Mais uma vez a linguagem branca: “reavaliar aspectos da lei do aborto”

Podia ler-se esta notícia e optar-se por não lhe dar valor algum.
Acontece que estamos perante uma direita em concreto, esta, a direita que invoca metas do memorando de entendimento para calar tudo e todos quanto aos meios que escolhe, que são seus, com alternativa possível, para os alcançar.
Estamos perante essa direita batoteira, mentirosa, mesmo, de tal forma que dobra a linguagem para esconder a realidade que está a construir, destruindo uma outra, cheia de gente entre a vida e a morte de tão asfixiada pelos tais dos meios.
Quem assim procede só pode estar carregado de um sentimento de moralidade deísta, é uma direita que vê os caixotes nas farmácias cheios de receitas de quem comprou fiado e estende a mão, num elogio do sacrifício, garantido que haverá redenção.
É isto: esta direita é celestial e nada lhe escapa. Animada pelo exemplo espanhol que, desde os anos 80 permite a IVG numa interpretação lata, recentemente actualizada, e que agora se vê perante a ameaça de retroceder juridica e culturalmente quase 30 anos e perseguir penalmente milhares e milhares de mulheres, olhou, viu que era bom e aplicou a ideia.
A direita Calcutá começa por dizer aos moribundos que está a reavaliar a hipótese, para depois dizer umas coisas mais concretas.
Estes fascistas descobriram isto: apesar do peso político de um resultado referendário expressivo; apesar de viverem num país que consagra constitucionalmente o princípio da segurança jurídica e da tutela das expectativas; apesar desta lógica de não retrocesso, apoiada nestes princípios não existentes nos EUA – donde vermos por lá coisas estranhas à nossa cultura -; eis que a vizinha Espanha dá uma mãozinha ao calvário.
É inaceitável, e mais ideias destes deuses, afinal não derrubados em Abril, virão.
Atrevam-se.
A política, a decência e o direito estão do nosso lado.

12 thoughts on “Mais uma vez a linguagem branca: “reavaliar aspectos da lei do aborto””

  1. A Santamaria do Rajoy, em poucos dias, disse logo ao que vinha. A rojoada da direita portuguesa levou 6 meses pra ganhar coragem.
    Tamém estou como a Isabel, fascismo nunca mais! Gajos de merda, atrevam-se!

  2. O juizo que a História passada e presente nos permite fazer da “direita” em geral, mas muito especialmente da direita portuguesa, pode sintetizar-se no seguinte: ou se trata de gente honesta mas que à inteligência deve muito pouco ou se trata de gente esperta, muito espertinha mesmo, mas duma desonestidade a toda a prova. As excepções a esta dicotomia – que as há de facto – para mais não servem do que para confirmar a regra!

  3. As barrigas de aluguer não vão poder abortar, vai ser uma chatice.

    Se abortarem não recebe os nove meses de renda.

    Mas se fôr de sete meses é só sete meses de renda.

  4. O BE e o PCP devem estar cada vez mais orgulhosos por entregarem o poder todo a uma direita que nunca foi democrática. Vendo bem, alguma vez aqueles dois partidos aceitaram a democracia saída do 25 de Abril?
    Muito bem, Isabel

  5. Pois a pergunta-se impõe-se – «Foi para isto que rejeitaram o PEC IV? A ideia é quanto pior, melhor?». Não aceito nem perdoo.

  6. “encargos para o Serviço Nacional de Saúde com a aplicação da lei de 2007″

    É apenas com isto que estes espertinhos estão preocupados.

    Se pelo caminho poderem satisfazer as histéricas do movimento pró vida e quejandos e o lobby das ” parteiras que vivem á custa do sofrimento alheio ” será melhor ainda, sempre recebem mais uns cobres por mais um retrocesso conseguido.

  7. Fascistas? Vá à merda, Isabel. À merda. Não tem direito, percebeu? Uma coisa não tem a ver com a outra. Sua idiota marada! Não merece os genes nem a quinta onde viveu.

  8. Sra. Dra. Isabel, a senhora não percebe mesmo nada de nada… Além do mais, parece ser uma profunda ressabiada… mas de quê…?! Viveu sempre no maior conforto, longe dos problemas materiais, sociais e demais…
    A Sra. não tem maturidade nenhuma. Quer assumir posições sobre problemas que desconhece. Está verde, muito verde, ainda…
    É só palavreado tolo, sem nexo, só para ser do “contra”…
    Tem muito que aprender ainda, Dra. Isabel… Entretanto, sugiro-lhe um precioso livro que talvez a ajude a encontrar caminho seguro: “A Imitação de Cristo”.
    Paz e Bem, Dra. Isabel. Que Deus a ajude.

  9. já que ninguém manda o curioso à merda neste blogue de narcisos, avanço eu:

    olha pá! há duas maneiras de veres as coisas, uma é o que parece e a outra é o que é, tu não acertaste em nenhuma. a isabel é deputada independente pelo partido socialista e é paga para dizer o que diz, reclamações é no dia de eleições. tás desiludido, paciência, contratasses primeiro. os genes não têm nada a ver com o direito ao trabalho e se tivesses vivido numa quinta, começavas por ficar deslumbrado com os sábados à noite na cidade e depois querias todos os dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.