Esboço para um retrato

Agora eu pouco sei das tuas rotinas

O chão do poema é deserto povoado

As nuvens são o aviso das neblinas

E este vento traz um frio antecipado

Há aqui uma luz azul intermitente

No carro da patrulha estacionado

A mensagem para ti está pendente

Ouves a confusão no prédio ao lado

Agora eu pouco sei das tuas rotinas

Ao fim da tarde, telemóvel desligado

O teu rosto desenhado nas cortinas

Mantém toda a frescura do passado

Quando ias entre a Estrela e a Graça

No eléctrico tão ronceiro à janela

A madrinha pedia as coisas da praça

À noite ias da Graça para a Estrela

3 thoughts on “Esboço para um retrato”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.