PSD reage ao iluminismo do PS

Os eleitores conhecem Sócrates e o seu projecto: mais organização, mais fiscalização, mais educação, mais qualificação, mais investigação, mais produção, mais exportação, mais qualquer coisa ão. Foi este o programa da legislatura que finda dentro de poucos meses, não há razão para alterar seja o que for. Com certeza, está em discussão o mérito e viabilidade desses objectivos, se eles foram alcançados, como e quando, custos e benefícios, o diabo a sete. Mas não se discute terem sido esses os objectivos, eis o que fica inegável. Como símbolo desta política, o computador Magalhães. Reúne valências tecnológicas, educativas, produtivas e comerciais que representam o que de melhor o Governo planeou e executou. Contudo, o que brilha atrai a ralé. E assim vemos os mais rasteiros da oposição rasteira a apontar para ele. Tentam destruí-lo, fazer-lhe mossa ou salpicar de merda. A luz deixa-os expostos, aos rasteiros, safam-se melhor na escuridão.

O PSD já encontrou a fórmula para combater a racionalidade que o Executivo, perigosamente, tem vindo a promover desde 2005: Rasgar e romper. Ou seja, e como diria o deputado José Eduardo Martins arregaçando as mangas, vai tudo co’caralho. É do Sócrates? Rasga. É do PS? Rompe. É dos socialistas? Tritura. Não vai restar um tijolo que tenha sido encomendado pelo anterior Governo. Purga radical.

Estamos perante a reedição do movimento Sturm und Drang, com a curiosidade de alguns dos dirigentes do PSD darem ares de terem presenciado esses tempos setecentistas. E tal como as figuras literárias de outrora, também os sociais-democratas de agora surgem raivosos e vingativos. Vai ser a loucura.

7 thoughts on “PSD reage ao iluminismo do PS”

  1. e então val parece que isto está mesmo a virar. a gente fala com as pessoas e elas repetem o discurso da crítica e da maledicência que ouvem na televisão: isto está tudo mal, ele quer gastar o nosso dinheirinho todo, ele não pode ser uma pessoa séria e diabo a sete, e o chifrudo do pinho foi o corolário. ainda lembramos aos interlocutores que os sócrates&pinho conseguiram que uma mina fechada há já não sei quanto tempo reabrisse, que pouco depois voltou a fechar e que só a persistência do pinho a voltou a reabrir outra vez, estragando o plano do pcp desemprego=votos. quando argumentamos que o satã sócrates fez infinitamente mais do que aqueles que querem para lá voltar novamente e que estes prometem o que não fizeram antes, fica-se com a sensação que as pessoas, além de tendencialmente amnésicas (“avec le temps …”) gostam mais que não se faça nada do que se faça alguma coisa. e depois vamos para casa dizendo-nos que não é possível que isto esteja a acontecer. e em casa ligamos o televisor e está a dar o noticiário da sic, em que falam das novas fronteira, com o sócrates a discursar mas em que aparece na imagem, em letras garrafais, a crítica furiosa do psd a esse discurso. e dizemos que não pode ser, que a manipulação é de tal maneira forte e violenta e que já dura há tanto tempo, que só pode dar o resultado que está a dar. pensamos, por um segundo, que o erro de avaliação pode ser nosso. mas não, o provedor do público diz-nos que não, que há mesmo campanha e manipulação. e pensamos como é que podemos modificar esta cruzada, este estado de demência generalizada dos media portugueses. e a resposta só pode vir de fora, porque cá dentro a fatalidade já é irreversível. e sonhamos que talvez um jornalista mais afoito possa questionar um presidente estrangeiro, talvez o sarkozy, sobre as capacidades e acção governativa do sócrates. e vejo o sarkozy a elogiá-lo até porque já mandou cá o primeiro-ministro fillon e outros ministros para se inteirarem das reformas que por cá se fizeram. e vejo essas palavras a deixarem confusos os jornalistas e comentadores da praça, a merda a entrar em curto-circuito. mas sonho mais. sonho que a estocada final neste fedor mediático seria trazer cá o obama himself. por um motivo qualquer, por exemplo as energias renováveis. e trazia o chu, secretário do departamento de energia e nobel da física, e ainda o schwarzenegger, responsável pela implementação de um programa draconiano de implementação de energias verdes na califórnia. e depois um discurso sobre energias verdes&futuro num terreiro do paço cheio como um ovo. e a velha manela a exigir um lugar na tribuna de honra ao lado do obama e do aborrecido cavaco, porque ela, brevemente, vai ser a primeira ministra; e o obama a segredar ao sócrates “é esta velha que irá tomar o teu lugar? Os portugueses vão eleger um bush?….” . e depois acordando do sonho sarkozy&obama penso que o que nos resta é esperar pelos duelos sócrates/manela para desmascarar alguém que se apresenta virgem, que assim é tratada pelos media, mas que o já não é há muito.

  2. Sim, sim, claro que conhecem (ou já vão conhecendo) o Pinto de Sousa e o seu projecto… Principalmente o «ão» de «mais manipulação». E é por isso mesmo que também já estão prontos para, em Setembro, dizerem «não» ao aldrabão.

  3. A táctica do rasgar deu resultados quer com as centrais digitais da Siemens no tempo do boliqueimado primeiro-ministro e depois com o affair Airbus/Lockeed no tempo do rapaz que veio de Jaguar da Amostra para o Governo do Durão. O Rumsfeld bem lhe deu uma valiosa bolsa de estudo pela jogada…

  4. assis, muito bem, e muito bem. A oposição aposta tudo na demagogia, fiada na ignorância e atraso intelectual, político e cívico do povo. Veremos se têm razão. E veremos que tipo de propostas e de campanha vão Sócrates e PS fazer.

    Está tudo em aberto, apesar das pulhices.
    __

    ds, ok.
    __

    Joe Rod, sim, já muito foi rasgado por esse pessoal.

  5. “E é por isso mesmo que também já estão prontos para, em Setembro, dizerem «não» ao aldrabão.” (ds dixit)

    Bem, ds, escolhe já a moita e tem lá o teu orgasmo anual em Setembro…

    Mas conta-nos, e depois dessa punheta, como é que vais ficar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.