O exemplo dos mortos-vivos

Quando questionado sobre a situação das eleições para a Federação Distrital de Braga, no porto de pesca da Póvoa de Varzim, o dirigente socialista disse que condena "todas as irregularidades, tenham a origem que tiverem".

"Felizmente introduzi regras no PS que permitem detetar as irregularidades e corrigi-las", acrescentou o secretário-geral do PS.

Seguro, Agosto de 2014

*

As palavras em política estão gastas e perderam significado. A melhor maneira de reconciliarmos os portugueses com a política, em particular com o PS, é através do exemplo.

Seguro, Julho de 2011

__

A invasão de zombies no PS de Braga não é das mais difíceis de explicar. Rick Grimes resolveria o problema entre dois bocejos. Isto porque bastava ter-se feito o que até em editoriais de jornais se demonstrou ser canja fazer: identificar os prevaricadores. Tal não foi feito. Ainda mais estranhamente, apareceram dirigentes do PS a desvalorizar a situação, senão mesmo a validá-la como normal. Dirigentes ligados ao secretário-geral. O homem transparente, com três gloriosos anos no lombo de heróica construção da nova forma de fazer política, decidiu-se finalmente a falar no assunto e o que lhe saiu é paradigmático do que está em causa tanto para o futuro do PS como para o futuro do País (isto, na eventualidade de chegar a primeiro-ministro).

Quando Seguro diz condenar “todas as irregularidades, tenham a origem que tiverem“, está a transmitir a seguinte mensagem aos seus apoiantes e eleitorado:

– Há várias irregularidades, não só esta de Braga, esqueçamos a de Braga, ele há tantas irregularidades, não falemos mais desta.
– As irregularidades têm diferentes origens, isto é que importa realçar.
– Sim, algumas das irregularidades podem ser da responsabilidade de pessoas ligadas a mim, talvez, mas outras vêm dos outros, fatalmente.
– No fundo, isto é normal, é a regra, é assim que se faz política, como o povo bem sabe.
– Os outros que se estão a queixar são os piores, porque fazem o mesmo que nós, ou pior, mas fingem que são puros, como o povo bem os topa.
– O único puro nisto tudo sou eu, pairando acima das irregularidades, como o povo deve ficar a saber para saber em quem votar.

As discrepâncias entre a retórica angélica e messiânica de Seguro, um triste que não passa um dia sem dizer a alguém quão valioso ele se acha a si mesmo, e a sua praxis, mais um sonso a repetir a estratégia do PSD no ataque aos socialistas desde 2008 até ao presente, atingem o zénite no quadro das suas relações com o seu próprio partido. Como é que se permite a um fulano que entra em cena como o Torquemada da purificação da política supostamente corrompida por camaradas seus tamanhas exibições de hipocrisia e cumplicidade com a corrupção de processos democráticos? É que nem jornalistas nem militantes o confrontam com a obscenidade ululante; numa aparente, ou real, aceitação desta inaudita decadência no PS.

A candidatura de António Costa, se outros méritos não tivesse, já estaria justificada por ter levado o passaroco a sair da gaiola, assim mostrando a toda a gente as porcarias que está disposto a fazer. E não se imagina possível uma futura reconciliação entre os dois lados da barricada, precisamente porque não está em jogo nenhuma diferença ideológica ou programática de fundo. Nesses casos, é possível construir pontes dado existir uma topografia comum. Na situação actual do PS, e sem paralelo na sua história, o conflito opõe regulares socialistas a exemplares mortos-vivos vindos lá do outro mundo.

10 thoughts on “O exemplo dos mortos-vivos”

  1. nenhum partido podia estar preparado para a “genial” ideia de pôr simpatizantes de outros partidos a votar no candidato que mais lhes convem! esta “chico espertice”, só surgiu agora por que, o candidato oponente não é o voluntarioso madeirense .perante um antonio costa com outro curriculum e outro peso politico, a confiança de tozé seguro na vitoria, foi-se abaixo, só com o voto das gentes do seu partido. perante esta evidência, serviu-se deste vergonhoso expediente! confrontado com a possibilidade de os mortos tambem poderem votar,( pelos vistos é a unica coisa que ainda conseguem fazer…), só a ele competia resolver,que antes do seu desastrado consolado não era problema no ps,por que só militantes, e com cotas em dia podiam participar num acto eleitoral.

  2. Continuo na minha, e oxalá me engane: o PS não vai resistir ao desastre que foi a eleição do cavaquista (viram os aplausos!) José Seguro para Secretário Geral. Apesar de alguns históricos, digamos mesmo a nata dos históricos, estar com Costa, a verdade é que meio PS, de Maria de Belém a Alberto Martins, passaram-se para a trincheira do cavaquista/passista. E isto vai ter consequências graves, mesmo que o Costa ganhe. Será cercado pelo PS de Seguro, pelo PCP e BE, pelo futuro partido de Marinho e Pinto. Bem… este batalhão servirá de simples acólito à direita que tomou conta disto tudo.

  3. No próximo dis 28 de Setembro far-se-á a separação
    de àguas no PS! Um partido com as responsabilidades
    do PS não pode estar nas mãos de gente sem escrúpulos
    que, de socialistas nada têem … mais não são de que meros
    oportunistas/tachistas na busca do poder para satisfação
    própria, numa vertigem narcisista sem qualquer idéia do
    que seja o governo de um País!!!

  4. na verdade, ontem foi imediato e li o texto aos quadradinhos, que puta de mania a minha de ir às origens, e cheio de aventura e sempre a rir. e é melhor assim, digere-se melhor a realidade. faz mais histórias entre bocejos. :-)

  5. Com esta vaga de fundo, todo o reumático a pegar o Costa pelo cu das calças, quem é que vai segurar a juventude socialista?

    Foi um ar fresco para a campanha do Costa e para todo o país, ver aquele entusiasmo de Almeida Santos e os outros mancebos a empurrar o Costa.

    O país está salvo!

  6. O Costa foi eleito com larga maioria para a Camara de Lisboa.
    O que os lisboetas esperam, é que ele se preocupe com a cidade , enquanto estiver á frente da autarquia.

    Para quando um combate eficaz á praga de baratas , que uma vez mais infestam alguns bairros de Lisboa?

  7. Ele quem J. P Ferra…. è que até agora, o actual Presidente da Camara de Lisboa António Costa , não fez nada, talvez por falta de tempo para se dedicar ao cargo para que foi eleito.

    E eu estou-me nas tintas para as guerrinhas do PS , Seguro ou Costa venha o diabo escolha.

    O que eu aqui denuncio é um problema que há mais de um ano preocupa os Lisboetas, sem que sejam tomadas medidas de controlo desta praga de baratas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.