Petições há muitas, seu palerma

Existem géneros bem diversos no jornalismo, como a notícia, o artigo de opinião, a reportagem, a crónica, a entrevista. Ninguém os confunde conceptualmente, e não é difícil distingui-los mesmo quando aparecem mesclados. Pois bem, a que género pertencerá esta coisa cujos únicos objectivos são os de promover o ódio contra um cidadão usado como bode expiatório em manobras de diversão e de fomentar um ambiente de incitamento à criminalização de políticos?

Trinta e dois mil querem Sócrates em tribunal

A coisa esteve em destaque na edição digital do DN durante horas e horas nesta quarta-feira, tendo sido o único órgão de comunicação social a fazê-lo. É que nem sequer o Correio da Manhã a tal coisa fez qualquer referência especial ao longo do dia*, por impossível que possa parecer. Acontece que a coisa não vem assinada, pelo que não podemos saber de que cabeça nasceu. E como seria interessante descobrir a pena que deu ao estimado leitor este encadeado de obscenas tangas:

Às 12.20 desta quarta-feira, o texto tinha sido subscrito por 32049 pessoas (apesar de existirem assinaturas não reconhecidas), o que ultrapassa claramente o número de quatro mil subscritores necessários para o texto subir a plenário da Assembleia da República. Desconhece-se se o seu autor promoverá a entrega do texto junto do Parlamento.

Isso leva-nos para o director do jornal, a quem perguntamos – e lembrando que na passada segunda-feira o jornal de referência (ahahah!) também ocupou durante todo o dia o destaque principal com uma notícia que tinha ficado desactualizada logo pela matina, Sócrates desconhece convocatória para ir a tribunal, mas onde o título sugeria mais uma perfídia do monstro pelo que ficou até à noite como o que de mais importante a redacção tinha para comunicar – se está disposto a dar igual destaque a uma petição online cujo título seja “Petição para julgar na praça pública o jornalista João Marcelino por gestão danosa da credibilidade de um jornal secular”, e cujo texto reze assim: “Para que se apure como foi conspurcada a reputação do DN, e quais as motivações para tal, durante a direcção do jornalista João Marcelino, que diminuiu o já baixo número de leitores que lá encontrou ao chegar e fez do jornal uma referência inigualável em sectarismo passista.”

Se concordares, Marcelino, garanto-te que o número de “pessoas” a assinar a coisa irá duplicar, ou triplicar, qualquer resultado que o bandido do Sócrates tenha alcançado na coisa que te esforçaste por divulgar.

26 thoughts on “Petições há muitas, seu palerma”

  1. Valupi, desta vez estás a ser “injusto” com o correio da manha, que referiu o traque tanto online como na edição de ontem (quarta-feira) em papel, com chamada de 1.ª página no canto superior direito.
    Lembro-me bem do facto porque exibi a “coisa”, na brincadeira, à frente do nariz do tipo da tabacaria onde compro os jornais, a quem fiz há alguns meses uma promessa: ofereço-lhe uma grade de cerveja quando me mostrar uma primeira página do coiso da manha em que não apareça o nome do Sócrates ou um arroto bilioso qualquer com uma alusão subliminar ao homem, seja ela o Vara, a Universidade Independente, o Freeport ou o que for.
    Aqui vai o link:

    http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/politica/socrates-em-tribunal

  2. Certo, mas não o explorou na edição digital ao longo da quarta-feira. Não estava nos destaques e nem sequer aparecia na página. O único jornal a dar esse tratamento foi o DN.

  3. estive a pensar um bocadinho e acho que pertence a um género indefinido de, por nome singular, pluralizar a auto-consciência de malina. depois, há a hipótese frustrada de ser uma crónica de bons malandros. :-)

  4. Ola,

    Não vou entrar no assunto (?), mas apenas pensar em voz alta. Uma das coisas que mais me fascinam em ti, caro Valupi (mas o traço é infelizmente caracteristico de muita gente, no pais e não so), é a tua total incapacidade de compreender que ha coisas que são tão estupidas, tão estupidas, tão estupidas… que se desacreditam por si.

    Es um bocado como um engenheiro naval que passaria o tempo em calculos complicados para saber em que condições um barco pode flutuar em cima da espuma que as ondas deixam na praia…

    Boas

  5. Meu caro Val:
    Assino a sua petilção contra o Marcelino, embora me esteja nas tintas para a gestão danosa da imagem do jornal.
    Quando a imagem deles todos se danar definitivamebte e os leitores já nem dados os quiserem, talvez oliveira feche o bordel, talvez belmiro feche a mecearia e apareça um República Novo com Raul Rego ao leme que é disso que estou à espera para voltar a ler jornais.
    Obrigado
    Jnascimento

  6. Eu tinha lido, de passagem pela montra, o tal bafo do diabo no Correio da Manha (sem o til revela a verdadeira essencia dos marcelinos).
    Sou do tempo em que escribas honestos se recusavam a deixar as suas ideias no meio de excrementos. Agora todos se habituaram a conviver com a pestilência.
    Depois queixam-se, os bons jornalistas e os honestos escribas, porque os metem todos no mesmo saco.
    Diz-me com quem andas…

  7. A tática é sempre a mesma, desde que ameaçou explodir o escandalo do Banco do PSD: atacar os inocentes para encobrir os criminosos. E a guerra vai continuar, porque o processo ainda est’a a decorrer. Além disso, o ataque ‘e mais necessario que nunca, uma vez que os portugueses estão a pagar, tostão por tostão, os desmandos financeiros criminosos do banco do PSD.
    Como os portugueses se deixaram enganar e deram o poder todo a estes PSDs, é coisa que não chego a perceber. Talvez porque os bons jornalistas e honestos escribas aceitaram conviver, nos pasquins comprados com os financiamentos do BPN.

  8. Val, bora lá. Só aqui já somos 4. A mim desgosta-me verdadeiramente o desaparecimento do DN, que parece fatal como o destino.

  9. Exactamente. Ainda ontem o velho jarreta e baboso Catorga, incapaz de justificar o obsceno pagamento que vai receber na EDP para não fazer nada, insistia que queria ver Sócrates julgado…a pouca vergonha a que isto chegou…

  10. Pois eu assino já a petição para Sócrates ir a Tribunal. Não acreditando em Deus, porque nunca o vi, resta-me acreditar na Justiça porque já a vi uma vez ou duas e desconfio, assim um desconfiar do verbo certeza quase absoluta, que, existindo essa tal Justiça que já vi uma vez ou duas, um processo contra Sócrates só poderia ter um de dois desfechos – se fosse crime a extracção de certidões para envio ao Ministério Público por indícios de denúncia caluniosa, se fosse cível, litigância de má fé. Acho que Sócrates, independentemente de ter tomado boas ou más decisões políticas, já merece que um tribunal lhe devolva a dignidade do nome.

    (e eu também vi a notícia em destaque no Correio da Manhã online mas na altura eram só 31 000…)

  11. O país precisa de um jornal que fure esta vil tristeza que é o panorama da imprensa e dos merdia em geral. Se há asfixia em Portugal, é esta: ter que escolher diariamente, na banca de jornais, entre o escarro do belmiro, o vómito do correio da manha e a bosta do olibeira. Ter que escolher, ao fim de semana, entre o cagalhão do Balsemão e a poia do Saraiva.

    Era preciso um jornal que falasse do que é omitido e distorcido pela imprensa dominante e desse voz às centenas de pessoas inteligentes e honestas da esquerda, do centro e até da direita ou apolíticas que são ostracizadas pelos actuais grupos mediátios.

    Um jornal onde não houvesse lugar para Pachecos, Zé Maneis, Medinas, Campos e Cunhas, Marcelos, Lombas, Pulidos, Delgados, Cintras, Espadas, Raposos e dúzias de outros gajos e gajas de que estamos absolutamente saturados. Um jornal que não tivesse colunas de opinião de esquerdistas que vendem o rabo a quem dá mais. Um jornal que fosse recrutar à blogosfera gente interessante, séria ou divertida, e que fosse capaz de atrair jornalistas e articulistas que são actualmente obrigados, por falta de alternativas, a trabalhar e a publicar na imprensa reles.

    Não há mercado para jornalismo decente? Não há capital para tal empreendimento? O capital haveria forçosamente de puxar a brasa à sua sardinha podre? Não tenho assim tão má opinião do país. Mas se calhar sou um lírico, isto talvez seja mesmo uma choldra. Talvez estejamos condenados a deixar de comprar papel. Olha, ganham as florestas.

  12. Não há fascismo, só há fascistas. São sempre os mesmos, embora possam mudar de rótulo. São os que têm aversão à liberdade, à democracia e ao Estado de Direito.

    Agora andam travestidos de justicialistas: gostariam de colocar no banco dos réus o mais duro adversário político que tiveram desde o 25 de Abril.

    Já não há Caxias nem Tribunal Plenário com processos cozinhados pela polícia política. Mas, em compensação, temos aí os juízes que votaram no Martins da ASJ e os magistrados do MP que votaram no Palma do SMMP.

  13. Cara Teresa,

    Percebo a ironia e o que v. quer dizer.

    Mas repare que a propria ideia de uma “petição para Socrates (ou qualquer outra pessoa, alias) ir a Tribunal” é um poema. Assinar um documento com tais caracteristicas implica um grau de ignorância que se aproxima do absoluto acerca de dados elementares como sejam :

    – o que é uma petição e para que serve,
    – o que é um tribunal, qual é a sua função e como pode ser levado a exercê-las,
    – o que é a justiça e como é suposto ser administrada,
    – o que é o direito, o que são regras juridicas, o que é uma acção judicial, o que é uma sentença judicial de condenação,
    – o que são palavras e porque razão é aconselhavel não as utilizar sem atender primeiro ao que é suposto ser uma das suas caracteristicas essenciais, ou seja terem um sentido,
    – de uma maneira geral toda e qualquer consideração sobre o que são as bases da cidadania e da organização politica,
    – etc.,

    Muito francamente, nem vou procurar ver se ha signatarios e, se os ha, quais podem ser os seus nomes, que ainda é o que de melhor posso fazer por eles.

    A outra noticia de que fala o post suscita exactamente o mesmo tipo de comentarios.

    Fico desconfortavel com qualquer atitude perante o tema do post que não seja tentar esquecer e fazer como se isso não tivesse nada a ver com a sociedade em que vivemos. Não nos podemos abaixar a dar relevância a esse tipo de cretinices. A boçalidade do comentario de café passou a estar impressa diariamente na Internet. Sera mesmo imperativo ligar-lhe como se, com isso, ela tivesse ganho pretenções à pertinência ?

    Ou então teremos sempre que concluir que um pais onde ha pessoas capazes de tais proezas merece ainda pior do que um governo liderado por Passos Coelho.

    Boas

  14. Afinal é facílimo abrir uma petição online! Ó coisa mais linda:

    Petição para julgar na praça pública o jornalista João Marcelino por gestão danosa da credibilidade de um jornal secular:
    http://www.peticaopublica.com/?pi=P2012N19076

    Val, espero que desculpes o plágio. A minha imaginação anda tão espremida que nem tentei fazer diferente.

  15. João Viegas, não li nem tenciono ler essa tal de petição e nem vou perder tempo a explicar a qualquer um dos tais 32000 que se quiserem pôr o Sócrates, ou quem quer que seja, em tribunal não precisam de uma petição, precisam, quanto muito e nem sempre, de um advogado mas isso não impede, e desta vez sem ironia, que não comece já a achar que o Sócrates ganhou o direito de ser julgado para, de uma vez por todas, ser inocentado. O irónico é que estes que fazem petições para o ver julgado seriam os mesmos que bradariam contra a justiça quando ele fosse absolvido.

  16. joão viegas, a tua necessidade de atenção não encontra em mim o melhor alimento.
    __

    Zeca Diabo, isso é que é empreendedorismo cívico! Agora é só esperar que o Marcelino aceite destacar a coisa e as “pessoas” aparecerão para assinar.

  17. ó linda, 32000 subscritores anónimos de uma petição anónima só é noticia no Burkina Faso. Nós, por cá, prescindimos dessas miudezas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.