6 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Pois!……. Até porque sem os liberais que seria feito das nossas insignificantes vidinhas !!!

    Estas liberais, úteis, direi mesmo, indispensáveis, dão-nos um vislumbre do que será o nosso futuro com eles !!!

    Realmente os socialistas, com a mania de quererem um serviço nacional de saúde para todos, tendencialmente gratuito, fica caríssimo !!! Depois querem que haja um salário digno e capaz de erradicar a pobreza. Ora essa, pobres houve sempre, até houve escravos, que mais querem ??? Liberdade ? Trabalhem madraços …é assim que a economia cresce e os ricos ficam mais ricos para darem trabalhinho a essa gentinha que só quer é regalias !!!!

    Ah!!! Vejam bem, o regabofe socialista vai querer continuar proximamente !!! Não tarda muito !!! Até se propõem um crescimento do emprego, um travão na austeridade, um comprometimento social efetivo, uma escola a começar a tempo e horas, uma nova esperança em cada cidadão !!!

    Realmente o que a gente precisa e quer é “liberais à solta” !!! E que acabem com o que resta do País !!

    O ano de 2015 deverá ser o começo dum novo paradigma!
    Estamos cá para ajudar. A cidadania exerce-se em qualquer lugar ou atividade!!

    Viva o “regabofe ” !!!!!!!!!!!!!!!!! socialista. pois então !!!

  2. O meu comentário acima ficou “desfocado”. Destinava-se ao “regabofe socialista”. Estes entusiasmos matinais, dão nisto !!!

  3. “It is not enough for Muslims to point out that these people do not represent the religion.” Está certo, mas quem é que é decide o que é que é a religião islâmica e quem a representa? É verdade que a maioria dos muçulmanos são pacíficos, mas, se olharmos para o corão, e de uma certa maneira para a bíblia, não é fácil dizer que são apenas religiões de paz e harmonia, pelo que interpretações mais radicais dos textos são também legítimas.

  4. Foda-se, que artigo tão completamente indigente e idiota. A mesma coisa poderia ser dita a proposito de qualquer grupo a que os tristes individuos em causa pertencem, ainda que de forma puramente ocasional, por exemplo :

    – o grupo das pessoas que têm convicções religiosas. E’ certo que as opiniões religiosas não são em si um problema, nem uma causa certa de terrorismo, mas ainda assim, convinha que as pessoas com convicções religiosas se demarcassem ;
    – o grupo das pessoas que adquiriram recentemente metralhadoras. E’ certo que as metralhadoras não são em si um problema, nem uma causa certa de terrorismo, mas ainda assim, convinha que as pessoas que adquiriram recentemente metralhadoras se demarcassem ;
    – o grupo das pessoas que se deslocam em direcção ao parlamento canadiano. E’ certo que deslocar-se em direcção ao parlamento canadiano não é em si um problema, nem uma causa certa de terrorismo, mas ainda assim, convinha que as pessoas que se deslocam em direcção ao parlamento se demarcassem ;
    – o grupo das pessoas que desejam agir para que haja mais justiça. E’ certo que a justiça não é em si um problema, nem uma causa certa de terrorismo, mas ainda assim, convinha que as pessoas que desejam agir para que haja mais justiça se demarcassem ;
    etc.

    Isto sem sequer mencionar que muitos muçulmanos se demarcaram de facto em declarações publicas, pelo menos tanto quanto me lembro.

    Mas enfim, tu gostaste desta idiotice. O que queres para o Natal ?

    Boas

  5. não é a bíblia nem o corão que têm de fazer sentido – nem a legitimidade das suas interpretações. o que não pode fazer sentido é a exploração da religião para os abusos do Homem. isso é, como tantas outras, uma forma de vampiragem que mancha uma das tantas formas que o Homem arranjou para respirar melhor: a religião.
    espiritualmente há um terceiro mundismo que não arreda pé deste planeta. a evolução não existe e há, em cada fase da história, frustração atrás de frustração. às vezes sinto vergonha de ser humana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.