Da má e da boa ingenuidade

É a sujidade que dá fama ao champanhe. O pó no copo fornece os núcleos de condensação para o dióxido de carbono dissolvido. Nascem as bolhinhas. E folias gasosas. Na democracia, as sujeiras condensam o cinismo dissolvido. Nascem ingénuos. Mas maus, retendo apenas a casca da ingenuidade. Por dentro, estão ocos. São ingénuos nesse sentido de ignorarem que algo lhes falta. E logo o principal, a semente.

As sujeiras compensam, explica a psicologia cognitiva e a evolutiva. Para resolver um diferendo entre Descartes e Spinoza, em que o primeiro defendia o primado da crítica e o segundo o da crença, observou-se que a cognição humana acredita no que lhe põem à frente. Uma mentira começa sempre por ser uma verdade, não há outra forma de ser assimilada mentalmente. Só depois, se calhar, pode a alquimia da inteligência transformar o ouro em merda. A pulhice é tóxica, os assassinatos de carácter funcionam. Não? Acaso consegues resistir à má-língua no emprego, no bairro, nas amizades, na família? Serás um dos que conheciam o médico do Santa Maria que tratou a Laura Diogo após o Reinaldo a ter lesionado com uma entrada de rompante na pequena-área?


Em Portugal, a oposição acusa Sócrates de ser um vilão de ampla tipologia, das falcatruas escolares e profissionais às traficâncias e manigâncias de Estado. Embora todos os partidos passem mais tempo a denegrir o Governo do que a promoverem as suas soluções para uma outra governação, um deles especializou-se na degradação da política através da calúnia. O seu programa é monotemático e consiste numa tara: reclamar a posse da verdade. Um dia será referido como exemplo académico da negação mesma da democracia. Por agora, é apenas uma obsessão de mui rasca demagogia. Mas a qual traz um inusitado benefício, pois requalifica os votos no PS. O eleitor socialista tem de pensar mais do que outros, é mais crítico do seu voto, visto estar sujeito a um constante e maciço ataque ao centro ético da sua adesão: a honorabilidade e credibilidade de Sócrates. Não se pode votar em quem não é de confiança, pensaram cabecinhas pachecopereiradas, da Lapa a Belém, enquanto salivavam e esfregavam as manápulas.

A ingenuidade, a boa, é o antídoto do cinismo. É uma fortaleza da sinceridade. A marca de quem nasceu livre, mesmo que tenha nascido de novo. Resulta da crítica radical às formas percebidas de preconceito e difamação. A começar por aquelas de que somos autores. Os partidos, associações e indivíduos que não apelam a esta conduta, que estão cheios de condenações morais para distribuir pelos adversários, que nos chamam ingénuos por continuarmos a querer usar a nossa inteligência, têm razão. Mas não a razão toda, nem sequer a sua melhor parte.

11 thoughts on “Da má e da boa ingenuidade”

  1. já não se justificam adjectivações porque somos todos cabrões.

    a justiça é prioritária mas a primeira tarefa para quem pensa no futuro é a educação mas, por exemplo, só podemos dizer que há escolas novas muito baixinho.

    ESCOLAS NOVAS. SUPER FIXES!
    EQUIPAMENTOS MODERNOS E QUALIDADE E CONFORTO NA EDUCAÇÃO.

    não é generalizado mas há-de vir a ser.
    antes para alguns desde já, do que para nenhuns nunca.

    algo está muito mal e o primeiro problema não é só na justiça.

  2. Grande post. Como é possivel que ainda nos tenhamos que exaltar por uma catequista que advoga a “suspensão da democracia por 6 meses, quem sabe?” possa ser primeira-ministra 35 anos depois do 25 de Abril, para o qual não contribuiu?

  3. pois Pedro, eu ainda estou banzo como é que 35 anos depois dos cravos temos isto pela frente.

    Acho que só pode ser um fim de ciclo, rematar e enterrar o cavaquismo, versão recauchutada em molho salazarento servido pela chefa perpétua da mocidade portuguesa. E ainda há 30% que escolhem dat o voto por ali, a quem diz que suspende a democracia, e suspendia mesmo se pudesse, e é tão séria que dá benesses fiscais ao santander de 1 milhão de euros para ter um tachão uns anitos depois. A seriedade por ali é preta e no entanto muita gente prefere não ver. Que tristeza. E ainda há isto!

  4. Z: qualquer dúvida sobre a honestidade da pandilha de bandoleiros que serve de séquito ao vigarista de boliqueime, só pode existir na cabeça de analfabetos funcionais. Se o indigno de belém nos jurou que não tinha acções do BPN, e se esqueceu de referir que tinha da SPN… está tudo dito.

  5. Tra.quinas
    Por este texto fui insultado assim como os meus netos, por quem me dá azo revelar o nome.
    Acabaram as minhas férias
    Desde ontem que voltaram os meus afazeres diários como avô. Depois de umas férias bem merecidas -para mim – além de estar aposentado, acho que também merecíamos um mês de férias, uma vez que recebemos o subsídio de férias, era a máxima, a lembrar o outro, que quando estava a ser discutido trabalhar-se só um mês no ano, o trabalhador anarquista, lembrou logo! E o mês de férias?
    Este ano os meus afazeres aumentaram cem por cento, o ano transacto levava um neto Duarte, (materno) segundo ano escolar, este ano acompanha-o Diogo (paterno) pré – primário. Sinto prazer além do compromisso diário, tenho de rever certos hábitos, como o atravessar nas passadeiras para peões, – neste período abandalhei um pouco – passava fora delas. Fazer-lhes ver as regras do civismo, assim como não deitar lixo para o chão, não andar aos pontapés aos caixotes do lixo, respeitar o bem público, fazer-lhes ver que estes valores são essenciais para o bem-estar de todos, que tão difícil é hoje neste Portugal, pôr em prática. Por vezes eles dizem-me que sou bastante exigente mas de pequenino se torce o pepino. Também me vou encontrar com outros avós, falar da vida, do futebol, da política e do novo Centro Escolar em fase de arranque.
    Vão acabar as velhinhas escolas. Para o ano o itinerário será diferente, mais distante, mas julgo que vai valer o esforço. O novo Centro Escolar vai congregar 20 salas do 1º. Ciclo do Ensino Básico – 500 alunos, 8 salas de Jardim de Infância – 200 alunos. Dá gosto ser aluno hoje em dia, que diferença das salas de aulas do meu tempo, nem sitio para arrecadar alguns haveres. Depois os professores dizem que o governo de José Sócrates, não fez nada por eles e pelas nossas crianças. É ver:
    – Salas de Serviço de Apoio à família, pré-escolar.
    – Salas de Enriquecimento Curricular.
    – Sala de TIC. Sala de Formação de Professores/Educadores.
    – Centro de recursos. Sala de ciências experimentais.
    – Gabinete Médico.
    – Sala Associação de Pais.
    – Gabinete Municipal.
    – Gabinete de atendimento.
    – Sala de professores educadores.
    – Arrumos/limpeza.
    – Zona apoio AAE.
    – WC/Vestiário – AAE.
    – Economato.
    – Cozinha.
    – Armazém de frio.
    – Despensa do dia.
    – Arrecadações.
    – Zona técnica.
    – Polivalente.
    – Zona técnica de apoio ao polivalente.
    – Arrumos de material desportivo.
    – Balneários.
    – WC – JI.
    – 4 WC – 1º. CEB.
    – WC – deficientes.
    – WC de professores.
    Isto no primeiro ciclo. Vai nascer a tão desejada Escola Secundária. Sou de um concelho de maioria absoluta PSD, mas nunca nenhum governo fez tanto pelo concelho como o governo de José Sócrates. Até atribuíram o nome de Manuel Pinho a uma avenida.
    Por tudo isto espero esta minha missão durante uns anos, é bom para eles e para mim, é sinal da minha existência.

  6. Face ao que veio a público hoje, tenho dúvidas se o PR não se sabe rodear de pessoas idóoneas, ou se as escolhe por o não serem…

    É bom que se desengasgue…ou fico com a impressão que existe um polvo…em Belém…

  7. Nos jornais não faltam notícias e comentários sobre a ilegalidade dos militantes do PSD, em certas secções de Lisboa, que foram comprados por vinte e cinco a trinta euros. Dizem os visados que isso é especulativo que surge a oito dias das eleições e sabem de onde partiu. Sei que foi um grande murro e logo no baixo-ventre, sítio onde dói mais e não temos tanta protecção, acontece, quem dá também leva, às vezes com juros. Agora porem-se de fora, não foi com esse objectivo que compraram os votos para dar a vitória a Ferreira Leite para ganhar a liderança do PSD? Gostava de ouvir a reacção de Pedro Passos Coelho, único prejudicado. No período eleitoral vai-se calar, caso a Ferreira Leite não vença as eleições, no PSD não vai ficar pedra sobre pedra.
    Quem não leu o comentário de Ferreira Fernandes (jornalista insuspeito) hoje no DN, deixo parte do texto que ele escreveu: “Era só mais um episódio da História da Pulhice Humana. Olhem o bólide a guinar, direito a um muro, choca, destrói-se e fica a fumegar. Há vídeos no YouTube, os espectadores de mão na boca, angustiados, mas, milagre, o piloto sai ileso! Os espectadores batem palmas. Aplaudem um sobrevivente? Não, um trafulha. Soube-se agora. A Renault, há semanas, despediu Nelsinho. Erro. Nunca se despede um cúmplice. Nelsinho pôs a boca no trombone e contou que o acidente em Singapura foi forjado. A Renault apostava no seu corredor principal, Fernando Alonso, campeão do Mundo em 2005 e 2006 e que, em 2008, ainda não brilhara. Então, convidou Nelsinho a ter um acidente no sítio certo, onde os destroços demoravam a ser removidos.”

  8. Belo post, Val.
    Devagar, mas com jeito, a política da injúria e do assassinato de carácter vai sendo derrotada. Não tem sido fácil, mas é com argumentos como os do post que a politica da “verdade” se vai resumindo à sua verdadeira dimensão, a indigência mental.

  9. Belo texto e muito certeiro, sem dúvida. Só acrescentaria, à frase final, «(…) têm razão. Mas não a razão toda, nem sequer a sua melhor parte», sobretudo nunca a terão a prazo!

    O (des)investimento da campanha do PSD na capacidade intelectual dos seus potenciais eleitores pode até, quiçá, dar um resultadão nestas próximas Legislativas, mas revelar-se-á fatal no Futuro.

    O qual, para mal dos pecados de Ferreira Leite, começará já da próxima Segunda-feira a oito dias!…

  10. manuel pacheco, o meu grito resulta de especulações mal intencionadas que tive conhecimento sobre o inicio do ano lectivo nalguns dos novos centros escolares e com situações como a que se passou consigo. o importante é que umas quantas novas escolas já cá cantam. ficaram a ganhar as crianças. elas e quem lá trabalha merecem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.