Começou o julgamento do cavaquismo

O cavaquismo está por estudar. Tal deve-se a diferentes razões, a principal sendo a permanência dos seus responsáveis em posições de alto, e fundo, poder. Outra razão de peso está nos agentes da comunicação social, onde não há protagonistas independentes. Todos os grandes grupos querem apenas fazer negócios, não denunciar aqueles com quem negoceiam. No plano individual, para reforço do mesmo, o fenómeno mais fácil ao cimo da terra é o de comprar jornalistas. O jornalista português, por formação e faro, não quer investigar. Se confidenciar a alguém, colega, familiar ou amigo, esse seu desejo, ouve logo pedidos alarmados para não o fazer. A cobardia é sistémica, e conforta. Mas, se mesmo assim insistir em investigar, e se, por talento ou sorte, chegar a algum conteúdo comprometedor, não irá resistir às prendas que o esperam, as quais são sempre muito mais eficazes do que as ameaças. Aqueles que são comprados transformam-se em aliados, enquanto os que são apenas ameaçados até podem ter a infeliz ideia de optarem pelo martírio, o que seria uma chatice. É por isso que em Portugal não há corruptos presos ou acusados ou expostos. É por isso que em Portugal até as equipas de investigação se baralham e conseguem encrencar os processos. Se preciso for, roubam-se uns computadores, desaparecem umas provas, as testemunhas desdizem-se. Finalmente, os partidos da esquerda radical não querem combater o suposto inimigo, apenas garantir um espaço à mesa. Os seus recursos, próprios e legais, não são utilizados para o estudo e diminuição da corrupção que lhes dá lenha para os inflamados discursos. Assim, o cavaquismo está por estudar. Ou melhor, está agora a ser estudado no Tribunal Central de Instrução Criminal através da observação desse espécime chamado José Oliveira e Costa. Amanhã, na RTP, teremos outro grande momento para a ciência, com Dias Loureiro. Caso algum dia se disseque um cavaquista de calibre equivalente ao destas figuras, as descobertas mudarão a História de Portugal.

28 thoughts on “Começou o julgamento do cavaquismo”

  1. Tás desactualizado. O ex-sec est das Finanças de Cavaco, Oliveira e Costa, conhecido pelas suas histórias da Cerâmica do Candal e gestor burlento, fraudulento e branqueador de capitais do BPN, FOI PRESO! Se calhar é para ser solto amanhã, como os ladrões de esticão.

  2. Nada nos diz que Cavaco tenha a ver com alguma ilegalidade, Nik, tal como não nos compete sequer enunciar uma mera suspeita sobre qualquer indivíduo. Isso seria estar a caluniar, serão as autoridades a investigar e deliberar. Mas podemos falar de aspectos sociológicos e culturais. Nesse sentido, o cavaquismo é uma escola de corrupção. Se calhar, foi por isso que Cavaco fugiu dele.

  3. Valupi ainda acreditas (parece-me que sim) que isto vai dar em alguma coisa? Santa ingenuidade!Mas pessoas como tu é que fazem um velho como eu pôr os pés fora da cama todos os dias.

  4. Pois é meu caro,talvez agora comece o “examinar” post-mortem do cavaquismo,ainda que me pareça que o Valupi é muito optimista.Eu que tendo mais para o oposto,sou cão mais velho,desconfio e oxalá você tenha razão !! Só espero é que agora(desde 2005) não estejamos já num novo ciclo,a “autopsiar” daqui a uns 15 a 20 anos,a que chamaríamos neo-cavaquismo/socratismo e sei lá mais que ismo virá a seguir! Daqui do “apeadeiro” da Portela,por entre aviões, um abraço.

  5. que graça dos deuses tu existires Valupi, pauzão!

    Bem, eu acho que sou insuspeito, o Cavaco é um homem de matriz conservadora mas sempre me disseram que é honesto. Claro que a honestidade mede-se em dois planos, o da acção e o da omissão, mas sendo ele um herdeiro da tradição misturada do keynesianismo e do liberalismo o que fez foi pôr os negócios a andar aplicando os dinheiros da UE: infraestruturou o país para garantir a circulação, na altura não havia quase internet, era uma aposta estratégica na mobilidade, e induziu o imobiliário, mas reparem que aquilo no Médio Oriente anda sempre por um fio e se pega fogo mesmo, o fluxo migratório global assenta praça em Portugal numa escala sem precedentes, e segundas casas para toda uma classe média europeia.

    Nós, além do jardim frente ao mar, somos uma maravilha de plataforma intercontinental, daí ter de haver um aeroporto de jeito que liberte a Portela do risco de ataques terrorristas em cima da sobrelotação e da cidade.

    Houve negócios pouco inteligentes, mesmo broncos, estamos cheios de escalitral (vá lá que dá para queimar como biomassa e também ainda há o eucaliptol para as constipações) e espero que inventem roupas de papel com linho ou algodão misturado para o verão, com outras fibras para o inverno, versões plastificadas para a chuva, porque isto agora já ninguém gosta de imprimir e receber propaganda no correio,

    designers portugueses: é gira a idéia não?, imaginem as passerelles de roupa reciclável made in Portugal, com um cheiro de ficção científica

    as time goes by

    —-

    -> skatepark que eu não largo o osso, osso online

  6. lindo cherne, a tua sorte é que é raríssimo eu atacar um compatriota em funções internacionais, portanto recordo-te de todas as vezes que gritaste ‘os ricos que paguem a crise’ na juventude, e que esse dinheiro seja disponibilizado na base como água nas raízes para que possa subir na árvore, compris? O Sol trata do resto -> fotossíntese -> riqueza,

    nada de andares a curtir uma de tubarão que eu apareço feita orca, tá?

    braganza curse may become a braganza blessing: pharmakon

  7. tudo o que seja atirar com lixívia e potassa sobre essa gente é positivo mesmo que já não resolva nada e vá entupir as sarjetas

  8. Xico Lopes, o mal é de todos os lugares e de todos os tempos. Basta ler o Antigo Testamento; até no Éden, e eram só dois, a coisa deu para o torto.

    Toma lá um abraço atlântico.
    __

    jafonso, já deu. O homem está com a carreira acabada e o nome enxovalhado. Aquele antro vai ser limpo, ou fechado. Veremos quem mais o acompanha, posto que entre elementos do banco e clientes, deve haver dezenas, ou centenas, de implicados nas trafulhices. Claro, tudo pode ficar em águas de bacalhau, mas essa é outra história.

    Fazes muito bem em tirar os pés para fora da cama. O tempo é sempre tempo para nos levantarmos e andar. Há sempre para onde ir, há sempre o que ver, há sempre o que escutar. E ainda temos os outros, com palavras amigas ou a precisar delas.
    __

    fernando antolin, tudo deve ser alvo fiscalização, claro, mas não há paralelo algum entre o cavaquismo e o socratismo. Talvez apareça, se vier uma segunda maioria, e mesmo assim não é fácil, pois são duas culturas diferentes, e a sociedade também está diferente, politicamente mais matura e com mais poder.

    Tom lá um abraço voador
    __

    Z, Cavaco, de facto, parece honesto, mas é exactamente como dizes: também se peca por omissão. É impossível a Cavaco alegar que não conhece o fenómeno da corrupção no cavaquismo e com os cavaquistas. Como se viu, ele identifica-se tanto com o sistema que até quis ser Presidente da República. Entretanto, até lá chegar, nunca ninguém ouviu de Cavaco alguma opinião ou aviso contra a corrupção. Esta ambivalência de todos os nossos governantes e políticos (à excepção de Cravinho) é desgraçada para Portugal.

    __

    jcfrancisco, ora aí está uma boa ilustração.

  9. (essa Christina Pretto deve ser género Paula Allencar na Avenida Paulista. Ninguém viu? Dina Sfatt no seu melhor. Que saudades também, foi aí nesse seriado que apareceu a Bruna pela primeira vez na minha paisagem de caras, bazar)

  10. Duvido muito que o julgamento do cavaquismo possa ser feito com base em actos e factos estranhos a Cavaco e muitos posteriores ao próprio cavaquismo. Oliveira e Costa não é sócio, nem representante, nem colaborador de Cavaco – que não o apoiou, se bem me recordo, já no tempo do escândalo da cerâmica do Candal, onde ficou tirado o retrato moral do indivíduo. Agora bué d’ex-cavaquistas a prevaricar hoje em dia, que los hay, los hay!

    Se o Oliveira e Costa adoptar a táctica do Bibi, procurando enfarinhar no escândalo outras figuras públicas, vai ser engraçado

  11. Estás a entender o cavaquismo, Nik, como o conjunto das acções de Cavaco, e não é disso que falo. Refiro-me é ao período das duas maiorias absolutas, onde certas pessoas foram escolhidas por Cavaco para ocuparem certos cargos. Esse tempo, e essa situação de poder absoluto, foram pasto para certos fenómenos sociológicos relacionados com a cultura de corrupção. Foi o tempo do poderio supremo do sector das construções, do desvio de dinheiros europeus (até o Torres Couto se perdeu por aí), das riquezas súbitas de alguns ministros que tinham sido uns borra-botas até então, etc. Respirava-se uma impunidade e sobranceria que o termo “cavaquistão” muito bem descrevia.

  12. Ainda assim, sem a desfaçatez de ver Coelhos em Mota-Engis e, poucos meses depois, oferecer-lhes concessões sete anos antes do tempo. Se há tempo que caracteriza a corrupção são os dias de hoje, quando em praça pública se exibe o exílio de Cravinhos.

  13. não adianta inverter a perspectiva de leitura de classe e de cócoras espreitar por baixo;
    no crime organizado já nós caímos há muitas décadas – mais concretamente quando o Cavaco foi recebido familiarmente no rancho do Texas pelo WHBush Pai na década de 90 – W, o tal que foi director da CIA e ficou com a expansão do negócio a nivel global – tinha de ser W C de cavaco dá WC

  14. Val, estás a fazer processo sem provas, tipo “se não foste tu, foi o teu pai”. As prevaricações dos chamados “cavaquistas” (foram cavaquistas, sim, mas continuaram a sê-lo?) são posteriores ao cavaquismo.

    Falas de “cultura de corrupção” no tempo de Cavaco. A mim, aqui, interessam-me factos de corrupção. E a respectiva cronologia. Falas de impunidade, mas as suspeitas de crimes dessa gente são posteriores. O Cavaco não é pai deles, vai por mim. E que fosse, nenhum pai é responsável pelo que os filhos maiores e vacinados fazem.

    Tanto quanto eu me lembro, Cavaco correu com o Oliveira e Costa do governo a seguir à história da Cerâmica do Candal.

    O Cavaco será também responsável pelos desmandos do Jardim Gonçalves? O BCP foi criado em 1984-85, depois de o mação Soares ter pedido ao opusdei Gonçalves para voltar de Madrid para Lisboa. Será que o Soares também é culpado?

  15. As suspeitas são posteriores? Mas de que suspeitas falas? Não se trata de Cavaco ser o responsável, sequer conhecer, trata-se do cavaquismo. Mas está visto que precisas de refrescar a memória.

    Quanto a Soares, é outro igual: não pode alegar desconhecimento dos meandros da corrupção. Ao nível a que essas pessoas se movimentam, exercendo cargos governativos ou privando com governantes e decisores económicos, sendo mediadores de negócios, tendo acesso a informação secreta e podendo cruzar os mais diversos indicadores, não se pode ignorar a realidade da corrupção.

  16. Radagast, a concessão seria atribuída com ou sem Coelho. Essa história, ainda por cima, está à vista de todos. Agora, qualquer pessoa, potencialmente, pode ser agente de corrupção, não importando qual seja a família política. Óbvio.
    __

    AChata, não te esqueças de que há muita gente no Mundo, e a maior parte não é criminosa.
    __

    xatoo, és um gajo bem informado.

  17. Quem disse que não há gente honesta? Nos 6 biliões e tal especimen de seres humanos há concerteza uma percentagem significativa que não é criminosa (até porque grande parte deles não tem como sê-lo porque está concentrado em matar a fome e a sede).

    O que pretendi dizer foi que se as previsões do NIC para o futuro da Europa se concretizarem, os portugueses já não vão estranhar muito…

    Esta promiscuidade entre partidos politicos e empresas, este saltar constante de cargos nos governos para administração empresas, sempre os mesmos nomes que vêem à baila, a protecção entre pares, as negociatas escuras, enfim, não será isto uma forma de crime organizado?

  18. já o meu pai me dizia que os melhores empregos vinham de ser ex-ministro, às tantas isto vem desde o império romano,

    agora o que choca é a ineficiência para não dizer mais da Justiça, era suposto ser o 3º braço do Poder, com uma função regulatória a montante por dissuasão e a jusante por sanção, ora tive o azar de ver a Felgueiras aos pulos como se tivesse sido declarada inocente, enquanto que o implícito era que o crime compensou,

    vejam o meu insignificante caso: estou há mais de três anos para saber se estou, ou se não estou, ainda hoje, ao abrigo de um contrato automaticamente renovado pelo Estado, e ainda está na primeira instância, às tantas vão deixar passar o prazo de fim destoutro contrato; enfim, despedimentos por razões políticas para quem não tem costas quentes (a menos de um colete de penas de ganso) é outra loiça, funceminam,

    e a maldição do drago também

  19. Eu sei, AChata, mas essa denúncia não é de agora, acompanha a História. É ler o Antigo Testamento, por exemplo, ou tantos outros textos antigos. Sempre houve denúncias de injustiça e sempre houve alguns que achavam justo aquilo que outros achavam injusto. Quanto ao crime organizado tomar conta do Estado, mais uma vez estamos no domínio do universal. Há americanos que dizem o mesmo, e pior, do seu Estado – e tu achas que a América é dominada por bandidos? Como é óbvio, qualquer que seja a tua resposta, poderás ir buscar acontecimentos que a ilustrem.
    __

    Z, desejo-te melhor sorte com a Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.