Um livro por semana 216

«O prisma das muitas cores – Poesia de Amor Portuguesa e Brasileira»

Num tempo dominado pelas palavras-ruído, este livro com poemas de 135 autores (Portugal e Brasil) vem remar contra a corrente. Começa com quatro citações (Natércia Freire, Olga Gonçalves, Luís de Camões, David Mourão-Ferreira) e nele podemos registar uma oscilação entre palavra e encontro. Como em Ana Luísa Amaral («Se me pedisses de repente e aqui: / «fala das luas e dos dias», eu / nem falaria, diria só que estar contigo / é estar-me») ou em João Rui de Sousa: «As peças do teu corpo bem ligadas / desligam-se para os gestos mais perfeitos: / são joelhos e coxas separadas / é desalinho de ombros e de seios».

Mas também há oscilação entre corpo e espírito. Como em Alexei Bueno («Às vezes em meio / da incursão noturna / pela rica furna / de onde o sonho é veio / Assoma uma sombra / que é tanto em tua vida / nunca antes sabida / e este amor te assombra») ou em Floriano Martins: «Eu fui te buscar do outro lado da busca / do rio e já não tinhas substância ou rito. / Tuas luzes me esgotaram os pássaros / vôo de sílabas, letras como árvores oblíquas / reescrever-te, sempre, sem descanso algum.»

Por fim o soneto de Hélia Correia: «Se alguém batesse à minha porta um dia / E me chamasse à vida que há na rua / Eu – que não quero ouvir – nada ouviria / Que apenas ouço aquela voz que é tua».

(Organização; Vítor Oliveira Mateus, Editora: Labirinto, Capa: Júlio Cunha, Prefácio: António Carlos Cortez, Apoio: Município de Fafe e Museu das Migrações e das Comunidades Portuguesas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.