Pergunto eu

 

 

A descolagem abortada do PSD nas sondagens também foi culpa do vulcão islandês, ou deve-se a um fraco piloto? É que os numerosos passageiros com destino ao resort de São Bento estão na cabine cheios de fome, e qualquer dia dedicam-se ao canibalismo.

3 thoughts on “Pergunto eu”

  1. ODES AO POTE

    Ó pote que vais tão alto
    Redondo como um tamanco
    Tio Cavaco dá-me uma ajuda
    Que eu não chego lá com um banco.

    Ó pote, meu belo pote
    Prenhe de açúcar e mel
    Cavaco, querido padrinho
    Ajuda-me a chegar a ele.

    Ó pote, meu querido pote
    Amo-te com todo o meu ser
    Minh’alma anseia pela hora
    Em que te hei-de comer.

    Ó pote, amado pote
    Que tesão, meu potezinho
    Hei-de saltar-te prà cueca
    Com todo o amor e carinho.

    Há muito que sonho contigo
    Potezinho, potezão
    Sabes que sou teu amigo
    Hei-de jogar-te a mão.

    Pote querido, vê se te avias
    Sabes que te amo aos molhos
    Conto as noites, conto os dias
    Anseio p’los teus entrefolhos.

    Eis o pote, viril mancebo
    Montado num belo corcel
    Vem, meu amado, a galope
    Encher-me de vil papel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.