6 thoughts on “Parelhas”

  1. É afinal para sermos felizes que lutamos diariamente. Um conceito tão simples mas para alguns tão difícil de alcançar.

  2. digo a mesma coisa, que disse lá, aqui: dormir de janelas abertas sabe tão bem quanto andar com elas na rua. :-)

    (eu durmo de janelas abertas, sou uma macaca) :-)

  3. SIM. A confiança é o estado humano-natural-saudável.

    SIM. É essa confiança/fé sanguínea que nos faz viver uns com os outros, mais ou menos estranhos, num desejo comum de Paz e Bem…, num acontecer abertos a encontros e sintonias inesperadas…

  4. a “ciência” do sec.XXI é de espantar. a testosterona é de origem cultural ? é que tenho ideia que a correlação positiva entre niveis de testosterona e agressão entre humanos já foi mais que provada.
    o senso comum diz que o homem é naturalmente simpático e antipátici , tudo depende das circunstãncias…

  5. venho aqui para a conversa.. são estes os temas que me interessam. não precisas de dar resposta. pode ser só monólogo. é que eu acho que as “ciências humanas” esgotaram , e vai de aí , de há uns tempos para cá , só debitam lapalissades . eu percebo que o locke , sem acesso ao national geografic , achasse que Homo homini lupus est , mas os gajos de agora ? santa paciência. já sabemos imenso sobre o comportamento dos outros animais como nós para não dizermos preto ou branco. e que mal tem a natureza ? fomos feitos para sobrevivermos , e a agressividade é necessária. para conseguir a gaja mais xpto até. ou o gajo mais alfa.
    é que em questões de solidariedade humana , o velhinho Durkheim já me ensinou tudo o que precisava de saber. e como ele tinha razão : quebrados os laços da divisão do trabalho social das sociedades complexas é um salve-se quem puder.
    que saudades da aldeia!!da tribo..da cidade estado..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.