A quem serve a escalada

«Seis das doze caricaturas do profeta Maomé foram publicadas no Egipto, em Outubro, sem levantar a menor polémica, afirmou ontem o embaixador dinamarquês no Cairo. A reacção surgiu dois meses depois, quando os líderes muçulmanos reunidos num encontro da Organização da Conferência Islâmica (OCI) coordenaram estratégias e “cristalizaram” a crise, revelou o jornal The New York Times. Só então a revolta começou a sair à rua, com o apoio de vários governos. (…) Para Sari Hanafi, da Universidade Americana de Beirute, os regimes árabes que estavam ressentidos com a pressão ocidental de democratização viram aqui uma oportunidade. (…) Por outro lado, as manifestações também permitiram a certos governos afastar o crescente desafio que enfrentam por parte da oposição islamista que se apresenta como defensora do islão, acrescenta o NYT. Foi o que aconteceu com o Egipto, onde os islamistas têm vindo a aumentar a sua influência, como se viu nas eleições; foi também o que se passou na Arábia Saudita. A 26 de Dezembro, o reino quis ouvir o embaixador da Dinamarca, depois decretou o boicote. “Os sauditas fizeram isto porque quiseram marcar pontos contra os fundamentalistas”, disse Said.»
Público, 10 de Fevereiro

«Estamos num confronto cultural e civlizacional. Podemos rezar todos os dias para que não exista. Estamos em guerra. Os americanos já o perceberam há muito tempo, os Europeus ainda não.»
José Pacheco Pereira, Quadratura do Círculo, SIC

19 thoughts on “A quem serve a escalada”

  1. E duvido muito que este alarve não ande a ser pago para dizer uma coisa dessas. Não desejo mal a ninguem, mas o que ele precisava era ser abandonado todo nú no meio duma sessão de chafarica composta de gajos divorciados.

  2. o Daniel Oliverira parece burro!….
    e depois tem a mania que é vitima …

    MAs desta vez faço-me eu de burro e pedia ao Senhor Daniel que me explicasse que raio de conclusão é que eu devo tirar ao ler o seu post….

    Agredecido p/resposta

  3. JPP é um porco nazi-sionista que não perde uma oportunidade para incitar ao genocídio dos muçulmanos. Um reles esquerdalho maoista recauchutado de neocon. Antes adorava o Grande Timoneiro Mao, hoje o Grande Timoneiro Bush. Varia como um camaleão, mas é sempre o mesmo FDP…

  4. Também eu gostava de saber se o Daniel Oliveira tira alguma conclusão dos textos que colocou, ou se os pôs ali só porque sim.

    Aurora

  5. Para o senhor Luis Lavoura tudo é noraml.

    Afinal basta ver a sua reacçao à noticia do Semiramis e comparar com a da publicaçao dos cartoons.

    VIva a Liberdade expressão.
    POrque se isso não fosse estes senhores….

  6. O JPP idolatra a guerra mas era incapaz de a fazer, tal como Bush, o cobardola dersertor do Vietname, Duão, Portas e outros paisanões. São o que na América se chamam chicken-hawks…

    De qualquer modo, fazer a apologia pública do massacre de muçulmanos é crime de guerra… Brasillach que o diga…

  7. O Pacheco Pereira adora guerras desde que sejam os filhos dos outros a morrer …mete dó…é vê-lo na SIC todo reverente e babado quando o Lobo Xavier diz alguma coisa…é um idólatra: idolatrou a China e o criminoso Mao, agora ama a América mas não vai para lá…provavelmente não conseguiria safar-se a não ser lavar pratos nalguma KFC ou McDonalds…

  8. Novas cenas de amor pela América:
    “WASHINGTON – The U.S. trade deficit soared to an all-time high of $725.8 billion in 2005, pushed upward by record imports of oil, food, cars and other consumer goods. The deficit with China hit an all-time high as did America’s deficits with Japan, Europe,
    OPEC, Canada, Mexico and South and Central America.
    The rising trade deficits must be financed by increased borrowing from foreigners, who so far have been happy to sell us their products and hold U.S. dollars in payment which they invest in U.S. stock, bonds and other assets. The concern is that at some point foreigners will want to reduce their dollar holdings. If the change occurs at a rapid pace it could send the value of the dollar, U.S. stocks and bond prices all plunging.”

    É por isso que o Pacheco Pereira gosta tanto da América: é que eles são suficientemente espertos para pôr os europeus a financiar o seu apetite voraz pelo consumo dos bons produtos europeus pagos em dólares…

  9. A meu ver, em relação ao artigo do público acima citado, devemos perguntar o seguinte:

    Porque é que o regime saudita e outros tentam marcar pontos contra os fundamentalistas?

    Será porque:
    Perceberam que uma maioria considerável da população defende, de facto, posições fundamentalistas (os governos pretendem, assim, roubar o vento das velas dos fundamentalistas que estão na oposição???)

    Se esta hipotese for verdadeira (ie que existem maiorias fundamentalistas por todo o mundo islâmico) então estamos perante um imbroglio dramático (e, infelizmente, Pacheco pereira poderá ter-ou vir a ter-razão)

    Sinceramente, se isto for verdade é deveras assustador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.