extra_o meu mandato

Votei Alegre, como poderia ter votado Louçã ou Jerónimo – mas nunca Cavaco ou Soares. Votei Alegre, apenas para bater Soares – mas talvez Alegre viesse a derrotar Cavaco numa 2ª volta, como os números permitem supor. Votei Alegre, só para não votar em branco – mas votaria em Freitas do Amaral, Adriano Moreira, Helena Roseta, Pacheco Pereira, António Barreto, Vasco Pulido Valente, João Benard da Costa, Agustina Bessa Luís e Manuel João Vieira.

A pecha da república consiste em não se ter ainda assimilado que está em causa ter sucessivas, limitadas e sufragadas monarquias. A vantagem da monarquia está em transubstanciar a política em identidade. Os que insistem com a dicotomia Esquerda/Direita esquecem que o poder é sempre um eixo vertical.

Então, o Cavaco é agora o meu Presidente. Não o escolhi, fui escolhido pelos meus conterrâneos para o ter na presidência do meu país. Os meus conterrâneos, concidadãos maiores de idade e na posse das faculdades mentais mínimas para exercerem o direito de voto, votaram em mim para um mandato de 5 anos como súbdito do Presidente Cavaco. Aceito a vontade popular e espero cumprir o meu mandato com dignidade.

10 thoughts on “extra_o meu mandato”

  1. O Cavaco também é como tu. Votou no Alegre para ter a certeza que o povo o amava e não ficar cheio de remorsos quando estiver a usar as baixelas de prata em Belém.

    “Concidadãos na posse das faculdades mentais mínimas”. Absolutamente. Esse é que é o verdadeiro problema. Sempre foi.

  2. Valupi,

    cuidado com esse “…FUI escolhido pelos meus conterrânios…”

    eu não te reconheço como presidente pá!!

    domingos

  3. eu votei em branco.
    tenho um amigo que defende que os cidadãos deviam fazer um exame de cidadania antes de poder votar. o pior é isso ser pouco democrático…

  4. Valupi,

    Em Portugal, temos todos bem presente o verdadeiro panfleto anti-monarquia que é o pretendente D. Duarte. Enquanto me lembrar que aquilo podia ser o nosso rei, continuo fervorosamente republicano.

  5. Nancy, já somos dois.

    Andronicus, não te sabia anti-democrático.

    Domingos, tu não me faltes ao respeito, pá! Olha que estás a lidar com o poder eleito.

    Susana, e conheces alguém que gostasses de ver na presidência? Isso dos exames levanta sempre o problema da escolha dos examinadores…

    Luís, não me terei explicado bem: república, sim, mas em execução monárquica. Eu não votaria no actual Bragança.

  6. Valupi,

    E se pensarmos que tu, como prometido, e aqui publicamente exarado, votaste POR MIM em Alegre, também eu me sentirei, agora, um pouco eleito súbdito do dito novo senhor.

    A propósito: obrigado.

  7. Votei por ti, Fernando, e na boleia também votei por mim. Foi o primeiro voto duplo dentro da legalidade de que há registo.

  8. Eu escrevi em letras gigantescas no boletim, diagonalmente: VOTO NULO (era para acrescentar TODOS UNS PALHAÇOS, mas portei-me decentemente). Em seguida, pus uma cruz em todos os candidatos de modo a acentuar a nulidade do meu voto. E foi assim que votei, toda contente e participativa na vida colectiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.