Balada para um retrato

Podiam ser vinte e sete

Menos dez anos de idade

Ou mesmo os dezassete

Que era também verdade

No recanto dum retrato

Preto e branco por opção

Nasce o secreto contrato

Entre a voz e a emoção

Preto e branco iluminado

Terra trazida num rosto

A espuma está neste lado

E o rio segue em oposto

Caminho para o Douro

Vales, pedras e vinhas

Há no mapa do tesouro

O rosto em duas linhas

No desenho da viagem

Teu rosto é cartografia

Veio nele a paisagem

Que nunca se repetia

No ano, quatro estações

Os dias certos das feiras

Entre o frio dos nevões

E o calor das lareiras

3 thoughts on “Balada para um retrato”

  1. Como eu te compreendo – significa que sabes que só valem as coisas feitas por nós e não as compradas no já feito…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.