Do mesmo autor da “Inventona de Belém”

Em 2009, Cavaco não impôs quaisquer exigências a Sócrates para o indigitar como primeiro-ministro de um Governo minoritário. Acima e antes de tudo, não lhe foi sequer perguntado como é que ele ia aprovar Orçamentos e passar moções de confiança. Isso não foi feito porque nesse tempo o que estava em causa era garantir que esse Governo minoritário fosse queimado em fogo lento, servisse de saco de pancada e tivesse apenas o tempo de vida necessário para que Cavaco obtivesse a reeleição.

De 2010 a 2011, com o início da crise das dívidas soberanas na Europa e o crescente risco de os juros da dívida obrigarem a um resgate de emergência, tal como acontecia na Grécia e na Irlanda e se previa poder acontecer inclusive na Espanha e Itália, não vimos Cavaco a contribuir para a estabilidade e a confiança, mas o contrário. Nesse tempo, usou o cargo presidencial para desgastar, denegrir e boicotar o Governo socialista, servindo-se da violência da crise internacional para influenciar o resultado das eleições legislativas que colocaram esta direita decadente no poder. Um dia, não resistirá a escrever como conseguiu destruir o diabólico Sócrates, indiferente a com isso ter lançado o País inteiro para a pior das soluções e feliz da vida por o ter conseguido fazer enquanto se vangloriava de estar acima dos partidos e dos políticos.

De facto, temos de reconhecer que Cavaco é um dos maiores defensores da estabilidade que o nosso regime democrático já viu passar. Infelizmente, tragicamente, a estabilidade que ele preza é a da pulhice. A sua.

14 thoughts on “Do mesmo autor da “Inventona de Belém””

  1. espero que o costa lhe dê garantias de tudo, não cumpra nada e que a esquerda apresente um candidato único à presidência ou seja, que o mande foder em alta velocidade.

  2. a) aprovação de moções de confiança;
    (ler os papéis que os costa lhe levou)
    b) aprovação dos Orçamentos do Estado, em particular o Orçamento para 2016;
    (idem aspas ou quer para o próximo vinténio)
    c) cumprimento das regras de disciplina orçamental aplicadas a todos os países da Zona Euro e subscritas pelo Estado Português, nomeadamente as que resultam do Pacto de Estabilidade e Crescimento, do Tratado Orçamental, do Mecanismo Europeu de Estabilidade e da participação de Portugal na União Económica e Monetária e na União Bancária;
    (é preciso lata, os pafúncios não cumpriram uma e agora os xuxas têm que garantir aquilo que a união europeia já concluiu que vai alterar)
    d) respeito pelos compromissos internacionais de Portugal no âmbito das organizações de defesa colectiva;
    (deve incluir comprar de mais 1/2 dúzia de submarinos, uma grosa de pão duro para fazer açorda e dois quarteirões de kits f22 encaixotados para montar na legolandia ba5)
    e) papel do Conselho Permanente de Concertação Social, dada a relevância do seu contributo para a coesão social e o desenvolvimento do País;
    (tá bem visto, deve ser para evitar que os patrões façam greves e manifestações)
    f) estabilidade do sistema financeiro, dado o seu papel fulcral no financiamento da economia portuguesa.
    ( tamém tá bem observado, o costa do banco de portugal trata do fmi e o salgado endrómina os do rating)

    http://www.presidencia.pt/?idc=10&idi=98124

  3. Houvesse coragem para isso que Cavaco Silva, ao saír de Belem, ia direitinho ao banco dos réus por traição a Portugal. Acompanhado dos Pafiosos que o rodeiam.

  4. Cavaco raramente se engana, e deta vez ainda não se enganou
    Atenção que o povo também se engana nas eleições.
    Lembremo-nos que ainda não há muitos anos, o povo elegeu o “Maior Português”.
    E também se enganou, dizem alguns.

  5. À parte, do esperado, ganho de tempo, tão bem vindo na lapa & caldas, surge perguntar;
    – A anterior indigitação, tinha como garantida a aprovação do OE para 2016 ???
    – A anterior indigitação, era garantia da solidez do sistema financeiro ???
    -A anterior indigitação, comprometia-se a fazer uso da concert. social, para o seu pleno uso, ou somente para legitimar alterações laborais, a favor dos mesmos de sempre. Tal como no anterior exercício ???
    E por último, a mais intranquila das questões, cavaco pensar, que dois quintos da assembleia, os seus dois quintos, em questões de matéria territorial / compromissos externos, votariam contra a defesa da nação, bem como, contra a própria constituição !
    Por aqui, caí a defesa do excesso de salvaguardas.
    O que este tempo “ganho”, não estará a permitir ?

  6. Neste momento só Cavaco não está crispado.

    A Cambada de crispadinhos da esquerda, da direita, da extrema dum lado e do outro, têm que bater a bola baixinho.

    Cavaco ainda vai ser reconhecido como um dos homens mais criteriosos do momento.

    E vai ser o próprio Costa a reconhecer esse facto.

  7. Três geringonças- chegaram à Índia , outras tantas dobraram os Cabos, e algumas descobriram mesmo continentes. Austrália e América.
    Qual o grande feito do , velho do restelo,?
    Um parágrafo menor na Historia deste ancestral País.

  8. Costa não é instável nem os comunistas nem o bloco.

    O mal e o perigo é serem todos estáveis.

    Sempre goram estáveis e aí está o grande perigo da possível bandalheira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.