Uma ministra que acha que andamos todos a pastar


Mentira 1 da Drª Albuquerque: «Quando este Governo entrou em funções, o problema relativo aos ‘swap’ contratados por empresas públicas já existia, tendo mesmo motivado a emissão de dois despachos do anterior Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, em 30 de janeiro de 2009 e 9 de junho de 2011. Apesar disso, na transição de pastas, nada foi referido a respeito desta matéria».

Explicação dada: Não mentiu porque na pasta dela como secretária de Estado não estava nada.

Crítica da explicação: O Economista Português já tinha admitido esta hipótese, que, sem a nomear, qualificou de reserva mental ou, tempos antes, de negócio jurídico simulado com o Doutor Vítor Gaspar. Só que a 25 de junho a Drª Albuquerque falou em pastas, no plural: a pasta dela e a pasta do Sr. Ministro, subentendemos. Mas que pasta? Se «pasta» foi usada no sentido de Ministério, então o caso fica julgado: mentiu, pois ela não falava em nome das Finanças e o Doutor Gaspar já declarou que fora informado pelo Prof. Teixeira dos Santos, seu antecessor. Mas porque iria a Drª Albuquerque falar da pasta da Saúde ou da Educação a propósito dos swaps? É mais provável que pasta seja o objeto físico. Se a pasta era um objeto físico, então na «pasta» do Sr. Ministro já estava o aviso. O plural pastas incluía pelo menos a do Sr. Ministro, não só literalmente mas também porque à época a Drª Albuquerque não representava as Finanças. Por isso, a Srª Ministra mentiu – e ontem nem reparou que confessou a mentira. Ou reparou, mas não se importou – o que é inteletualmente melhor e é pior do ponto de vista da ética política. Como no seu depoimento de ontem a Drª Albuquerque trocadilhou com aqueles dois sentidos pertinentes da palavra pasta, O Economista Português inclina-se para a segunda hipótese.

Com efeito, na «pasta» do Sr. Ministro das Finanças, Doutor V. Gaspar, estava o aviso deixado pelo seu antecessor, o Prof. Teixeira dos Santos. O Doutor Gaspar tem variado na sua apreciação da suficiência das informações dadas por Santos; ontem, acertando o passo com a sua sucessora, passou a declará-las insuficientes. Ao que sabemos, Santos cumpriu os deveres de ministro cessante – categoria que a Drª Albuquerque parece confundir com a daqueles orientadores de tese de doutoramento que ajudam os doutorandos mais fracos a escreverem as suas teses.

A Drª Maria Luís Albuquerque deve demitir-se >>> leia abaixo as três Razões da sua Demissão

4 thoughts on “Uma ministra que acha que andamos todos a pastar”

  1. Bom dia,

    Gostaria de perceber, face aos problemas por demais evidenciados por todos os quadrantes da sociedade portuguesa, o que ganham alguns em discutir semântica, palavras plurais ou singulares, etc etc… Só consigo chegar a uma conclusão: É mais fácil!! Hoje a palavra e discussão pública encontra-se enviesada por meia dúzia de almas, que não sabendo discutir o verdadeiro problema (sendo simpático…provavelmente por falta de competências), optam pela facilidade… É triste!
    Cumprimentos,

  2. Em Memória De Uma Grande Mulher(Ivone Silva),a propósito de uma pequena mulher(Maria Luís Albuquerque),cito:”ESTE PAÍS É UM COLOSSO.ESTÁ TUDO GROSSO!ESTÁ TUDO GROSSO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.