És patético, Pacheco

Acabo de ouvir o Pacheco, na Quadratura, a fazer a enésima ameaça de que um dia tudo se saberá acerca do terrível Gabinete de Sócrates e suas diabólicas malfeitorias. O costume é ficar-se pelo registo canalha de nada concretizar, largando risadinhas boçais para telespectador ver. Desta vez, a repto do António Costa, atreveu-se a indicar umas pistas soltas. E o que era? Pois nada mais, nada menos, do que o material que o Carlos Santos e o Paulo Pinto Mascarenhas andaram a espalhar acerca dos anónimos, do Simplex, dos emails de membros do Governo com informações para bloggers, das agências de comunicação ao ataque na Internet e, portanto, também a celebérrima teoria conspirativa da frente da calúnia e seu trio de blogues onde pululam empregados do Governo.

O Pacheco tem neste par de infelizes, Santos e Mascarenhas, a sua fonte para a construção da grande cabala socrática, afinal. Inacreditável o ponto a que se chega quando se perde a auto-estima intelectual. Contudo, um artista da política-espectáculo tem de ter conteúdos para apresentar, e a necessidade acaba por esfarelar a lucidez. Agruras da profissão.

Só espero que um dia também se saiba quanto se ganha nessa indústria onde vale tudo, até mesmo a exibição crua da indigência moral. Desconfio que não compensa.

11 thoughts on “És patético, Pacheco”

  1. Val,
    Ainda mais manhosas que as interpretações de Pacheco sobre o caso das “escutas”, o que nele é habitual, foram as interpretações do manhoso ronha de falinhas mansas com subsentidos canalhescos, Lobo Xavier.
    O Pacheco já todos entendem a sua política de insinuações por troca habilidosa de palavras sem factos que levam sempre a ser um pobre derrotado político em tudo quanto se mete, ao ponto de até os próprios PSDs fugirem do seu apoio.
    O LX é um advogado de tribunais habituado a jogos de raciocínios ligados tortuosamente para terem aparência lógica, o que os torna muito perigosos. E ao contrário do chefe Portas, não se ri galhofeiro, ao contrário pôe um ar sério depois de espumar a canalhice. Deixou no ar, o manhoso, que sobre a actual gestão do BPN, Cavaco quiz dizer que esta gestão seria má por, talvez, estar submetida a controlo político e poder ser, oportunamente um dia, usada como arma política.
    Claro, mais uma insinuação de suspeita sobre o governo, ainda mais maldosa do que a insinuação de apenas má gestão lançada pelo próprio Cavaco no debate. A televião esta infestada de gente deste calibre que nassacra diariamente a cabeça dos portugueses.

  2. Até custa a acreditar que seja possível existirem seres tão canalhas que sejam capazes de produzir estas declarações com aquele ar cândido do LX.São mentes distorcidas incapazes de qualquer cura.Piores só aqueles que os contratam com o objectivo de massacrar os portugueses que os ouvem semanalmente.Bom Ano para o Valupi e para todos os comentaristas deste soberbo blog.

  3. deixe de ser aldrabão
    quer insinuar que o carlos santos e o mascarenhas mentiram?
    nunca a politica chafurdou tanto na lama como desde que este verme assaltou o poder com a cumplicidade de um ser repugnante como o sampaio
    e sim,espero que a verdade venha acima para que todos tenham a noção da cambada de ordinários que nos andaram a parasitar
    ps-segundo o vosso ministro da presidência o sócrates,o coelho ,o vara ,etc são criminosos,
    que vergonha,ter gente desta na frente dos destinos dum país

  4. O meu” vizinho” de 1.andar, sofre de Alzheimer,parcial. O seu comentário destila tanto ódio,como os de Pacheco e LX, que para protecção do meu coração deixei de os ver e ouvir.. Um bom ano para todos os democratas,coisa cada vez mais rara,nos tempos que correm…Nota: concordo que o ataque de Cavaco à ADM do BPN, foi para marcar terreno,para novos e comprometedores desenvolvimentos. Não se importou para tal, de hostilizar dois ex.colaboradores a nivel governativo e apoiantes da sua reeleição.

  5. Já nos “anos de brasa” da revolução era confrontado por miudos e miudas que lhe chamavam de tudo.
    Já nessa altura ele mostrava o que era….

  6. Ali o vizinho do 1º andar do amigo MCoutinho, um tal Burns, não sofre de Alzheimer, não. Esses, para mal deles, esses são inimputáveis. Este está bem consciente do que diz e sabe por que o diz e é, por isso, um traste miserável cujas aleivosias, as dele e as de outras cabeças do mesmo jaez, continuam infelizmente a ser vomitadas pela nossa nefanda comunicação social com a maior desfaçatez deste mundo e a massacrar as cabeças dos portugueses com um propósito bem definido: entregar de bandeja o poder deste país, todo o poder, áqueles mesmos que já mostraram no BPN e não só, para que o querem. Vejam, Vejam o INSIDE JOB! Tão esclarecedor!

  7. Volto aqui para uma palavra ao Valupi. “Desconfio que não compensa”, dizes tu, referindo-te aos Pachecos e Xavieres que infestam os nossos media, admitindo que o dinheirinho que recebem não compense os tratos de polé que dão à sua consciência. Isso seria, de facto, assim se consciência tivessem. Como a não têm e disso dão bastas provas, nunca a questão se lhes há-de pôr.

  8. ouça lá aniper
    quem foi o único sabujo a entregar o poder de bandeja em portugal, e a quem?
    vá lá,esforce-se um bocadinho ou peça ao val para procurar no arquivo do seu gabinete
    espalhar lama está no código genético desta trupe socrática com o patrocínio do chorão do sampaio
    gostava de viver o suficiente para ver esta gente a pagar as maldades que fizeram a portugal

  9. O melhor mesmo é fazer exactamente como o Mcoutinho e não dar mais ouvidos a pulhas e seus co-repetidores. Não só como remédio preventivo para o nosso músculo cardíaco, como sobretudo para evitar que nos poluam a Alma através dos órgãos sensoriais que mais próximo se encontram do cérebro: os ouvidos.

  10. Ao que diz, aqui e além, o Burns ali de cima, nem me dou ao trabalho de responder! Tenho que poupar o meu tempo para aquilo que valha a pena!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.