a V/Ref. 6798 dando conta que tinha sido retirada a esplanada e o tapa vento. Acontece que este ano o referido proprietário do Café C S, resolveu usar a referida esplanada, ocupando o espaço que serve de passeio aos moradores do prédio e por quem usa esses passeios, sendo que para se servirem deles têm de passar por cima dos canteiros de relva, o que leva a danificá-la. Tenho-me insurgido contra este tipo de situação o que sou enxovalhado por alguns clientes, a mando do proprietário e por este, o que leva a que um dia se chegue a vias de facto, o que depois responsabilizo a Câmara Municipal de Paços de Ferreira e a Junta de Freguesia de Freamunde, pelo que vier acontecer
    Por todo o exposto solicitamos a Vexa, que dedicasse uma maior atenção, elucidasse as forças da ordem, a uma maior fiscalização, diurna e nocturna, pois acontece que há dias que os frequentadores do referido café, estão a jogar à bola na estrada até altas horas da noite, assim como fazem muito barulho não deixando os moradores descansar.

    Manuel Maria Ferreira Pacheco

    Freamunde, 26 de Abril de 2007

  2. Exmo. Sr.

    Presidente

    Da Câmara Municipal de Paços de Ferreira

    Manuel Maria Ferreira Pacheco, Número de Identificação Fiscal 133085740, Administrador do Condomínio, sito na rua Escola no. 91, em Freamunde, vem expor a Vexa, o seguinte:
    É a terceira vez que me dirijo a Vexa, sobre o estado dos canteiros de relva, existentes em frente ao prédio na rua da Escola nº. 91, e que cada vez estão mais deteriorados pelo uso da esplanada, que o proprietário do Café C S vem utilizando.
    Os Administradores do condomínio, nunca foram ouvidos para a existência de tal esplanada o que leva a crer que a mesma esteja ilegal. Em 18 de Setembro de 2006, o signatário enviou uma carta a Vexa, dando conta da situação e em 27-11-2006 recebi uma carta com a V/Ref. 6798 dando conta que tinha sido retirada a esplanada e o tapa vento. Acontece que este ano o referido proprietário do Café C S, resolveu usar a referida esplanada, ocupando o espaço que serve de passeio aos moradores do prédio e por quem usa esses passeios, sendo que para se servirem deles têm de passar por cima dos canteiros de relva, o que leva a danificá-la. Tenho-me insurgido contra este tipo de situação o que sou enxovalhado por alguns clientes, a mando do proprietário e por este, o que leva a que um dia se chegue a vias de facto, o que depois responsabilizo a Câmara Municipal de Paços de Ferreira e a Junta de Freguesia de Freamunde, (esta já recebeu reclamações por escrito) pelo que vier acontecer.
    Por todo o exposto solicito a Vexa, que dedique uma maior atenção (tem três exposições da Polícia Municipal dando conta das anomalias) sem que haja uma tomada de posição. Tenho por diversas vezes telefonada para a Polícia Municipal, dando conta desta anomalia e a resposta que obtenho é sempre a mesma. No sábado dia 22 do corrente mês gastei 10 euros numa chamada de telemóvel, a dar queixa de no passeio estarem a jogar a bola ocupando-nos o mesmo e a entrada porta de entrada do nosso prédio. A resposta que me foi dada pelo polícia municipal Hélder, foi que não podem fazer nada, porque lhes compete fazer já está feito, agora é com o Sr. Presidente da Câmara. Sinto uma grande frustração por ver que quem cumpre com os seus direitos seja entregue à sua sorte, quem os devia defender não se interessa. Neste concelho quem não cumpre com o que está estipulado por lei é que se safa.
    Quando em Freamunde não havia G.N.R. e no concelho não havia Polícia Municipal, não havia esta falta de respeito pelas normas instituídas, custa-me referir tal situação, mas é isto que observo.
    Sr. Presidente conheço-o desde criança, o que sempre constatei é que era uma pessoa dinâmica, sempre pronto a solucionar os problemas, o que hoje observo é que não tem esse dinamismo não sei qual o motivo, mas o que mais lhe solicito é que dê ordens para quem está no terreno possa actuar, doa a quem doer, se nós inquilinos não tivermos razão no que solicitamos esclareça-nos.
    Sem mais me despeço e haja enquanto é tempo. Não deixe que aconteça qualquer tragédia. O cântaro tantas vezes vai à fonte…. Que não lhe fique o peso na consciência.

    Manuel Maria Ferreira Pacheco

    Freamunde, 24 de Setembro de 2007

  3. Conclusão
    Posteriormente pedi uma reunião e como duas vezes por mês tem disponíveis as tardes para receber os munícipes, depois de seis horas de espera – eram muitos os munícipes para ser recebidos – disse-lhe umas certas coisas. Acontece que continua tudo na mesma ou pior. Ninguém quer tomar providências, o ordenado quer de uma maneira ou outra, todos os meses lhes vai ter à conta bancária. Se eu fosse 1º. Ministro, punha certa gente a trabalhar à peça -recebiam conforme o trabalho feito – o consumidor só ganhava com isso. Mas como ninguém se quer incomodar, assim vai Portugal. Quando se toma medidas vem as calúnias, perseguições e outras mais.
    Por estas e por outras, vou votar em outra personagem.

  4. Ò amigo Zé Francisco, mas V. concretizou um sonho, com quatorze! E por que havia de deixar mais?
    Eu só queria duas assoalhadas sobre o mar de Sesimbra, tenho mais um ano ou menos um do que V. e ainda não tenho essas duas assoalhadas.
    Do sítio onde moro vejo o Tejo, que é o rio grande que traz água do rio da minha aldeia, o Ponsul. E vivó velho, meu caro!
    Aquele abraço.

    PS- Vou ao lançamento de um livro do Jara, no Seixal.

  5. Então o sonho tornou-se pesadelo e aí é que bate o ponto. Eu pago impostos para o Estado a que isto chegou desde 9-9-1966 e é por isso que me revolto ainda mais. Eu tenho legitimidade para me revoltar quando vejo a POlícia Municipal a multar automóveis na minha rua mas (no caminho para cá) a não ver que há restaurantes a roubar lugares de estacionamento para colocarem assadores, carvão e mesas. E quando a EMEL nada faz para ressarcir os moradores que perderam 8 lugares com as obras na Travessa da Boa Hora. Ao pé destes senhoritos o Batman é uma brincadeira. «Boca de palhaço» é aquilo que eles querem fazer de nós…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.