Vinte Linhas 290

A Algéria da «Visão» ou «os computadores já fazem esse trabalho…»

Quando há alguns anos os revisores começaram a ser dispensados pelas administrações dos jornais, ficou célebre um engenheiro que explicou: «Não é preciso revisor. Os computadores já fazem esse trabalho…»

A página 73 da Revista «Visão» desta semana apresenta um trabalho jornalístico assinado por Clara Teixeira e João Paulo Vieira o qual, numa caixa intitulada «Onde está o dinheiro», se refere à Argélia como se fosse Algéria. Claro que todos sabemos que em França se diz e se escreve Algerie e que os nosso simpáticos emigrantes dizem os algerianos tal como dizem (por lapso mais que óbvio) os romanos em vez de os romenos. É tudo uma questão de som.

Fazem lembrar um daqueles emigrantes portugueses do princípio (anos cinquenta) quando chegou de férias à sua terra e disse aos primos como era a França: «Oh Primo! Trabalha-se muito, ganha-se bem mas vai quase tudo para as ampolas». Só muitos anos depois é que a malta da aldeia descobriu que ele queria dizer impostos mas julgava que era só dar um arzinho português – ouvia dizer les ampô dizia as ampolas.

O engenheiro não tem razão nem nunca vai ter razão. Os computadores poderão ter programas para corrigir erros de ortografia no Word mas só o espírito e a vivacidade de um ser humano atento pode descobrir um problema de sentido. Algéria não faz sentido naquele texto porque a palavra portuguesa é Argélia. A capital é Argel e não Alger como dizem os franceses. Aqui não era um erro de ortografia. Era algo mais. Algo que não cabe em nenhum computador nem na cabeça de nenhum engenheiro administrador de jornais.

10 thoughts on “Vinte Linhas 290”

  1. Isso não terá a ver com traduções apressadas de referências que se vão buscar à net? É que escrever artigos com base em investigação profunda dá “bué” de trabalho aos jovens.

  2. Não posso garantir mas pelo perfil do errro deve ter sido isso: foram ver a uma publicação francesa e trocaram Algerie por Algéria nem lhes passou pela cabeça que em Portugal escreve-se Argélia. Saber dá muito trabalho.

  3. Sim – não percebo a confusão. Será do acento mas não – segundo a minha enciclopédia tem acento no é. Algéria é que não. Se estou errado e não os homens da Revista Visão explica lá então onde. Por favor.

  4. os revisores estão a ser dispensados dos jornais: não admira, muitos jornalistas também. Mas bem mais grave que o exemplo citado foi aqui há dias ter aparecido escrito em letras gordas na entrada de um artigo do Público «fariam-no» em vez de «fá-lo-iam».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.