7 thoughts on “Mais um dia negro na Ranholândia”

  1. é isso, val. mais um dia para os catastrofistas engolirem em seco e socorrerem-se do bicarbonato. para ficarem verdadeiramente entediados e com as férias estragadas só falta mesmo ficar a conhecer-se os nºs do pib para o 2º trimestre.

  2. A capital da Ranholândia é Moncoburgo?

    :)))

    [Neste momento um tanto caído, remetendo para a expressão pop que alude ao modo como fica alguém a quem qualquer coisa que não corre como pretendia.]

  3. Tens razão mas falta acrescentar um facto ao dia de ontem.
    Ministério Público passa o dia em investigações numa empresa pública, para pânico dos boys e as investigações continuam, não sei para quê só para gastar o dinheiro dos contribuintes?
    Toma lá um lenço.

  4. menos imigrantes ilegais porque a imigração baixou por aí abaixo , né ? é vê-los a marchar para casa e outros sítios . legais e ilegais , suponho. não tinhas dado por isso ? dizem que cá já não é bom país para imigrar.

  5. Mas essa PT não era a tal empresa que era “estratégica” ?

    E sendo “estratégica” e tendo sido pelo PM vetada a sua venda semanas atrás, como se compreende que o sosedito venha agora dizer que se trata de “Um excelente negócio” ???

    Chama-se a isto, ter uma lata maior que o Brasil.

    Oi !…

    E se a Oi é muito boa, porque a não comprou a Telefónica?

    Para colocar a cereja no tôpo do bolo, não me espanta nada que daquí a um ou dois anos, o mesmo cavalheiro venha de novo invocar o “interesse estratégico”, para injectar dinheiro dos contribuintes na PT, e depois efectuar-se a compra da dita Vivo (por valores muito superiores aos da actual venda, claro).

    Oy vey

    PS: para quem não sabe, uma expressão em Yddish, que traduzida dá mais ou menos isto: oh …que desgraça!

  6. Começo a ficar preocupada, é bom que estes dias negros não sejam para continuar.
    Se se repetirem, que argumentos terá o Passos Coelho para exigir eleições antecipadas a seguir às presidenciais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.