Dominguice

A Natureza não é uma cena onde reine a paz. Começa-se a matar logo ao nível das bactérias. Fomeca, viver tem o seu custo. E daí até aos predadores de toda a forma e feitio, na água, terra e céu, é sempre a aviar. O rei da matança é o Homo sapiens, quão mais inteligente mais capaz de tirar a vida a outros animais e outros humanos. Para além da inteligência, também recorremos aos instintos, à identidade e à irracionalidade para agir violentamente. Assistimos à violência do presente, temos descrições da violência do passado, e sabemos que a violência continuará a fazer parte da experiência humana no futuro. A possibilidade de a raça humana se extinguir através da violência tem crescente verosimilhança desde o início da era atómica e da engenharia genética — mas já poderia ter acontecido no tempo da pedra lascada. Qualquer futuro avanço tecnológico que permita obter armas ainda mais poderosas levará ao aumento dessa probabilidade.

No entanto, porém, contudo, a civilização nasceu da, e por causa, da violência. Consiste no movimento da violência contra si própria.

10 thoughts on “Dominguice”

  1. A violência só existe se houver um agressor e um agredido ,a violência não aparece só porque sim
    Jesus Cristo é que deu a outra face no comum dos mortais isso não existe ,no caso do Médio Oriente uns assassinos entraram nas casas e violaram ,queimaram e assassinaram e fizeram reféns, os Israelitas agora dão o troco e morrem inocentes mas todos saem há rua a festejar quando há atentados em qualquer cidade ocidental e isso é o quê ? São coniventes com o que acontece actualmente toda a gente tem direito à auto defesa .

  2. a violência dos animais tem uma função , manter a população do “alimento” em limites azeitáveis no planeta ,por isso há pragas quando arrasam com alguma espécie . além disso , não se comem entre os da mesma espécie , nem andam permanentemente à briga de maneira mortal. mas sim , já vai sendo hora de enterrar o sapiens , destruiu uma Criação maravilhosa em dois ou três séculos. não merece viver.

  3. O instinto de sobrevivência e auto preservação é mais forte, se nos leva à violência quando ameaçados também nos afasta da autoextincão. O Sapiens é um predador mas foi feito para outros voos, ainda tem muito que evoluir. Ainda é um manino carago!

    A sedentarização e a civilização trouxeram-nos por necessidade de vida em comum e socialização uma repressão dos instintos mais violentos, mas desenvolvemos pulsões que necessitam ser canalizadas. Necessidade de domínio, de controle, o ódio, o amor etc… A violência é só a arma não o gatilho.

  4. oh , Joe , já cá andamos há bastante tempo e a evolução existente foi apenas em termos materiais. e por cada avanço desses perdemos qualquer coisa de humano. cada vez estamos mais longe da sã convivência entre pessoas e povos. e se o fim é o tal transhumanismo,, que parece saído da pluma da mary shelley , pois , não sei…

  5. Nada disso, que horror.
    Sou um optimista, acredito na Humanidade com todas as suas contradições, enormidades e avanços e recuos. Não há espécie mais egoísta, não acaba assim tão depressa.
    Por outro lado há um certo catastrofismo que é sinal dos tempos e já o vi anteriormente na Guerra Fria.Não gosto de escatalogias.

  6. A violência dos animais tem por fundo a sobrevivência e a evolução da espécie, a evolução humana tem por base a sobrevivência e a evolução da parte não material .

  7. «Qualquer futuro avanço tecnológico que permita obter armas ainda mais poderosas levará ao aumento dessa probabilidade.»

    Nesta opinião acima transcrita do texto Valupi tenho as minhas dúvidas; a capacidade de destruição total da humanidade aumentará mas quero crer que a probabilidade do uso de tais capacidades por parte de qualquer país diminuirá. Do que se está passando neste momento em duas guerras, nas quais uma delas é potência nuclear, leva-me a pensar que no dia em que todos ou a grande maioria dos grandes países obtiverem uma força nuclear de respeito, maior será o medo e o terror próprio em lançar-se numa tal aventura. Num caso desses, sim, cumprir-se-ia a ameaça de Putin com um chuveiro de bombas nucleares sob o céu a cair sobre a terra.
    Hiroxima representou, só por si, um tal horror humano universal e sobretudo um tal temor à consciência da humanidade que, na prática tem funcionado com o vacina. As avarias técnicas das várias centrais de produção eléctrica veio reforçar a ideia de quão perigoso é o uso do nuclear.
    E será assim, pelo menos enquanto o homem não conseguir o domínio técnico suficiente para manipular o nuclear em segurança.
    Contudo resta sempre a grande questão: se tudo que nasce tem um fim porque há-de a terra ser diferente?

    Nota acerca de «A violência só existe se houver um agressor e um agredido»
    Não é verdade pois o conflito e a guerra tem várias motivações para além disso; basta um conflito de opinião por ofensa de palavras; um motivo de tipo da Roma primitiva como o “rapto das sabinas”; o desejo de “espaço vital”; a vontade de querer ficar na história como “o grande”, etc.
    Aliás, tal opinião é paradoxal, pois tem implícito a sua contradição uma vez que terá de haver, de início, um agressor sem agredido.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *