Sempre quis escrever um post com um título assim

Como toda a gente sabe, não há pessoa mais indicada para escrever textos formais de agradecimento do que eu. Por isso, vou ser curto e delgado: muito obrigado Paulo Honey e muito obrigado Catarina Fields pelo apoio (eufemismo) que nos deram na migração do Aspirina para esta nova plataforma. Como é óbvio, nada disto seria possível sem vocês. E gostaria também de agradecer ao Fernando Venâncio que me vai fazer o favor de prometer nesta caixa de comentários nunca mais escrever uma entrada toda a negrito, pode ser? Menino lindo. Qualquer dia vou aí a Amesterdão fumar um ramalhete de charros.

16 thoughts on “Sempre quis escrever um post com um título assim”

  1. João Pedro, antes de levantares vôo (“para” Amsterdão, não é “em” Amsterdão), eu confesso tudo.
    Eu confesso: tenho um problema. O meu problema é: onde raio vou classificar o AspirinaB na TubrãoEsquilo?
    Economia, não, pronto, ok. De resto, está tudo em aberto:
    podia inaugurar a secção política. Tem um senão: ficaria sozinho uns dias, até chegarem os reforços que aí vêm. Mas podia. Ou então não, tendo em conta o João Pedro.
    Em princípio, ia para a Sociedade. É para onde vai tudo o que não cabe nos outros sítios. E pode-se sempre tirar: o meu Certamente! começou a sua vida de TubarãoEsquilo na Sociedade e hoje abrilhanta a secção Media & Tecnologia.
    Hum. Excluir esta também. Embora alguns posts coubessem na perfeição na parte Media, já a Tecnologia, oh oh.
    Resta ainda a Cultura — mas tenho Grandes Pruridos em incluir o AspirinaB no meio daqueles assuntos sérios da música (antiga e nova) e dos poemas e assim.
    Há outra secção por abrir, que é o Humor e Lazer. É sem dúvida indicada — pela parte do Lazer, pois claro.
    Bem. Reduzi as opções a Cultura, Humor e Lazer, Política ou Sociedade.
    Any clue? Ou preferes esperar por “em” Amsterdão?

  2. Obrigada pelo agradecimento, João Pedro of the Coast. Foi um prazer e cá estarei para ir chagando quando for preciso (“olha o tamanho da pic, tá grande demais!” e “porra pá, ele há categorias e nomes de autores, organizaibus a escolher os certos!”). A ironia disto é maravilhosa: afinal há gente que percebe ainda menos de wp do que eu (aposto que não será por muito tempo).

    Quanto à categoria na TE, eu sugiro ao Paulo que crie uma nova: os blogs multitasking ou, em português e para satisfazer os puristas, “multitascos”. Aqueles que se dedicam a todas as categorias. Pode lá ficar o AspirinaB e (cof, cof) um outro, que também é do mais multitasco que pode haver. :)

  3. O José do Carmo Francisco passou a visita actual. LOL. A susana, finalmente, tem o seu lugar legitimado com posse total dos próprios comandos.
    Mas deviam ser um pouco mais corteses com os comentadores. Mudaram de casa, ok. Pronto, sou simpática, lá venho eu. Mas deviam oferecer agora um cálice de vinho do Porto de boas-vindas ou até uns chocolates. Eu assim fico desconsolada.

  4. hã, e retirem aquele acento incongruente ali em cima “passou à visita actual”. até me dói o coração de estragar assim a língua portuguesa.

  5. Claudia / Cláudia,

    O teu desejo cumpriu-se.

    JP,

    Quanto a negrita, nada prometo. Revesti assim «posts» inteiros quando eles eram minúsculos contos, literatura, pois (ena, ena!). Ou quando era preciso dar brado. Enfim, pura funcionalidade.

    JP / Susana?

    Já agora: como destacar em negrita – e, mais genericamente, como fazer «cenas html» – aqui na caixa de comentários? Com os habituais «b» ou «em» ?

    [Bom, já vi que é assim mesmo. It’s magic!]

    E há, ou não, a possibilidade de «ver» o comentário antes de o «submeter»?

    Tudo perplexidades ao levantar.

    Bom, e este fmv apareceu aqui com um automatismo assustador. Sou eu, o velho fv. Entrego-me ao cego Destino.

  6. Fernando: então e isto justifica o negrito? É suposto a tua «literatura» merecer mais destaque do que as minhas caralhadas ou que os textos dos restantes autores deste blogue? Sinceramente, Fernando. Respira fundo que isso deve passar.

  7. JP,

    Amocho / Amoxo: o corrector que escolha. Nunca mais declararei nada «literatura».

    Tu sabes que eu me baseava no mais rasteiro nominalismo: é «literatura» aquilo que assim chamam. Mas é capaz de andar aí escondida alguma auto-complacência.

    Pois até esta entrego. Nivelamos tudo. Por baixo. Por cima. Quem o saberá?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.