Colossal gargalhada

Ora, o actual líder de Governo é o primeiro que volta a incorporar características pessoais que nos perspectivam mais um ciclo marcante. Com tudo o que de controverso possa ter esta afirmação, Passos Coelho é carismático, tem um carácter férreo e soma a um humanismo, à imagem de Sá Carneiro, uma determinação austera muito ao jeito do actual Presidente da República. A ser consequentemente afirmada, trata-se de uma mistura excepcionalmente promissora.

Nestas primeiras semanas de trabalho, o primeiro-ministro pautou-se por um estilo muito eficaz. Nunca deixou de fazer declarações quando o devia fazer, e fê-lo sempre de forma natural e distendida; nunca se deixou pressionar pela opinião publicada e geriu o silêncio com particular sabedoria.

Diz que é uma espécie de Conselheiro de Estado

16 thoughts on “Colossal gargalhada”

  1. O sonho de Sá Carneiro, revisto e (generosamente) aumentado:

    Um presidente, um governo, uma maioria, uma oposição, uma imprensa, uma televisão, uma rádio e, à laia de bónus, um séquito de palhaços…

  2. Menezes é o expoente do lambe-botismo nacional. Aposto que escreveu esse texto com lágrimas nos olhos, para o caso de alguém estar a ver.

  3. Ainda a cena do ódio

    Apesar de não vir a propósito do post, não resisto a este desabafo. De acordo com o DN de ontem, 5-8-2011, p. 44 da edição em papel, o nome do leão ‘Sócrates’, no filme de animação “Animais Unidos Jamais Serão Vencidos”, foi mudado, na versão dobrada em português, para ‘Leonardo’. Parece que o bicho tem um papel simpático, e central no filme, e é evidente que nada de simpático pode de modo algum ficar associado ao nome ‘Sócrates’, vade retro Satanás!
    Segundo o DN, uma fonte da Valentim de Carvalho Multimédia, distribuidora do filme em Portugal, garantiu que foi “uma opção da direcção de dobragens” que “nada teve de político”, antes pretendendo obedecer à preocupação de “adaptar o mais possível a história à realidade portuguesa”. Assim, “a escolha dos nomes das personagens guiou-se precisamente por esse critério”, nas palavras do jornal, por certo fiéis ao espírito de adequação à realidade portuguesa de que a Valentim de Carvalho Multimédia é fervorosa militante!
    Como toda a gente sabe, ‘Sócrates’ é palavra para nós totalmente desconhecida, um diabólico estrangeirismo nunca antes ouvido e totalmente em contradição com a alma lusa. Coerentemente, a magnífica “direcção de dobragens” mudou também o nome a outras personagens, não fosse algum mal-intencionado a soldo do Mafarrico (mais uma vez vade retro… ou vá de metro, se preferir) apontar intenção política na patriótica acção. O suricata ‘Billy’, por exemplo, o segundo membro da dupla de heróis do filme, juntamente com o leão ‘Sócrates’, foi rebaptizado como ‘Tony’, nome que, como toda a gente também sabe, tem tudo (e mais um par de botas!) a ver com a realidade portuguesa!
    Se algum dia me deslocar ao Afeganistão, e dentro do mesmo espírito, estou a pensar em mudar a minha graça de ‘Joaquim’ para ‘João’ para me adaptar com eficácia à realidade afegã! Talvez até me tomem por talibã e me convidem para um churrasco com o mullah Omar!

  4. Nos tempos que correm já nem será pra admirar ver um caniche elevado a Conselheiro de Estado.
    A DIALETICA de Meneses: S.Carneiro a tese, Cavaco a antítese (?) e P Coelho a síntese.
    Perfeita, só pode.
    Tempos gloriosos da nossa direita, reencontrada com o seu passado, feito o enterro do “25A”.
    Grandes e persistentes cangalheiros! Faltava mesmo derrubar a referência válida e eficiente, apesar de tudo, da nossa jovem democracia: o PS.
    Ao fim de uma década de luta sem tréguas aos dirigentes do PS ou qualquer um que se perfilasse para o ser, conseguiram.
    Dentre as brumas da memória parece emergir, de novo, a velha estrutura pátria: a Nobreza, o Clero e os Pobres.

  5. este país um pouco antes de 2008 entrou em parafuso, com a pretensa nata social, um conjunto alargado de individuos com poder de comunicação às massas, a pintar a manta no que toca a ataques soezes e orquestrados a um homem e a todos aqueles que o rodeavam. hoje, exibem uma vitória satisfeita e exibem-se, assim vitoriosos, a gozar com a malta. isto para dizer que, não acredito, mas não acredito mesmo, que este fulano acredite por seu turno, nas inanidades que escreveu. resta-me a mim, apenas, o consolo de saber que estes cretinoides estão condenados a serem quem são para o resto da vida deles.

  6. “os idiotas perderam a modéstia”. Só um ministro brasileiro para tal façanha. Por cá só um “concelheiro” de calibre ousa tal arrojo. O Estado a que isto chegou e tão depressa.

  7. a menezisse parola não me incomoda, porque o figura verdadeiramente nunca incomodou, Deus lhe perdoe a imbecilidade

    agora que os meninos do aspirina precisam de um KOMPENSAN hiper-mega-extra, para digerir todas as direitas a que têm direito, sem sonegar uma grama sequer à boda, isso é que me compraz deliciosamente.

    é que como estes betinhos aspirinicos são uns dos clãs de grandes cabrões responsáveis pela mentira instituída, alimentada vosso lambebutismo acéfalo militante durante 6 anos a fio, merecem-na toda e a direito até ao fundo.

    PS – Foda-se que eu também nunca levaria os meus filhos a um filme onde o personagem principal se chamasse sócrates. puta que o pariu e que desapareça nas catacumbas de Paris

  8. Meneses, o autor da crónica vê em Passos Coelho semelhanças com Sá Carneiro e Cavaco (sim, o oportunista que aproveitou a balda do BPN para se abotoar). Só lhe faltou falar no Salazar. Também não ficava mal no ramalhete.

  9. Completando o que diz o Joqauim Camacho “e à laia de bónus, um séquito de palhaços” eu acrescentaria: E UM POVO, AO QUAL EU INFELIZMENTE TAMBÉM PERTENÇO, QUE SÓ ESTÁ SATISFEITO É QUANDO LHE METEM A CANGA SOBRE O CACHAÇO.

  10. Mas quem é que ouve ou vê esse parvalhão do Meneses. Não tive pachorra para ler o resto das imbecilidades que estão para além do post.
    Então que queriam vocês? O PPD não é um partido. É um saco de gatos onde todos se arranham. Às vezes por conveniência de tachos lá vão dizendo sim quando gostavam de dizer não. Mas estes artolas Meneses, M. Mentes. Macário, Bota e a cereja no cimo do bolo o Jardim é tudo uma cambada de oportunistas. Aliás quem tem este trapalhão nas suas fileiras está tudo dito. Quem aceita estar no mesmo grupo desse palhaço não tem a menor vergonha na cara.

  11. Lembram-se de Maria de Lurdes Vale, a “jornalista” “independente” que a coberto do seu estatuto de assalariada do DN publicou uma entrevista ao Álvaro encomendada pela São Caetano à Lapa? Ó pra ela:

    “A segunda nomeação em causa é a de Maria de Lurdes Vale, a assessora de imprensa que o ministro requisitou ao Diário de Notícias. O diploma publicado no DR indica que a jornalista foi nomeada para “realizar estudos e trabalhos técnicos no âmbito das respectivas habilitações e qualificações profissionais, na área da informação e comunicação social”. A nomeada aufere também a remuneração correspondente ao estatuto remuneratório do cargo de direcção superior de 1.º grau, incluindo subsídio de alimentação, acrescida dos respectivos subsídios de férias e de Natal”. Já o pagamento de abono para ajudas de custo “nas deslocações que efectuar é equivalente ao efectuado para os adjuntos dos gabinetes ministeriais”.

    Confrontada com o facto de ser a assessora de imprensa mais bem paga deste Governo – nem os assessores do primeiro-ministro recebem tanto -, Maria de Lurdes Vale salientou que é responsável pela assessoria de comunicação de um “superministério que, além do ministro, tem seis secretarias de Estado” e lembrou que “tem um curriculum de 23 anos de experiência”.Esta informação surge depois da polémica em torno do salário (5.821,30 euros) da chefe de gabinete do ministro.”
    http://ww2.publico.pt/Política/assessores-da-economia-com-salario-de-directorgeral_1506515

  12. Enquanto o amigo “As direitas a que vocês têm todo o direito, palhaços ” se entretém a vir aqui insultar quem pensa de maneira diferente, esquece-se de olhar para as costas. Se o fizesse já tinha notado a enorme p****que tem enfiada pelo rabito acima. Mas como não se queixa, presumo que até deve gostar…E se gosta assim tanto pode pagar a minha parte do subsidio de natal para o imposto extraordinário, tá? Eu deixo .

  13. Zeca Diabo,

    É verdade que quando o Passos disse que o governo ía dar o exemplo no controlo dos custos, ninguém teria previsto que é isto que ele considera um exemplo de contenção. Mas, por outro lado, temos de ver a coisa pela positiva: com tantos super-ministérios, super-ministros, super-secretários, super-assessores e super-chefes de gabinete e super-salários, só podemos esperar super-resultados. ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.