Nem Alá sabe como é que ele se safa a trabalhar em Inglaterra

Cruzam-se os maus tratos recebidos no Porto (onde não ensinam inglês aos jogadores, tomamos conhecimento chocados) com o convívio com o Cristiano Ronaldo (um jogador de futebol que, para desgosto colectivo, não é simultaneamente bolseiro da Gulbenkian).

Entretanto, um pergunta relativa a um assunto, este sim, da maior urgência: para quê estar a ouvir os treinadores no final dos jogos? Um treinador não devia ter de falar por obrigação, só quando lhe apetecesse. Se querem declarações no final dos jogos, contratem porta-vozes, pessoal com formação para botar discurso, dizendo coisas com alguma elegância e variedade. Até pode ser o mesmo a falar em nome de vários cubes. Ficava mais barato e ninguém ia reparar.

5 thoughts on “Nem Alá sabe como é que ele se safa a trabalhar em Inglaterra”

  1. Boa noite
    é a primeira vez que estou a fazer um comentario neste blog, e esta está bem apanhada.
    mas temos portugueses a falar muito mal a nossa lingua materna, e jogadores de futebol nem se fala, quanto mais inglês.
    Quem é que já não ouviu o nosso Rei Eusébio a falar.

  2. Isto já são efeitos do «acordo» ortográfico de «malaca», isto já vem do português pataxó, aí é que reside o problema…

  3. Quase ao nível do CR a falar…. a sua língua materna.

    Não, não precisava de ser bolseiro, nem de ler Saramago ou recitar Camões.

    Bastava-lhe pegar nalgum tempo livre e nuns trocos que lhe sobrem e investir na sua própria educação (já sei que o menino era pobrezinho e não pode estudar e blá, blá). Não era preciso tirar licenciaturas, doutoramentos ou MBA’s. Bastava-lhe aprender a juntar palavrinhas para formar frases com nexo e raciocínios perceptíveis. É o mínimo que se pede para quem é (infelizmente) o ídolo de tanto miúdo.

    Este fulano (Anderson?) entrou pelo meu computador adentro pela figura ridícula que fez ao dar uma entrevista e não por nenhum golo espectacular. Porque este não é o melhor do mundo.

  4. asnonimo, é isso mesmo: um jogador não precisa de agradar aos nossos ouvidos para ser um artista da bola.
    __

    jcfrancisco, ai sim?
    __

    Manolo Heredia, se mandaram não dei conta.
    __

    Maria Bolacha, não descures outros tipos de inteligência para além do relativo ao domínio da fluência verbal. Depois, importa também reconhecer que a situação em que se encontram – declarações públicas – é um factor de acrescida dificuldade. Até doutores se podem embaraçar a falar em público, quanto mais um puto que vive e trabalha num ambiente de trolhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.