Também poderá levantar na Lusófona o título de Cavalheiro de Indústria honoris causa, assim calhe lá dar um saltinho

A experiência profissional enunciada não lida em particular com o exercício de cargos de liderança, mas ao envolver funções, conforme declarado, de consultoria em organizações de domínios de actuação distintos permite contactar com realidades empresariais em mutação e percepcionar o entrecruzamento, hoje inevitável, entre esferas sociais no passado distintas ou incompatíveis, como era o caso da esfera empresarial e da esfera político-partidária. Neste ponto o currículo submetido reflecte um percurso profissional que, ao não se limitar ao exercício político, aponta para uma desejável diversificação de competências e aprendizagens.

Parecer que serviu de base à atribuição das equivalências a Miguel Relvas na íntegra

14 thoughts on “Também poderá levantar na Lusófona o título de Cavalheiro de Indústria honoris causa, assim calhe lá dar um saltinho”

  1. Como faz este ano 20 anos, que todos os verões vou à apanha do Mexilhão e adicionando o facto de ter apanhado, em acumulado, cerca de 93 kilos de bivalves e 1 kilo de cavalos marinhos, fui à Lusófona e deram-me uma licenciatura em Biologia Marinha.

  2. mais um bom exemplo do elevadíssimo grau de exigência e rigor quanto a competências e qualificação (verdadeira, não fraudulenta) dos mais altos funcionários do Estado.

  3. entretanto o reitor responsável pela atribuição das equivalências que ninguém percebe, percebeu que tinha de se demitir e fê-lo. E o senhor ministro, do que está à espera? De deixar uns negociozinhos mais encaminhados, antes de dar o salto?

  4. Ó edie o reitor das equivalências demitiu-se, mas parece que vai para um cargo melhor.
    Vai para Presidente do Conselho Superior Académico do “Grupo Lusófona”.

  5. No meio de toda esta inacreditável questão, o que considero ainda mais aberrante é o gritante silêncio dum tal Nuno Crato que tão indecorosamente se bateu pelo lugar de Ministro da Educação e que, tanto quanto sei, meteu a viola no saco e ainda não foi capaz do mais pequeno comentário sobre esta autêntica vergonha nacional!

    Anda com certeza em profundas elocubrações matemáticas na procura de um rotundo QED para a normalidade da situação.

  6. Carlos Sousa,

    mas julgas que vives em que país? Claro que há que maquilhar a coisa e os corruptos têm amigos para quê? Pois para isso mesmo. è como o caso do gajo da casa civil do Cavaco que montou o golpe, a mando do patrão, sobre as escutas em parceria com o Público e quando deu merda foi demitido para ser readmitido com promoção 15 dias depois. È o Estado de funcionários e de favores que temos. Não temos outros. Mas acho que se vão f***r mais depressa do que se espera. De vez em quando dá-me para ser optimista.

  7. ainda tem mais, de acordo com o site da Igreja Maná, foi estabelecido um acordo entre a dita e a Universidade Lusófona no sentido de dar equivalências a nível do 3º ano da licenciatura em Ciencias das Religiões para quem tenha frequentado determinado número de sessões bíblicas da Maná.
    Lá que é um Maná, é.
    Mas a universidade é que devia ser fechada. Já.

  8. Cícero, silêncio não: o senhor já disse que se recusa a comentar casos que envolvam colegas. Ainda não percebeu que o caso é superior ao caso do colega. O caso é de uma rebaldaria de favores numa instituição que está sobre a sua tutela. Mas o homem não respeita o cargo nem a tutela, respeita o colega, é um funcionário que defende o grupo. E representa bem o tipo de governação que temos: os funcionários subiram ao poder e estão lá com o fito de se protegerem mutuamente.

    Para rir, vale a pena revisitar as entrevistas que dava na SIC como grande guru da educação em Portugal.

  9. em resumo do que tenho andado para aqui a debitar: o autarca protege o colega autarca, o juiz protege.se a si próprio, o deputado protege os colegas deputados, na medida em que partlham das mesmas regalias e promiscuidade de interesses, o ministro protege o colega ministro, o reitor protege o colega maçónico, e nós, os pagantes, temos de cobrir estas protecções todas, sem que ninguém nos proteja a nós, motivo, aliás, pelo qual são pagos. E se falamos, ai, cala-te boca…
    http://www.youtube.com/watch?v=m5TwT69i1lU

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.