Um livro por semana 284

«Uma vara de medir o sol» de Graça Pires

Graça Pires (n.1946) estreou-se em 1990 com «Poemas» (Prémio Revelação A.P.E. 1988) sendo este «Uma vara de medir o sol» o seu 13º título publicado. Os poemas deste volume situam-se entre a Natureza e a Cultura: «Envelhecemos com uma vara / de medir o sol na linha do olhar./ Não entendemos os sinais inscritos / nas margens do abismo.»

O ponto de partida é um regresso («Regressei com a lentidão de quem vem de longe / do mar com pedras na boca para cuspir nos lugares / onde o vento envolve a gruta das nascentes.») mas o regresso é o tempo da infância: «Os rituais da infância não nos deixam esquecer: / Era verde a sombra das árvores no pátio da escola. / Eram verdes os trigais pejados de papoilas.»

Esse era um tempo de harmonia, um paraíso entretanto perdido: «Antes do homem havia a terra: / geografia mágica, sagrada / que, na luz e na treva, explodiu / de espanto e guardou milenarmente / os mistérios da vida e da morte. / Depois da terra veio o homem. / E o homem tornou-se um morador incauto / e perdeu o paraíso onde agora os deuses / quando passam, desviam o olhar.»

No Mundo onde as aves procuram lugares para morrer, só o Amor pode responder à Morte: «Vem, meu amor. / Não tarda aí o fim do dia / e ainda não plantámos as avencas / junto do ribeiro para que o rosto / da terra resplandeça nos prados. / Repara: já há amoras no muro de pedra / onde prendemos as raízes da sede.»

(Editora: Intermeios, Capa: Rai Lopes Pereira, Foto: Ana Pires, Colecção: Margens)

4 thoughts on “Um livro por semana 284”

  1. botas fotografia da capa, transcreves uns versos e ala que faz tarde para ir escrever o 285. chegas aos 10 mil dentro da garantia e sem fazer revisões.

  2. Vara de medir o sol?
    É uma coisa bem rara.
    Andaste a beber tintol;
    de porcos será a vara.

    Agora essa dos “mistérios da vida e da morte.” Não há mistério nenhum, pá!
    Eu cá andei a estudar o assunto:

    Porque se morre, então?
    Da morte qual o motivo?
    E cheguei à conclusão.
    só morre quem está vivo!

    Toma lá para aprenderes que eu não duro sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.