Operação Plebeu

A “Operação Plebeu” alcançou um sucesso ribombante. Nasceu de uma encomenda do tal Presidente da República que usou os mortos de uma catástrofe natural para jurar que só se candidataria ao segundo mandato se os incêndios de Verão não sei quê, o tal Presidente que depois apareceu a sugerir ir recandidatar-se por ser o único português maior de 35 anos com pinta para receber um papa na Portela e levá-lo a passeio até Fátima, e que recentemente garantiu apetecer-lhe continuar no cargo só para que a direita seja protegida e mimada a partir do Palácio de Belém dada a infestação de esquerdalhos. O artista convidado cumpriu na perfeição, superando as expectativas. O ar risonho do contratante em certos momentos do espectáculo não fica apenas como expressão de um fundo agrado. É uma validação admirativa, a laivos embevecida, a um colega de profissão vindo de um mestre na matéria. Como alguém bem informado disse, parecia o Fernando Santos a babar-se de felicidade com a exibição do seu Éderzito.

O discurso de João Miguel Tavares foi de altíssima eficácia para os públicos-alvo em causa: direita profissional, populistas inorgânicos e infelizes despolitizados. Não falou em Sócrates, nem tal era necessário para que tudo o que dissesse tivesse esse contexto, esse subtexto e esse pretexto. O colega do assessor da Casa Civil foi escolhido como estrela de um feriado nacionalista precisamente para que a condenação popular do aterrorizador inimigo da oligarquia fique com o alto patrocínio do Presidente da República, de caminho fazendo-se mais pressão sobre Ivo Rosa e o sistema de Justiça no sentido de obter a mais extensa e mais pesada condenação possível. Ignoro mas aposto que a sua pulsão inicial foi a de fazer explícita referência ao Diabo através da “Operação Marquês” e que rapidamente Marcelo lhe terá dito que desta vez não dava, havia mínimos de decoro e máximos de porqueira. Afinal, tratava-se de uma cerimónia institucional e soleníssima, ora foda-se. Essa limitação, imposta pelo próprio ou ao próprio, aumentou o poder retórico do texto. A repetição da cartilha direitola decadente desde 2008 – a dívida, a bancarrota, as leis do trabalho rígidas, as auto-estradas vazias, os velhos a ocupar o lugar dos novos, o politicamente correcto, a corrupção, as décadas perdidas – foi pontuando a progressão de um enredo embrulhado em sentenças vácuas e pedantes, incongruentes e até ilógicas, um lençol de chavões delico-doces que serviu primorosamente o objectivo de oferecer aos diferentes segmentos sociais na audiência, especialmente aos mais desqualificados por limitações cognitivas ou inexperiência de vida, um território de referências familiares e sectárias. O orador foi a voz dos derrotados do PSD e CDS, dos deprimidos, dos bisonhos, dos paranóides, dos que expelem ódio, dos saudosos de Passos Coelho. Visto daí, Portugal é um lugar inóspito e assustador, onde corre solto o desânimo. O truque sofístico consiste em deixar na sombra o positivo e apontar a luz para o negativo, apagar o que nos une e colorir o que nos separa, ser o profeta da guerra civil. É simples e resulta desde o Neolítico. “Eles” são mais fortes e são maus, são o “outro” corrompido e corruptor. “Nós”, os puros e vítimas, ficamos neste queixume resignado a lamber as feridas enquanto não regressa quem nos vai conduzir ao sonho prometido.

Se o discurso tem esses pés com que a dupla de celebérrimos comentadores deu bailarico e coices no 10 de Junho, tem igualmente cabeça. Do princípio ao fim, o que se está a vender explicitamente é o conceito de meritocracia. Dado o endosso de Marcelo, o aparato mediático da ocasião e a marca JMT, podemos considerar que foi a mais poderosa acção de propaganda que já se viu no rectângulo e ilhas na promoção de uma ideia estrategicamente fundamental para o controlo do poder e a anulação da revolta em sociedades moldadas pela desigualdade capitalista. Não sei se a vedeta caluniadora concordará comigo mas arrisco sugerir que o conceito não foi inventado por este Tavares ou qualquer outro. A meritocracia é defendida em todos os tempos e poisos por quem pretende manter os seus privilégios, daí se ter tornado uma bandeira ideológica da direita que está bem instalada no topo da cadeia alimentar. Aqueles que desfrutam de vantagens sobre os restantes sabem-se sempre ameaçados, temem perder as riquezas e o continuado e facilitado acesso a mais riqueza, daí a necessidade psicológica de blindarem numa crença esse usufruto das desigualdades sociais e económicas, quando não também políticas e judiciais. Essa crença é o “mérito”, a concepção de que vivemos num mundo onde cada um se basta a si próprio. Se eu agir, se ao agir tiver sucesso, decorre uma conclusão meritória: o sucesso da minha acção deve-se a mim, ao que em mim faz com que eu seja eu. Pode ser qualquer factor, como a intensidade do esforço, a persistência, a escolha acertada do caminho numa encruzilhada, o salto arriscado sobre o abismo. Se correr bem, essa é a prova de que eu tenho talento, de que a realidade exterior é aquilo que se move à minha volta e que existe como o merecido prémio. A meritocracia é invariavelmente retrospectiva, é uma contemplação ensimesmada do resultado de termos obtido uma qualquer vantagem sobre os restantes – esses que não têm mérito, ou não o mérito suficiente, portanto. A partir deste culto a nós próprios como autores do nosso destino, dois monstrengos afligem o meritocrata. O primeiro, de acordo com o zeitgeist, é a “elite”, ou “elites” para dar melhor conta da grandiosidade do combate, um conjunto de rivais que dificultam ou impedem que o mérito seja reconhecido e recompensado. As elites usufruem de privilégios que já não são meritórios, assim corre a tese, posto que resultam das inércias, cumplicidades e defesas desses indivíduos que, malvados, não pretendem abandonar a sua superioridade social e posse de recursos para se verem substituídos pelos que verdadeiramente merecem estar no seu lugar. É que os recursos são sempre escassos para tanta procura, daí a luta sem quartel para os conservar e aumentar. O segundo monstrengo é o sentimento incómodo, embora profundamente consolador, gerado pela constatação de que a pobreza, as várias pobrezas, inclusive a mediania, a banalidade, são o inevitável resultado da ausência de mérito. Querem ter casa, carro e médicos finórios em consultórios modernos e a cheirar bem? Trabalhem, poupem, trabalhem mais, gastem menos, façam das tripas coração. Corolário: os pobres, na meritolândia, têm exactamente o que merecem.

Onde é que já ouvimos isso? Em 2011, no auge de uma crise económica mundial onde a Europa ainda não tinha mecanismos protectores contra a especulação das dívidas soberanas, o então presidente do PSD decidiu boicotar um plano de apoio financeiro internacional que teria evitado o resgate de emergência e o cataclismo que se seguiu. Abriu uma crise política que obrigou a eleições, e na campanha eleitoral prometeu “acabar com os sacrifícios” e “libertar a economia”. Jurou “não subir impostos, não cortar pensões, nem fazer despedimentos na Função Pública” se ganhasse. A solução indolor e instantânea para os problemas do País estava no “corte nas gorduras do Estado”. Ter afundado Portugal correu bem ao especialista em aeródromos na Região Centro. Assim que se viu como primeiro-ministro revelou o seu verdadeiro plano: ir além da Troika. Esta obsessão com uma reengenharia social que iria fazer dos portugueses as cobaias do fanatismo da austeridade salvífica veio acompanhada por uma moral meritocrática. Descobrimos com o Pedro que, embora pobretes desde o fim do ouro brasileiro, tínhamos andado a viver acima das nossas possibilidades. Se queríamos brincar à qualidade de vida, havia primeiro que sofrer o castigo. Expurgar a preguiça e a estroinice. Fazer como o Governo amante do FMI, que acabou com esses luxos asiáticos das viagens de avião em Executiva e do ar condicionado ligado; para que queríamos ter dinheiro se não o sabíamos gastar nem o conseguíamos manter debaixo do colchão? Mais valia que ele fosse para o Norte da Europa onde eles são de boas contas e gostam de trabalhar. Circunstâncias históricas, estruturais, conjunturais, ambientais, sociais, mesmo antropológicas, deixavam de poder justificar medidas especiais de apoio e estímulo. O cumprimento do programa de assistência, desejado fervorosamente pela direita, implicava uma terraplanagem das diferenças e das carências na paisagem humana. O isolamento social, o desespero daqueles que já tendo pouco ficavam ainda com menos, a debandada para a emigração e as emergências nas famílias atingidas pelos despedimentos e pela redução drástica do mercado de trabalho, tudo isto era despejado sem um pingo de empatia. Os discursos dos governantes e sua legião de correligionários mediáticos espalhavam acusações, culpas, desprezo encardido pelos que sofriam o que poderia, e deveria, ter sido evitado em nome do interesse nacional, em nome do bem comum. Esta violência meritíssima encantou o João Miguel, passando a ter em Passos o seu ídolo.

O discurso do presidente das comemorações do 10 de Junho é um florilégio biográfico. Contou a sua história desde o nascimento, viajou até à feérica Albufeira, ilustrou o que os pais fizeram por si no campo das compras a prestações, citou o que diz à Carolina, ao Tomás, ao Gui ou à Rita, recordou a casa de pasto de um dos seus avós, ficámos a saber que os seus sogros fugiram de Moçambique com seis filhos, abrimos a boca de espanto com as distâncias percorridas por uma certa mulher que criou outra mulher, e partilhou connosco o estado da sua relação consigo próprio: chegou lá (a Portalegre, completando o círculo heróico ao voltar ao ponto de partida). Esta atenção a si próprio foi essencial para a identificação de tantos, inclusive dos mais insuspeitos até à data de serem completos totós. Ao relatar o seu sucesso, explicando que o mesmo se deve exclusivamente ao seu mérito – “um simples estudante de uma cidade do interior, sem qualquer ligação à capital e às suas elites” – mérito oficialmente reconhecido pelo Estado numa festa para o efeito realizada no dia 10 de Junho de 2019, podemos observar como a propaganda da meritocracia em nada se distingue das técnicas de venda pela TV. Nestas precisamos de ver o produto em acção, e quão mais real, literal, for o registo mais adesão vai suscitar no espectador-consumidor. Ali aonde tinha chegado este craque da indústria da calúnia o produto mostrou ter um desempenho espectacular. A boa nova passou a ser a de que qualquer um poderia vir a estar no lugar dele:

"Quando o senhor Presidente da República me convidou para presidir a estas cerimónias houve muita gente que ficou espantada, incluindo eu próprio. Mas com o tempo fui-me afeiçoando à ideia de que talvez não seja absolutamente necessário ter méritos extraordinários para estar aqui, e que Portugal precisa cada vez mais de um 10 de Junho feito de pessoas comuns e para pessoas comuns."

João Miguel Tavares, de costas para os representantes da soberania, a dizer ao povo que um dia poderão ser eles a estar no seu lugar. Basta que tenham o mérito de não terem méritos extraordinários para serem convidados. A apologia da meritocracia à portuguesa a culminar num curto-circuito da racionalidade, uma explosão de contradições para epater le burgessos, o gozo supremo de uma hipocrisia deslumbrada a deixar algo em que acreditar: que cada um faça a sua parte, que fuja do convívio com as elites, que trate da sua vidinha, e, um dia, tal como aconteceu com ele, o telefone irá tocar… e é o Marcelo.

Estava completada a “Operação Plebeu”.

21 thoughts on “Operação Plebeu”

  1. José Preto, advogado, em reflexão no seu Facebook

    ” aquela desgraça de Passos Coelho, com as suas tretas de vendedor de automóveis e o Relvas (que não sei o que fazia, mas se houver sorriso possível num coli-bacilo, deve aquilo sorrir assim). Dois oligofrénicos nas Finanças (um dos quais se saldou em criatura francamente pires, cujo marido prometeu até pancada a um jornalista). Seguiam-se um labrego na Economia, um homem em demência artereopática nos Negócios Estrangeiros, uma doente na Justiça, um mignon sádico do Portas na segurança social, um desgraçado com a boca à banda na saúde – escorado na imortalidade da alma, parecer-lhe-ia preferível que os doentinhos fossem depressa ter com Nosso Senhor – e não vou acabar o elenco para não nos indispormos mais. Aquilo não foi um governo. Foi a vingança dos anarquistas. E a manifestação indecente de uma falta de respeito indecorosa pela dignidade do Estado. (Estranho que ninguém o tenha dito). Eles na CIA têm um incómodo sentido de humor.

    A grande realização desta gente foi a “operação marquês”. Sim, foram eles que fizeram. Lembro-me bem de Marcelo Rebelo de Sousa trazendo ao seu espectáculo semanal uma afirmação inesquecível -” eu acho que ele deve estar preso”. Referia-se a Sócrates, evidentemente.

    O antigo Chefe do Governo tinha má imprensa. Acabar com a Caixa de Previdência dos jornalistas integrando-a no sistema geral não foi a melhor ideia.para os jornalistas. E fazer cessar as subvenções à Casa da Imprensa também não contribuiu para uma relação de simpatia.”

  2. Telegraficamente que hoje é feriado em Lisboa e eu como grande pecador, quero é descansar; afinal quanto é que esses merdas todos juntos valem hoje nas urnas? Ok, tiveram o seu tempo e iam lixando isto tudo mas hoje resta-lhes pouco mais que as caixas de comentário do observador para destilar a azia. Até o aldrabão que nunca teve onde cair morto foi desmascarado no Sporting. Ponte para o Preto do face. Realmente texto brilhante e depois vai defender um psicopata. Também podia referir que até o atrasado mental do Barroso teve o decoro de desaparecer mas isso era continuar a dar-lhe a mesma importância que o Valupi dá ao saloio. Já o PR como toda a gente sabe nunca passou de um autêntico pantomineiro. Se tivesse um pingo de vergonha na cara sabe perfeitamente que também chegou a Belém porque garantiu que só fazia um mandato em contraponto com a chulice do político comum. E desmascarar um populista diariamente vai ser sempre a melhor forma de destruí-lo. Infelizmente ninguém faz esse trabalho e lá continua alegre a dizer que não fala da lei de bases de saúde depois de tudo o que disse…

    Passando para o que realmente interessa, desmascarar Moro também é desmascarar a operação Marquês, que correu exactamente nos mesmos moldes. As muitas visitas de Moro a Portugal nunca foram por acaso. E sem Justiça não há nada. Nem Estado de Direito quanto mais governos progressistas.

  3. P, pois é a Operação Coiso correu nos mesmos moldes. Quanto ao suposto psicopata basta que penses de que lado esteve e está o Correio da Merda e se isso não quer dizer patavina.

  4. Mais uma vez telegraficamente e apesar do aspirina não ser um blog de desporto. O que se passou no Sporting até temporalmente coincidiu com o que se passou no país. Apanharam um clube no chão e foi a ascensão do populismo. A Cofina e até o Ricciardi foram durante muito tempo grandes apoiantes do Bruninho. Logo é perguntar-lhe a ele o “que passou-se”. O mesmo Ricciardi que deixou o Sporting no charco ainda com JEB. Godinho Lopes teve sempre as receitas todas hipotecadas. E quando finalmente ia entrar dinheiro fresco com a renegociação dos direitos televisivos chegou o messias. Como no país.

  5. João Miguel Tavares, na sua tribuna no Público, tem sido a voz de Belém . Só que desta feita, resolveram, dar-lhe um púlpito com centenas de milhares de espetadores, que beberam avidamente as suas palavras. Belém está a dar palco a JMT, com o intuito de criar um novo mito para liderar o PPD/PSD, Rui Rio que se cuide.
    Marcelo, cada vez mais deixa cair a sua máscara de Presidente de todos os portugueses, quando despudoradamente anuncia que vai pôr debaixo da sua asa protetora uma parte deles, excluindo todos os outros.
    Se resolver recandidatar-se, é natural que os excluídos não lhe deem o seu voto. à primeira qualquer um cai. Cada vez estou mais satisfeito em não lhe ter dado o meu voto. Não me enganei, nem me deixei enganar………

  6. Também não votei nele mas por razões muito simples. Por ser um ex-governante que se auto-intitulava ” Secretário de Estado para a fabricação de factos políticos” e por ser conhecido na altura porque era comentador na TV.

  7. Excelente análise que, deve ficar para memória futura para que, os intrujas do
    costume não continuem a indrominar os mais distraídos … com mais loas!!!

  8. JMT e o auto-elogio da banalidade.
    O snr. JMT eleito para pensar Portugal e os portugueses e nos dar alguma pista para futuro resolveu falar da vulgaridade e banalidade de vidas de sua família desde três gerações atrás até à sua ascensão a pulso e meritocrática que o guindou a presidente das comemorações do 10 de junho.
    E, imediatamente, dessas vidas vulgares sem história nem qualquer contributo visível ao país retira a conclusão espantosa do seu elogio da banalidade porque são: “gente banal envolvida em feitos extraordinários”.
    Explicadas as vidas banais das gerações de pais e avós que tinham um “objectivo claro para as suas vidas” que era lutar pelos filhos, afinal um objectivo existencial tão velho como o homem, para tirar mais uma das suas luminosas conclusões de que: “não é fácil saber porque é que estamos a lutar hoje em dia”.
    Desde que o homem é homem que luta pela sobrevivência e conservação da espécie enquanto faz prognósticos de futuro, cada vez mais errático e incerto dado o cavalgar das tecnologias e das interligações imbricadas dos países e, agora, também devido às respostas climatéricas do planeta à sua invasão e exploração pelo próprio homem, contudo o grande pensador JMT quer saber porque é que luta.
    Ao menos podia dar-nos uma ideia, um pequeno ideal porquê lutarmos, mas nada, nadinha.
    Nada, porque o “ideal” de JMT é um objectivo que ele esconde sob este “choradinho” de pessoa banal de origem familiar banal o qual é, no fundo, apenas político e tão só política. E política forte e feia, precisamente, contra essa gente banal que detesta mas elogia para melhor os levar ao engano.
    Porque, de arrasto, a este choradinho do elogio da banalidade ataca com o “choradinho” da corrupção “um assalto ao dinheiro que é de todos nós”: o velho slogan de tasca do “nosso dinheirinho” que os “outros” nos roubam e que para JMT é também o “roubo do sonho dos jovens de Portalegre, Viseu ou Bragança”. Também estes jovens filhos de gente banal são os de mérito carimbado que estão convencidos “que não pelo talento e pelo trabalho que se ascende na vida”.
    Só no caso “especial” do JMT é que o mérito venceu, pois então, imaginem e calculem o gigantesco valor do mérito do dito pensador que até o guindou a figura ilustre da Répública: “os meus pais disseram isso a mim (que trabalhasse e o esforço seria compensado); E eu estou aqui”, feito a marcelo cheguei e estou aqui no alto desta tribuna reservada, apenas, aos sábios pensadores de Portugal.
    Todos os choradinhos do JMT são para atingir o ponto alto da sua ideia geral que pretende dar aos portugueses: que há dois portugais: o “d’eles” e o “nosso”, nosso dele JMT. O dos políticos manhosos que só andam no amanhanso e o dos banais puros que trabalham sem saber para quê ou sabem apenas que são roubados pelo “eles”.
    A súmula mais alta do seu brilhante pensamento é esta; “‘Eles’ não têm nada a ver connosco. ‘Nós’ não temos nada a ver com eles”. JMT chegou à brilhante conclusão que um país que sobrevive como comunidade e nação há quase mil anos no início do Séc. XXI, finalmente, se cindiu em dois, o país do “eles” e o do “nós” que nada têm a ver um com o outro.
    Mas a mais brilhante pérola do pensamento do presidente comemorativo é a de que os “portugueses são aqueles que estão do nosso lado. E isso conta, conta muito”. Ou seja, para Portugal na ideia de JMT o que conta são o “nós”, isto é, os nossos, os do nosso lado, do nosso partido.
    Os “nossos” a que pertence JMT são os que apoiaram e defendem, como ele, uma política de benesses para as famílias de empresários em detrimento dos trabalhadores das famílias dos banais. Os “nossos” a que pertence e defende JMT são o grupo de defensores do passismo que consistia em roubar os pobres banais para dar aos empresários ricos: só de um golpe pela calada queriam roubar 7% do desconto do trabalho para entregar como desconto aos empresários.
    Por fim, o supremo pensamento do fedorento pensador JMT é pedir aos governantes que lhe dêem; “alguma coisa em que acreditar. Que alimentem um sentimento comum de pertença. Que ofereçam um objectivo claro à comunidade que lideram”.
    Que significa dar um “objectivo” claro e um “sentimento” comum de “pertença” a um povo-nação?
    Precisamente, fazer do país uma carneirada a toque de slogans nacionalistas tidos como objectivos sob um sentimento de pertença racista-nacionalista ou outro qualquer irredentismo ao qual pertence a nossa vida e morte.

  9. nã sê, o que sei é que os tugas abstêm-se muito : abstêm-se de votar, abstêm-se de parir…não tarda fecham o pais.

  10. ah, sim , é evidente por aqui…puseram uns óculos com lentes especificas e pim , tudo mediado por elas, ignorando a realidade e tudo o que já foi dito por belas cabeças pensantes ( quando ainda havia génio na humanidade ).

  11. A coisa está tão negra para esta manada de crápulas, que até a “cartilha direitola decadente desde 2 008 – a dívida, a bancarrota, as leis do trabalho rígidas, (…)” foi já posta em causa pela própria Manela Ferreirinha, completamente descomandada, que veio apelar à Direita para a mandar definitivamente às urtigas, senão nunca mais ganha nada em Portugal!!!

    É um fartote, ouvir agora a douta Manelita, de joelhos no soalho, a criticar o rigor nas contas públicas, o défice abaixo dos 2% e a falta de investimento público!! Diz ela que tudo isso… É UM SUICÍDIO! Piedade, caralho, que nos matas de riso!!!

    Ó parvalhona, então mas se não podes vencê-los, “junta-te a eles”, aos despesistas irresponsáveis da Esquerda, é isso? E viva o Novo Aeroporto de Lisboa? E até o TGV (com as suas cinco linhas, cinco, com que tu e o javardo do Barroso se comprometeram na Cimeira ibérica da Figueira da Foz…)?? E os novos Hospitais??? E até, já agora, as obras da Parque Escolar???? Tudo isso agora já é a solução para evitar “o suicídio” do País?????

    Porra, mas então por que não gritas tu, a plenos pulmões, VOLTA, SÓCRATES, ESTÁS PERDOADO?

    Isso sim, era merecer pelo menos o Purgatório…

  12. Quem não for corrupto que lebante a pata!
    Carago num beijo ninguém… tenho que ir ao oftal e malogista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.