Lipstick Revolution

Em qualquer país islâmico, é esta a revolução que irá transformar os povos agora sob o jugo da irracionalidade identitária e inaugurar uma nova fase planetária. Mas não só nas sociedades teocráticas, também em Portugal seria revolucionário ter mais mulheres interessadas e envolvidas nos processos de decisão política. Porque os homens, sozinhos, têm sido incapazes de representar toda a comunidade. E sim, homens e mulheres têm cérebros, inteligências e sensibilidades diferentes.

Viva a diferença, viva a criatividade.

12 thoughts on “Lipstick Revolution”

  1. Mas o que é isto?! Um desejo inconsciente de ver a Manela no poder?! Huuummm… Afinal os rasgados elogios do Valupi à teocracia do deus Pinto de Sousa escondem é o seu empenho em ridicularizá-lo. LOL

  2. shark, e isso não seria assédio sexual? Consta que passou a ser mal visto, nos tempos que correm, andar por aí a dar vivas às gajas.
    __

    ds, tens uma forma de escrever “LOL” que é inimitável.
    __

    sumiati, sim, isso é o mais provável. Mas não inevitável.

  3. Ter pelos no peito também já conheceu melhores dias e não é por isso…
    Viva elas e que se lixem as visões distorcidas.
    Sim, que a pessoa não deve fazer concessões nas cenas verdadeiramente importantes da vida.

  4. És sábio, shark. Mas não te esqueças de dar vivas a eles, também. É que nisto das diferenças há sempre, pelo menos, dois seres.

  5. E então aqueles seres que ora são ferozes, ora são mansinhos? São o que se pode dizer seres únicos que anulam qualquer diferença. I_0 I_

  6. é por estes posts , sensatos , que eu gosto de vir aqui. quando a coisa não é partidarizada o V diz coisas acertadas.
    (ter partido tira o senso? boa pergunta de partida. alguém quer investigar?)

  7. Pelos Direitos dos machos rejeitados pelas fêmeas:

    Apelo em divulgação na internet:
    – ÚTEROS ARTIFICIAIS: Uma Investigação Cientifica Prioritária!

    Nas Sociedades Tradicionalmente Poligâmicas apenas os machos mais fortes é que possuem filhos.
    No entanto, para conseguirem sobreviver, muitas sociedades tiveram necessidade de mobilizar/motivar os machos mais fracos no sentido de eles se interessarem/lutarem pela preservação da sua Identidade.
    De facto, analisando o Tabú-Sexo (nas Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas) chegamos à conclusão de que o verdadeiro objectivo do Tabú-Sexo era proceder à integração social dos machos sexualmente mais fracos; Ver http://tabusexo.blogspot.com/.

    Como seria de esperar, com o fim do Tabú-Sexo a percentagem de machos sem filhos aumentou imenso…
    As Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas têm de Assumir a sua História!!!
    Isto é, estas sociedades não podem continuar a tratar os machos sexualmente mais fracos como sendo o caixote do lixo da sociedade!!!
    Isto é, os machos ( dotados de Boa Saúde ) rejeitados pelas fêmeas devem possuir o legítimo Direito de ter acesso a ÚTEROS ARTIFICIAS…

  8. Já sabes que eu anseio por um mundo de pessoas igualmente responsáveis , em que o valor lucro seja mínimo e o valor confiança em que não vamos definhar sozinhos num pardieiro o máximo , e em que eu não tenha de ser responsável por ninguém nem ninguém responsável por mim. Nada de tiranias , mais bem anarquias. Não preciso de ninguém para me governar , sei do que preciso fazer para sobreviver e estou disposta a isso. Agora , não estou para aturar quem se cola a mim . Não estou , pronto. Quase todos têm mãozinhas e bracinhos como eu , né? ponham-nos a funciminar , que o meu pai mos pôs bem cedo. Hoje , coitado , ia preso ( ou quase ) por criminoso em termos de trabalho infantil. E a filha dele até lhe dava prémios por não a deixar ser preguiçosa ( é ainda o meu grande defeito , isso e viver bem , isolada , com o objecto da minha paixão e livros , não posso é com os gritos de dor que me chegam de todo o lado e me fazem vir aqui dizer disparates).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.