Silencioso em Auschwitz

Bento XVI esteve em Auschwitz. Talvez tocado pelo local, o papa lembrou-se de ecoar a pergunta que vem ao cérebro de qualquer ateu sempre que confrontado com mais uma malfeitoria do espírito humano ou colossal desgraça dos elementos: se Deus existe mesmo, porque não mexe uma palha para evitar estas catástrofes?
“Porquê Senhor Permanecestes calado? Como Pudestes tolerar tudo isto? Onde estava Deus nesses dias? Porque permaneceu em silêncio? Como permitiu Ele esta matança extrema, este triunfo do mal?” Não são lamentos de cristão interesseiro e pouco iluminado em assuntos da Fé; são palavras do chefe da Igreja Católica.
Estranha queixa esta, vinda de quem vem. Toda a teologia cristã pode ser vista como um labiríntico emaranhado de biombos destinados a ocultar a inacção e o silêncio de Deus. Quando Ele age, os Seus caminhos são insondáveis; quando fica quedo, trata-se por certo de um Mistério, coisa não destinada ao nosso ínfimo entendimento. Há sempre forma de dar ao vazio a aparência de grande ponderação e suprema bondade.
E até para ter permitido as matanças insanas dos nazis Nosso Senhor deve ter um boa desculpa na manga. Claro que ele tinha a agenda muito preenchida; é que ser uma divindade suprema, ainda por cima tripartida, não é pêra doce. Por exemplo, nos dias em que Hitler cimentava a sua liderança do partido nacional-socialista, no início de 1926, Deus estava ocupadíssimo com missão de extrema importância: aparecer à irmã Lúcia e reclamar dos maus tratos que andamos a dar à senhora Sua Mãe. Afinal, dar a conhecer à Humanidade que “são cinco as espécies de ofensas e blasfémias proferidas contra o Imaculado Coração de Maria” só pode ser demanda prioritária, a exigir acção pronta e excursão prolongada do Menino Jesus, himself, a Pontevedra. Como poderia Deus, ao mesmo tempo, lembrar-se de cortar a carreira a Adolf Hitler, antes que o nazismo desse no que deu? Omnipresente mas não tanto, caramba…

16 thoughts on “Silencioso em Auschwitz”

  1. O Papa de então, representante de Deus na Terra, permaneceu calado,tolerou tudo isso, permitindo a “matança extrema, este triunfo do mal”.
    No entanto, a verdade seja dita, o Papa, antevendo o final da 2ªGuerra com a vitória dos Aliados, lá resolveu criar e proporcionar um túnel de salvamento aos nazis com destino à América Latina.
    Afinal, Deus existe! E da sua Providência Divina nascem “Opus Dei” que é um assombro…

  2. ///

    — Não existem Holocaustos de ‘Primeira’ e Holocaustos de ‘Segunda’!!!!!!!!!!
    — No entanto… existem BANDALHOS ÉTICOS… que fazem ‘mil e uma’ manifestações de repúdio contra todo o tipo de Holocaustos… EXCEPTO… contra os Holocaustos cometidos para benefício do desenvolvimento económico…..

    —> Um Exemplo: Muitas Tribos Nativas Americanas eram economicamente pouco rentáveis [ eram nómadas que acompanhavam as migrações dos bisontes ]… consequentemente… o EXTERMÍNIO TOTAL dessas Tribos [ e consequente ocupação desses territórios por Povos ( Raças ) Economicamente mais Rentáveis ] foi ‘BOM’ para a economia…

    ///

  3. São os supremos desígnios da Santa Madre Igreja. Não devemos tentar compreender. Não compreenderíamos e além do mais não consta que aquela Santa Madre alguma vez tenha estado ao lado dos pobres, dos espoliados e dos indefesos. Se alguma vez esteve foi por engano ou para lhes chupar o tutano.

  4. Hitler foi eleito democraticamente, como, aliás, Louçã, Odete Santos, Sócrates, Nuno Melo e Cavaco … é a democracia (o mais imperfeito dos sistemas, exceptuando, todos os outros) [tradução muito livre de Churchill]

  5. este é um dos tais assuntos pertença do “outro Reino que não é deste mundo”
    como disse atempadamente o Outro, para lhe acreditarem nas balelas,,,

  6. optaria por enunciar a insondavel questao da liberdade humana, vejamos um deus feito a imagem e semelhança do homem, deus esse que possui todas as substantcias divinamente apetecidas, deus esse causa incausada de todas as coisas e ate hoje ninguem lhe disse que o chato da questao e ele mesmo. chega a ser ofuscante o rito, deus isto deus aquilo. nao concorda: FOGUEIRA. mais claro, meus senhores, é impossivel, alimentando o negrume ate ao final dos tempos la estarao os santos martires de saudade, tao infinitos de liberdade pairando sobre as nossas cabeças incapabilissimas de divino.
    Disse

  7. Por Galileu!

    O Papa Bento XVI não é o mesmo Joseph Ratzinger que foi responsável pela “Congregação para a Doutrina da Fé”, o mesmo que inquiriu o teólogo brasileiro Leonard Boff, adepto da “Teologia da Libertação”, e o condenou a um “silêncio obsequioso”?

    A Igreja “enganou-se” outra vez. Dentre os assassinos da ditadura brasileira e os padres da Teologia da Libertação – que sofreram ao lado dos trabalhadores em luta pela Democracia – a Igreja escolheu os carrascos, como de costume.

    Esperemos mais umas gerações e novas desculpas surgirão.

    Ah, sim: Os Estalinistas foram (e são quando podem) uns assassinos.
    E isso atenua a culpa da maior organização criminosa jamais inventada pela humanidade?
    Sim, é verdade, além dos estalinistas estou a pôr no outro prato da balança os nazis!

  8. a bondade absolupta de deus não é compativel com a sua pretesa omnipotência. ou será uma coisa, ou outra, ou nenhuma das duas. as duas em simultaneo não é lógicamente possivél e é muito duvidoso que o possa ser ontológicamente.de resto se observarmos a estrutura do mundo em que o mais forte mata e come sempre o mais fraco o mundo parece organizado por um filho da puta. o papa pergunta onde deus estava quando aconteceu o holocausto? não me admira nada, outro, outrora, muito mais perfeito, perguntou o mesmo na sua última noite, cercado de trevas, no monte das oliveiras. também ningúem lhe respondeu.

  9. a bondade absolupta de deus não é compativel com a sua pretesa omnipotência. ou será uma coisa, ou outra, ou nenhuma das duas. as duas em simultaneo não é lógicamente possivél e é muito duvidoso que o possa ser ontológicamente.de resto se observarmos a estrutura do mundo em que o mais forte mata e come sempre o mais fraco o mundo parece organizado por um filho da puta. o papa pergunta onde deus estava quando aconteceu o holocausto? não me admira nada, outro, outrora, muito mais perfeito, perguntou o mesmo na sua última noite, cercado de trevas, no monte das oliveiras. também ningúem lhe respondeu.

  10. Não vos percebo…?! andam constantemente a falar da liberdade do homem, e não entendem que é, por ser livre, é responsável?! terá Deus culpa por nos deixar livres?! …em quaqluer caso, se Deus não existe, como parecem julgar, que relevância tem o Holocausto?!…que arrogância, a vossa…verdadeiros iluminados progressistas…

  11. Ó senhor da peregrina ideia,

    Quem inquiriu agora o silêncio da divindade foi o seu servo mais graduado por estes lados, não eu. Vá lá, portanto acusá-lo a ele de ser um “iluminado progressista”.
    Quanto |à liberdade, explique-me lá então porque é que o Menino Jesus desceu à Terra para nos dar descomposturas a propósito de minúcias bizantinas…

  12. importâncias libertinas de tempos idos em que a peregrinação, fezada com dom de deus, se fazia comedidamente. “iluminados” aqueles que oram, já santo anselmo dizia. quem somos nós pobres progressistas de espirito para enunciar o supremissimo issimo issimo dom do nosso divino. que deus nos proteja da sua ira. cairiamos todos aos trambolhoes para o caldeirao. ahahahaha

  13. “Como dizer Senhor te amo, sem mesmo vê-lo, e ser incapaz de amar o outro que está ao lado e se pode ver, por que quem não ama, não conhece a Deus…”
    POR QUE DEUS É AMOR

    Se dizem Cristãos falando mal uns dos outros, julgando, desafiando, blasfemando e muito mais.
    Que disperdício de tempo, vamos ajudar quem precisa, quanta fome, quanta violência, precária educação e tudo mais nesse Brasil e mundo.
    Mãos a obras filhos de Deus, mãos a obra…muitos precisam de vocês, muitos…

    Deus nos abençoe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.