Vinte Linhas 282

Jacinto Baptista e António Valdemar também estão no falso centenário

Quando alguns comentadores tentam aqui no Blog vender a ideia de que o falso centenário do Sport Lisboa e Benfica é um assunto «menor» vem a propósito recordar o livro «Repórteres e reportagens de primeira página» de Jacinto Baptista e António Valdemar. Este trabalho, patrocinado pelo «Conselho de Imprensa», divide-se em dois volumes: 1901-1910 e 1910-1926. Na página 41 lá aparece «O primeiro Sporting-Benfica em 1907» e, pasme-se! dois reputados especialistas em História, dois homens que muito admiro (o primeiro com quem aprendi em 1978 tudo o que sei sobre jornalismo cultural e o segundo, felizmente ainda vivo, com quem muito aprendi sobre História da Arte) estes dois brilhantes jornalistas «emendaram» as fontes acrescentando um parêntesis recto (!) e as palavras «e Benfica» ao texto dos jornais «Diário de Notícias» e «O Século» do dia 2 de Dezembro de 1907. Na página 41 lá está a citação: «Realizaram-se ontem, no campo do Carcavelos, os desafios entre o Sporting Club de Portugal e o Sport Lisboa [e Benfica] e entre o Clube Internacional de Foot-ball e o Carcavelos Clube». Todos sabemos que não se emendam fontes em citação. As fontes são o que são; se a notícia refere «Sport Lisboa» é porque o Sport Lisboa e Benfica só viria a nascer em 13 de Setembro de 1908. Eu por acaso tenho o «D.N.» de 2-12-1907 em fotocópia mas não era preciso – o parêntesis recto diz tudo… Outra coisa menos intelectual mas igualmente grosseira foi uma reportagem de «A Bola» em 1 de Dezembro de 2007 sobre o «centenário do derby». O presidente do Sporting, desconhecedor da história do seu clube, esteve lá com o presidente do Benfica e tirou retratos. Só faltou mesmo o garrafão.

11 thoughts on “Vinte Linhas 282”

  1. O assunto não é menor, é um não-assunto que andas a tentar vender desde o ano passado. Lebre tipo gato. E depois a petulância de vires aqui ensinar ao Jacinto Baptista, postumamente, como é que se fazem citações. Há cada um! Nesse ano em que aprendeste com ele tudo o que sabes, ele só te ensinou um por cento do que sabia, vê lá tu.

  2. Deixa-te de niquices – não se trata de dizer como se fazem citações mas como não se devem fazer. Não se devem nem se podem fazer acrescentos às fontes citadas. Se o jornal de 2-12-1907 escreveu «Sport Lisboa» não se pode citar «Sport Lisboa [e Benfica]» logo não se pode citar o que lá não está.

  3. Séria candidata a frase célebre:
    “não se trata de dizer como se fazem citações mas como não se devem fazer” (JCF)

    Uma coisa que não aprendeste com o Jacinto Baptista, pois devias estar distraído: os parênteses rectos, usados universalmente para demarcar o que pertence à citação e o que não pertence, servem a quem cita para acrescentar um esclarecimento qualquer ao conteúdo da citação. Não saber isto é ignorância crassa. Em alguém que se apresenta como escritor, é grotesco.

    Não podes pôr em causa o uso (universal, como eu disse) dos parênteses rectos para acrescentar um esclarecimento à citação. Podes, sim, contestar esse esclarecimento, o que é diferente. Podes, neste caso, sustentar que o SLB só se começou a chamar assim em 2008, mas não podes ensinar os teus disparates ao Jacinto Baptista, que nem morto precisa deles.

  4. Nem tu és o Toni nem eu sou o Zezé; conversas da treta não! Niquices, não. O parêntesis recto tenta «emendar» a História, repreender o osbscuro redactor de 2 de Dezembro de 1907. Como se dizia nas AG do 25 de Abril: «não vou por aí». O que eu escrevi foi que dois homens da História caíram na mesma esparrela que tem derrubado outros: acreditar que o Sporti Lisboa e Benfica nascido em 13-9-1907 celebrou o centenário em 2004. E sem grandes contestações porque parecia mal. Para esta gente vale mais o joelho do Mantorras que a falência do Farense…

  5. Toma lá mais esta nikice, que é de borla. Essa tua obsessão anti-benfiquista fica-te muito mal e não interessa ao Sporting, que não precisa de fanáticos. O que eu mais gosto no SCP é que é um clube maioritariamente de gente civilizada, embora lá tenha também alguns morcões. E já agora: porque não denuncias o FCP, que sustenta que o clube foi fundado em 1893? Tinhas aí muito pasto para o teu sectarismo litigante, mas pareces desinteressado. Serás um agente infiltrado do Dragão?

  6. Nik,

    Passando pelo Aspirina, lembro-te que nunca, mas nunca, o teu contendor concedeu um gramazinho de razão a quem lhe fizesse o mais mínimo dos reparos. Se tu conseguires, avisa-me, que eu ponho gravata.

    Asseguro-te que, como pessoa, o JCF é uma jóia de moço. Mas estás a ver como o Mundo está mal feito?

  7. Obrigado Fernando Venâncio, não desfazendo sou de facto uma jóia, tento ser. Mas chamar sectarismo a um simples afirmar do evidente («em história só há História com documentos»)não é muito simpático. O FCPorto também é tudo uma aldrabice pois um clube não é um grupo de rapazes mas sim uma associação com estatutos entregues no Governo Civil, sede própria, corpos sociais eleitos. Mas repare-se na data: 13-9-2008 cem anos depois de 13-9-1908. Não é sectarismo é oportunidade…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.