Isto de ver a oposição a fazer oposição à oposição com censuras

A estupidez instalou-se. Tudo começou com a possibilidade de uma moção de censura ao Governo apresentada pelo PCP, prerrogativa constitucional inquestionável, claro, mas politicamente sem saída; um Partido sem qualquer hipótese de se apresentar sozinho ou acompanhado como alternativa de Governo. Nessa altura, o BE afastou o cenário de idêntica iniciativa, parecia que caminhava por terras de razoabilidade, mas eis que encontra uma frase de ataque ao PS para justificar a insuportável circunstância de ficar atrás do PCP: em tom ameaçador, Louçã avisou que ou temos confiança, prerrogativa do Governo, ou teremos a sua moção de censura. Ei-lo.

O cidadão vê a contradição, pode até ter muitas considerações a fazer sobre o estado do país, mas não vê certamente no BE, um apanha-casos que vive, precisamente, da confortável irresponsabilidade de não ser nem vir a ser poder, uma alternativa.

Como, com quem e com que programa, santo deus?

18 thoughts on “Isto de ver a oposição a fazer oposição à oposição com censuras”

  1. O pior inimigo dos «pequenos partidos», a quem foi dada vez e voz para salvaguarda do pluralismo democrático, estão a ser os primeiros responsáveis pela sua extinção.
    A recusa em assumir a governação, porque as coisas nunca são como eles querem, é motivo para que comecemos a pensar na absoluta inutilidade da sua presença na AR. Que existam, que se manifestem, que tenham vez e voz na democracia, mas não na casa-que-faz-as-leis. Porque aqui a perfeição e a unanimidade não são possiveis e é com isso que temos de viver.
    O BE e o PCP nunca aprovam nenhum OE, porque não são perfeitos. Nunca aceitam participar na governação, coligados, porque não aceitam partilhar as imperfeições da governação democrática.
    A AR foi criada para legislar e fiscalizar o governo. Como se justifica a presença na AR daqueles para quem tudo está mal «de raiz»? O BE e o PCP, por mais que os democratas-faz-de-conta insistam, não têm cabimento numa AR que aceita governar nas condições concretas da sociedade que pretende servir.
    Reduzam-se o numero de deputados até que sobrem apenas lugares para quem arrisca governar na democracia possivel.
    Chamem-me os nomes que quiserem! Já chega de aturar birras de gente paga e muito bem paga, que vive apenas para o protesto.
    Protestem na rua e à sua conta, porque quem vai para a AR é para governar quando o País real exige.

  2. Isabel: mas eles são, para além de burros, cobardes. O José Manuel Pureza já veio dizer que a moção de censura é contra a direita, pondo logo à vontade o PSD para se abster desta trapalhada. Sinceramente, que bando de imbecis inconsequentes, caramba. Santo Deus!

  3. Sem dúvida nenhuma que «a estupidez instalou-se». Como se prova pelo facto de alguém ser capaz de escrever um «post» do qual se deduz que só uma moção de censura vinda do PSD é que seria lógica e razoável. My God, ao que chegámos !

  4. Como é bonito o nosso Portugal.

    Todos sabem bater em quem diz ao que vem. Que gaita de gente é esta que não permite aos ouros o direito a terem a sua opinião, ou a partilhar das alheias.

    Porque é grande é mau por isso mesmo, se é pequeno é mau na mesma.

    Bolas, a coisa é bem simples, se há quatro partidos a clamar por melhor governo o que importa saber quem dá o tiro de partida? Deixem o povo votar. Se ganhar o Socrates, é porque o povo quer, ponto. Será o mais certo, no meio destes chicos espertos todos é ele a referencia que se destaca. O pobre já anda numa roda viva, dinheiro é cada vez mais complicado, mas não “passa nada” como diz o galego.

    O problema é o de sempre. Dá Deus nozes a quem não tem dentes.

    Que cada um coma do que gosta e tenha as dores de barriga que quiser.

  5. O Louçã partiu a louça toda. Existe gente internada num hospital psiquiátrico por muito menos do que aquilo que o Louçã acaba de fazer.

  6. Estes políticos de fina água que aqui comentam, deixam-me sem palavras.
    E como tem fraca memória, para alguns destes doutos políticos os pequenos partidos com representação parlamentar deviam de ser proibidos, esquecendo que tiveram um governo sustentado por um deputado do queijo limiano.
    Já agora valha-os Deus e o São José Sócrates.

  7. Louçã anunciou no dia 10 de Fevereiro que o BE ia apresentar uma moção de censura no 10 de Março. Contudo no dia 5 de Fevereiro, Louçã disse que o BE não vê “utilidade prática” na sua apresentação. “Sabemos que no dia em que estamos a discutir não tem qualquer utilidade prática a apresentação de uma moção de censura”, disse.

    E no dia 8 de Fevereiro, o seu líder parlamentar declarou ao Público que a sua bancada não está disposta a dar a mão ao PSD e CDS. “Não nos colocamos na posição de facilitar a vida à direita portuguesa”, afirmou, lembrando que o que poderia significar uma moção de censura aprovada. “Derrubar este Governo para introduzir a revisão constitucional do PSD não é aceitável”. O BE repete que discutir uma moção de censura neste momento “não tem efeitos práticos”.

    Porque é que para Louçã não teria utilidade anunciar a apresentação da moção de censura a 5 ou 8 de Fevereiro e tem todo o sentido fazê-lo a 10 de Fevereiro?

  8. João Pedro Costa,

    a sua linha é por demais simplória, mas considerando que encerra uma crítica e uma afirmação que pode levar alguém a pensar do seu bom juízo que não tem, tome nota.

    “o povo já votou” é bem certo, mas votou as políticas actuais deste governo? Não, logo é legítimo confirmar a vontade do povo. Sabe o que são as alterações das circunstâncias?

    Pelo facto de ser eleito democraticamente a ninguém foi dado mandato sem limites para fazerem o que lhes der na real gana. Mesmo no caso de maioria absoluta. Há limites, e a democracia é o melhor sistema político pela simples razão de impor limites ao exercício do poder.

    Fique descansado que destraido é que não ando, estou bem a pau e em especial com aqueles que têm medo do exercício do voto democrático.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.