Vinte Linhas 251

«Não é preciso revisor; os computadores fazem isso!»

Esta frase é célebre e foi ouvida numa redacção nos anos 90 a um «engenheiro» que administra jornais como poderia administrar supermercados ou lojas de bricolage. Hoje lembrei-me dessa frase pois caíram na minha mesa de trabalho três exemplos de como ele está profundamente errado. Vejamos o primeiro caso: no «Diário de Notícias» de ontem (15-3-2008) aparece a palavra crisóstomo para definir a lampreia quando deveria ter sido empregue a palavra ciclóstomo. Sim, o «ciclóstomo» é que é «a ordem dos peixes que compreende as lampreias e formas vizinhas». A Revista «Guias Convida» dedicada ao Bairro de Santos apresenta uma entrevista a Raul Solnado sobre a Sociedade Guilherme Cossoul que, num texto assinado por Isabel Lindim, terá dito: «Iam lá muitos poetas. O Possidónio Muralha, por exemplo, que uma vez jogou pingue-pongue comigo.» Claro que não disse; o nome do poeta é Sidónio Muralha, Possidónio Cachapa é outro autor, muito mais moderno. Entretanto a Revista do Círculo de Leitores no seu nº 176 apresenta Anabela Natário, jornalista que eu conheço desde os tempos em que ela trabalhava no «Correio da Manhã» em 1982, como tendo nascido na Foz do Douro em 1942, licenciada em Direito e advogada no Porto entre 1966 e 1983. Não, não pode ser. Estes dados pertencem a outra pessoa, por acaso do sexo masculino, chamado Vasco Rebordão da Graça Moura, primo do escritor António Rebordão Navarro. Coitada da Anabela Natário, assim de repente promovida a «mais velha» – uma coisa que em África até tem muito prestígio mas que aqui na Europa nem por isso. Fiquemos por aqui. Mais uma vez se prova que os computadores podem fazer muita coisa na ortografia mas só uma pessoa pode perceber os erros de sentido. O «engenheiro» não tem razão, os computadores não fazem isso…

8 thoughts on “Vinte Linhas 251”

  1. Para que serve um órgão noticioso sem rigor? Provavelmente para o mesmo que uma cadeira com um pé mais curto (ou comprido) que os outros três… (e a ERSE, não podia dar uma palavrinha sobre o assunto – que alastra como uma epidemia? Pena não ser antes do departamento da ASAE!!!)
    E depois (parafraseando/parodiando uma frase infeliz) os blogs é que são “comunicação rasca”…

  2. O papagaio da Amália é que (ainda) diz lá na cozinha da casa da Rua de S. Bento: «Ai que tristeza! Ai que tristeza!» Tudo isto é triste, tudo isto existe, tudo isto é fado…

  3. Houve cursos de computadores em que os “professores” disseram que se podia escrever tudo à vontade, que o computador corrigia. Certa vez eu disse a um rapaz (adulto) para fazer a experiência de escrever “vou há Maia” e ele ficou muito admirado por não ver aparecer o traço vermelho debaixo daquele escandaloso “há”. Por isso se vê muito “à muito tempo” assim, despudoradamente despido do”h”.

  4. Daniel,

    Uso o corrector ortográfico e sintáctico da Priberam, o melhor (de longe) que temos. Fui verificar.

    Deixou passar «Vou há praia». Não vê nada de estranho, possivelmente porque o interpreta como «Vou. Há praia».

    Mas em «Foi à muito tempo» perguntou se era exactamente esse «à» o que eu desejava. É uma simpatia.

  5. Fernando, o meu corrector em questões de sintaxe é da nova vaga: ignorante como um penedo. Curiosamente, porta-se muito bem em Inglês, Francês e Castelhano. Mas bem poderias dispensar o teu a quem precisasse mais do que tu.

  6. Pelos meus conhecimentos computacionais e básicos apenas, o computador é tradutor ortográfico sim, mas não corrige concordâncias verbais.

    Pode-se brincar com as palavras também, vejam que absurdo:

    Para aqueles que são cautelosos… A Microsoft sabe quem você é! O Windows descobre quem é você! Duvidas????

    O programa está muito bem escondido, mas foi denunciado por um ex-funcionário da empresa.

    Siga as instruções e fique pasmo com o que você vai ver:

    – Vá ao Menu Iniciar

    – Programas

    – Acessórios

    – Calculadora

    – Clique no menu da calculadora na opção “Exibir”

    – Mude para opção “Científica”

    – Agora digite 12237514 e depois pressione a tecla “F5”. Você verá todos os seus dados pessoais!

    Me contem depois a experiência…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.