Vinte Linhas 398

UEFA – A encomenda foi entregue; está conforme

Aprendi desde 1979 em muitos anos de contacto directo com o (sub) mundo do futebol (dez dos quais a tempo inteiro) que os árbitros são sempre influentes e muitas vezes decisivos. O Sporting foi eliminado não porque o seu adversário italiano tenha marcado mais golos mas porque um árbitro estrategicamente nomeado para o jogo da primeira mão em Lisboa (um húngaro com má cara, um monte de esterco sem categoria) resolveu fingir que não viu uma agressão a Liedson logo nos primeiros minutos e trocou o cartão vermelho pelo amarelo. Já na segunda parte, ao ver o gesto repetido do auxiliar a chamar a atenção para uma falta grave sobre Moutinho (segundo amarelo) ele fugiu para o outro lado do campo. Era preciso fazer o frete e o frete foi feito. Já está.

Há uns anos foi Paulo Baptista que anulou um golo válido ao Hugo Viana contra o Braga destruindo a sua carreira no Sporting. Tempos depois um tal Kyros Vassaras destruiu a carreira do Miguel Garcia «invertendo» uma falta na grande área leonina. Lucílio Baptista fez aquela memorável entrega da Taça da Liga ao Benfica num jogo no Algarve (já é sina, foram lá campeões com um jogo comprado ao Estoril). Ainda esta semana houve três desvios com a mão em três jogos mas só o desvio do defesa do Braga é que não foi sancionado. No passado os árbitros eram todos do Benfica com a excepção do Décio de Freitas (Belenenses) e do Joaquim Campos (Sporting) mas agora, como o Porto domina o sistema desde 1983, já há muitos árbitros do Porto. A grande luta vai ser entre os árbitros do Benfica e os do Porto. Essa é que vai ser a luta decisiva. Hoje a encomenda foi entregue. Os bandidos de colarinho branco da UEFA ainda falam em fair play.

11 thoughts on “Vinte Linhas 398”

  1. Pela minha parte confirmo: ainda hoje o árbitro trocou um penalty contra o Sporting (e um amarelo a Polga) por um amarelo ao avançado da Fiorentina. Digamos mesmo que depois das terríveis maquinações dos partidos da esquerda contra o PS, a maior vítima que eu conheço é o Sporting. E até me estou a esquecer do penalty perdoado contra o Braga.
    Contra tanta adversidade, que fazer?
    RMF

  2. Francisco – paranóica era a tua avó torta. Se queres contradizer aponta uma inverdade (uma que seja) ao conteúdo do meu texto. Essa do «paranóico» vale menos do que o peido de um cigano…

  3. Então era só para apontar uma inverdade, se me for possível. O Porto não controla o sitema desde 1983. A data está errada. É mais propriamente desde 25.04.1974, ou seja, a data em que o sporting e o benfica deixaram de ser campeões, alternadamente e por decreto, com a ajuda desinteressada das autoridades da época.

  4. Que teoria da conspiração tão bem esgalhada. Ele é a UEFA, ele é o Porto, ele é o Benfica, todo um planeta conjugado para impedir as enormes glórias que o mesmo Sporting que levou há pouco tempo uma cabazada do Bayern de Munique para colocar as coisas na devida perspectiva conseguiria alcançar com as suas equipas maravilha, eternas promessas adiadas.
    Ó JCF, não me flixes. O Sporting não tem plantel para disputar a Liga portuguesa contra o Porto, quanto mais para participar na Liga dos Campeões. E se for para irem lá fazer a figurinha da época passada, goleadas em profusão, mais vale assim.

  5. Ó JCF,

    Até parece que quando Dias da Cunha, naquele seu jeito tão característico, falava das arbitragens, as coisas não mudavam.
    o Sporting tem motivos de queixa? Tem com certeza, mas só se queixa das injustiças próprias. Denunciem as perpetradas contra os lampiões.
    Eu sou do Benfica, mas nunca como aqueles fervorosos adeptos do Sporting da porta nº 10.
    E depois, há mais vida para além do futebol. O futebol não merece uma bufa de uma cigana de Pontével, para utilizar a sua linguagem escatológica e pitoresca.
    Abraço. E guarde o coração para outras andanças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.