As vacas também têm sentimentos

É o que este estudo sugere. As vacas a que se dá nome, e com as quais se estabelece uma relação personalizada, produzem mais leite. E a quem interessará a notícia, para além dos produtores leiteiros? A todos nós, inevitável resposta. A maior parte dos problemas na vida são o resultado do esquecimento do nome próprio e do nome de família. Algo que até uma inteligência bovina percebe.

24 thoughts on “As vacas também têm sentimentos”

  1. caro Carlos Santos, eu acho admirável como vc consegue saber dessa gente toda, e dou comigo divertido a andar dentro dos salões e a torpedear o protocolo, faz-me lembrar o Washington DC do Gore Vidal.

    Eu não pesco nada de quem é quem mas aproveito para informar que já se tocou o ponto cauda de andorinha e é entrar no butterfly pocket,

    as time goes by

  2. e vamos revêr essa porra do deficit para 5%, se na esmagadora maioria dos casos se tira conclusões em estatística com 95% de confiança e já é bom, para que é que andam mais papistas que o papa?

  3. exactamente para contrariar isto é que o dinheiro tem que sair dos bancos e do Estado para chegar às pessoas, e agora já não é empresas e famílias, é pessoas

  4. Amaral Dias não parece ser apelido que proteja.
    Amaral Dias dos Santos já seria melhor.
    Mas Amaral Dias Loureiro é que me parece mesmo satisfatório.
    Isto, nomes com lustro, é outra coisa.
    MFerrer

  5. estes jogam directamente em dois planos, financiam bancos e noutro tanto directamente empresas,

    gosto muito da Noruega e dos noruegueses: simpáticos, humildes mas orgulhosos qb, honestos, pena é a falta de Sol,

  6. ai Valupi, acho que não tenho pachorra para ver tv que ando muito derretido ali com um livro, mas aposto que o Louçã vai aparecer com ar de grande timoneiro, falta de pachorra, em boa hora larguei aquilo, mesmo fundador,

    fumador continuo

  7. Joe o Canalizador, que afirmou que um voto em Barack Obama era um voto pela morte de Israel, foi enviado como jornalista ao Médio Oriente

    Samuel Joseph Wurzelbacher, por alcunha «Joe o Canalizador» (Joe the Plumber) , de 35 anos, ficou conhecido pela pergunta que fez a Barack Obama acerca do plano de impostos do agora Presidente eleito, acusando-o de socialista, um argumento que passou a estar na ordem do dia do lado republicano, para o qual passou a fazer campanha. Tudo isto transformou Joe, de um dia para o outro, numa estrela e herói nacional.

    Durante a campanha eleitoral americana, Joe o Canalizador afirmou que um voto em Barack Obama era um voto pela morte de Israel. “Vocês não querem a minha opinião sobre política externa. Eu só sei o suficiente para ser provavelmente perigoso“, afirmou em entrevista à Fox News.

    O mais famoso canalizador do mundo abandonou as rupturas de lavatórios e as sanitas entupidas para se dedicar a tempo inteiro à política internacional. De tal forma que, contratado pela PajamasTV, viajou para Israel, onde permaneceu 10 dias para cobrir a crise em Gaza e falar com “as pessoas da rua”.

    Jon Stewart, do Daily Show, mostra-nos uma das primeiras intervenções de Joe o Canalizador em Israel:

    Jon Stewart: Este homem enviado como jornalista para o Médio Oriente, deu a sua opinião de tipo normal sobre o jornalismo de guerra.

    Joe o Canalizador: Vou ser franco. Os jornalistas não deviam estar perto dos conflitos. Vocês relatam onde estão as nossas tropas. Relatam o que se passa a cada dia. Dão muita importância a isso. Acho uma parvoíce. Agora, toda a gente opina.

    Jon Stewart: Sim, toda a gente opina. Sou eu que o digo, Joe o Canalizador. Muito bem Joe. O jornalismo de guerra não presta. Qual é a alternativa?

    Joe o Canalizador: Gostava de como era na Primeira e Segunda Guerras Mundiais, quando as pessoas iam ao cinema e viam as tropas no ecrã. Toda a gente ficava empolgada e feliz por elas.

    Jon Stewart: Que idade tem? Primeira e Segunda Guerras Mundiais? Sabe, Joe, esses noticiários eram filmes de propaganda. Tinham o seu encanto mas a informação tinha lacunas. Mas continue a pintar a ignorância voluntária. Como uma espécie de virtude refrescante. Para que conste, acho que a Alemanha também teve desses filmes.

    [Imagens de um documentário da Alemanha nazi]: Bem-vindos, Alemanha. Lá estão os nossos rapazes de castanho, o orgulho da força de combate da Alemanha. Podem ser o Terceiro Reich mas são os primeiros nos nossos corações. Cuidado, ciganos e homossexuais. Toda a gente está maluca por causa do Führer. Miudinha: “Posso oprimir judeus quando for grande?” Hitler: “Não te preocupes, querida. Estaremos por cá nos próximos mil anos.”

    Vídeo legendado em português

  8. Valupi,
    Tenho tido muitas surpresas ao navegar na blogosfera portuguesa. O Aspirina B está entre as mais gratas. Também li a matéria do Science Daily que relaciona a atribuição de nome à produtividade das vacas. E não resisti a contar uma história verdadeira que comigo se passou, demonstrando exatamente que as vacas têm emoções. E me diverti um bocado. Congratulações pelo trabalho.

  9. «A maior parte dos problemas na vida são o resultado do esquecimento do nome próprio e do nome de família»

    Finalmente!! Finalmente foi descoberto por que é que o José Carvalho Pinto de Sousa tem tantos problemas com a verdade! É uma vaca cujo nome foi esquecido!! Agora, quem nunca se esquece do nome dele e o conhce bem, sempre consegue mamar alguma coisa: o Vara é um exemplo; o tio e o Charles Smith são outros…

  10. Ainda vais nas vacas, Valupi? Alarga o passo, cheri. Isso até já acontece com as plantas! Experimenta tratar por tu um pinheiro bravo chamado Manuel – mas fala primeiro com o Príncipe Charles, para estares bem preparado – e vais ver como ele começa a arreganhar a pinha e a fecundar os terrenos à volta com pinhões e esguichos de resinas orgásmicas.

    De resto, duvido que esse truque anunciado pelo Science Daily resulte com vacas cancerosas, carneiros com Alzheimers ou porcos diabéticos ou com barbas na garganta. E não não esperes que um dia venhas a saber disso com todos os pormenores através dessa agência noticiosa das grandes descobertas quote científicas unquote.

    Mas esta das “vacas” sempre é melhor que teres oficializado que o Jerónimo (dez salários mínimos) de Souza afinal não é assim tão mau como diziam.

  11. Carlos Santos, esperemos que esses amigos resolvam a coisa rápido.
    __

    Z, temos uma ancestral saudade do campo, pois é.
    __

    claudia, todas Bonita? Nenhuma Matilde?
    __

    MFerrer, bem visto.
    __

    dina, excelente intuição!
    __

    Márcio Almeida Júnior, muito obrigado pela tua presença e pela tua saborosa crónica da vaca ingrata. Tu é que estás de parabéns.
    __

    ds, ai sim? Estás muito melhor informado do que eu.
    __

    ESTACA, tem calma. Já sei das plantas desde o tempo do disco sound. Agora, quanto às doenças dos bichos, não sabia. Mas sabes tu, para nossa sorte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.