A fome e o pão bento

O velho carregava uma montanha de anos pelo outeiro acima. Curvado sobre uma cana a servir de bordão. Ia muitas vezes ao mato buscar uns gravetos para a lareira ou o forno. Nesse tempo, não havia subsídio de invalidez nem de velhice. Só invalidez e velhice.

Por isso procurava passar sempre à hora certa, mas fingindo que o fazia por acaso, pela cafua onde pai e filhos comiam ao meio-dia. A pergunta do convite era invariável, a resposta também. E lá vinha a bendita fatia de pão de milho, com um chicharro ou um bocado de cavala.

Aquele pão, assim partido e repartido, assemelhava-se à bênção da Última Ceia.

DANIEL DE SÁ

4 thoughts on “A fome e o pão bento”

  1. a minha avó tinha uma família grande, mais de uma dezena, lá em casa. mas havia sempre dois ou três lugares a mais, à mesa, não fosse aparecer alguém. é grata, a disposição para dar, porque se tem; mesmo que não apareça alguém a querê-lo.

  2. Ana, é peixe habitual nas ilhas, sim. O chicharro é o que no Continente se diz carapau; o que aí se chama, ou deveria chamar chicharro (carapau grande) nós por cá, pelo menos em S. Miguel, às vezes chamamos canecos.
    Estes peixes (chicharros e cavalas) eram a comida dos pobres. Do tempo em que dar de comer a quem tinha fome, meu caro luís eme, podia querer começar-se em casa e não ter com quê.
    Susana, a história é real. Um dos filhos do homem caridoso é meu vizinho, com a casa encostada à minha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.