17 thoughts on “Jerónimo declara caso Freeport encerrado”

  1. A frase é a mesma «Quem bate no PS leva!» só muda o actor. Mas isto não vai dar nada. Tentaram despedir-me (com um telefonema intimidatório) do jornal onde trabalhava por causa de uma macacada muito mais pequena lá em Alcochete e nada conseguiram, agora vai dar ao mesmo. Isto é caldo requentado…

  2. Jerónimo não quer alienar os eleitores de Alcochete. De resto, ele acredita nas histórias contra Sócrates, pois acha normal que os socialistas sejam corruptos, não vê onde está a admiração. A ‘burguesia’ é corrupta. Se não for corrupção PS, será corrupção PSD, que é muito maior, porque é da ‘alta burguesia’.

    Gosta-se do Jerónimo. O último OPERÁRIO que o PCP teve à sua frente foi o arsenalista Bento Gonçalves, nos anos 30 do séc. XX. Um pouco depois do Marquês do Pombal. Este velho operário chamado Jerónimo ainda pode surpreender. Tem simpatizantes fora da sua classe. Simpatizantes cínicos, bem sei, mas simpatizantes. Jerónimo agora está a lutar pela sobrevivência do partido em face do surto do Bloco. Ora isto é novidade, pois desde 1974, se não antes, que o maior inimigo do PCP era o PS. Agora está tudo a mudar. Será que o Jerónimo é mais esperto do que o Cunhal? Da classe operária, pelo menos, é. Mais genuíno. Vamos ver. O que ele quis dizer é que está aberto a negociações. Acho bem que o PS negoceie, mas que pense bem com deve negociar. Interesse comum do PCP e do PS é que o Bloco não suba nas próximas eleições.

    A direita, se não conseguir a destruição da reputação (character assassination) do Sócrates, nem sequer vai meter o bedelho no próximo futuro político do país. Vai-se tudo passar entre o PS e a sua esquerda. Vejam a sondagem de hoje.

  3. tenho aqui uma bonita: imaginem que i^i=0.2078…, através da fórmula de Euler. Que pena não saber escrever aquilo em html. Mas Valupi olha que fascinante: a unidade imaginária exponenciada por si própria dá um número real – uma espécie de regresso ao imanente,

  4. No dia em que o Bloco tiver de ser governo pela mão dos irresponsáveis, está-se mesmo a ver!, vai ser a derrocada geral: Aquilo só serve para fazer anti-poderes e contestações sem pinga de estrutura interna. É um querer não querer. Um fazer por desfazer; Um Deus nos acuda!
    Tadinhos que não sabem ao que andam.
    MFerrer

  5. irresponsáveis não se pode dizer, aquilo é tudo jurássicos e com formação superior consolidada. Não sei que diga. Digo ao Socrates que é óbvio que se aproveitar a maré de descrédito do capitalismo financeiro, o embuste a ganância, para inflectir à esquerda, da mesma forma como colocou e bem os casamentos homo como um ganho da sociedade, em relação à tolerância e à não-discriminação, vai colher frutos.

    O problema é a distância entre a enunciação política e a vida, os factos, que se mede pela demagogia. Vamos vendo.

  6. hum, não saíste como eu que até fiz notícia no jornal para deixar escrito os termos do meu out tinhas que levar um castigo que os estalinistas nunca perdoam,

    ri-te Joana, continuas gira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.