Ainda não fostes avisados

Em vésperas de eleições não se discutem assuntos tão sérios e tão importantes para a transparência da vida democrática quanto esse.

Manela being Manela

*

O assunto que a Presidente do PSD, e candidata à chefia do Governo, não quer discutir em período eleitoral é só o mais importante para os eleitores e para o presente e futuro dos portugueses: a Justiça que não faz justiça. Porquê? Porque discutir a Justiça traz o risco de se diminuir o poder dos diferentes grupos que ocupam a parte superior da pirâmide social. Mas a senhora não está só. Nenhum partido, à esquerda ou à direita, dos velhos ou dos novos, se propõe discutir a Justiça. É este o maior problema do regime, principal causa do atraso económico e marasmo cívico, e problema que não tem qualquer solução à vista.

Estranho que o MEP, nascido numa tessitura da direita tradicionalista e católica, não tenha agarrado na reforma da Justiça como bandeira principal. É que o território está vago, é de quem o quiser apanhar. Estranho esta cobardia, mas por muito pouco tempo, nem chega à metade de meio minuto. Pois é missão para heróis, isto de assumir a causa da justiça para a Justiça, mete medo ao susto. E teriam sido um pequeno PRD, tantos os portugueses que esperam por quem os represente nesta área, no mínimo obrigariam à entrada do tema no debate eleitoral. Não voltaríamos a ouvir, do maior partido da oposição, uma barbaridade do calibre que a Manela serviu no dia em que o ex-autarca-modelo do PSD, também ex-magistrado do Ministério Público, também ex-ministro, também ex-deputado, também ex-consultor jurídico no Ministério da Justiça, declarou ter sido condenado sem que existissem provas para o condenar.

O Portugal do Isaltino Morais, do Valentim Loureiro, do João Jardim, do Dias Loureiro, do Oliveira Costa, do Cavaco Silva, daqueles todos que nestes se apoiaram para as carreiras e os negócios, pensa o mesmo que a Manela: os assuntos sérios e importantes discutem-se à porta fechada entre gente séria e importante. Mas, então, despachem-se ― é que esse Portugal já acabou, vós é que ainda não fostes avisados.

20 thoughts on “Ainda não fostes avisados”

  1. “O Portugal do Isaltino Morais, do Valentim Loureiro, do João Jardim, do Dias Loureiro, do Oliveira Costa, do Cavaco Silva, daqueles todos que nestes confiam, pensa o mesmo que a Manela: os assuntos sérios e importantes discutem-se à porta fechada entre gente séria e importante. Mas, então, despachem-se ― é que esse Portugal já acabou, vós é que ainda não fostes avisados.”

    Ai se esta escolha de nomes fosse inocente…estava tentado a concordar contigo.

    Almeida Santos, Mário e João Soares, Fátima Felgueiras, Mesquita Machado, Pinho e Lino, Paulo Campos and so on.
    Avisa-os tu pá!

  2. Não são nomes comparáveis, coletedupovo, mas o princípio aplica-se a todos. Tens é de fazer justiça à Manela, pois é dela e dos seus que se fala.

  3. “Ladrões, tanto à direita como à esquerda.”

    E ainda bem, Cláudia, dizem os advogados da nossa praça. Se assim não fosse, em vez de irem de férias para o Algarve e restantes estâncias teriam de ir a Fátima pôr umas velinhas. :)

  4. “Ladrões, tanto à direita como à esquerda.” e eu acrescento: e ao centro também.
    Ainda acrescento outra coisa, são portugueses tal como nós! O problema não será dos políticos, mas dos portugueses!
    Mas é melhor e mais fácil clamar como diz o outro “cambada de ladrões e chupistas!”

  5. Conheci e conheço Isaltino Morais, não me admira a sua condenação. O que me admira é ser tão pesada. Espero para ver os Dias Loureiros e Oliveiras e Costas. Senhores legisladores, introduzam na lei a prisão perpétua, é o que estes senhores merecem face à pena aplicada a Isaltino. Noto também, que os tribunais do sul são mais severos na aplicação da lei. Os do norte quase não se dá por eles. É ver o caso Fátima Felgueiras – a esta até foi decretada a prisão preventiva, – Valentim Loureiro, Apito dourado. Tenho quase a certeza, que com o recurso, a pena a Isaltino vem para menos de metade. Noto uma certa vingança e a entrevista de Marques Mendes, no domingo, não teve nada de inocente. Estas minhas palavras são para te dar ânimo. Os amigos são para os momentos difíceis, da 3341 não vejo ninguém a manifestar-se.

  6. D. Manuela não perde o seu precioso tempo com minudências. Já agora também tenho curiosidade, como o nosso querido amigo Z, para saber o que será o 3341. Será o 112 do PSD?

  7. agora é que eu percebi: isto é a resposta à candidatura do Miguel na lista do PS, lá vem o contra-ataque dos valores de quem manda nos bastidores do sistema, certo?

    de quem decide à sucapa, hipócrita qb e mais um pouco, miss piggy à portuguesaa

  8. Val, meu caro, estas senhoras quando mandam na política são um caso sério. Está eliminado que o nosso herói seja uma fêmea, vamos guarda-las para exterminadoras. Qual foi o grego que disse essa nojeira? Vou para o primeiro ano de direito na clássica, ser jurista dá muito mais pica, em caso de processo poupo nos honorários. E fico a saber a ladainha. Se puder trato da Justiça como bem alvitras.

  9. ao menos isto não engana ninguém, é tudo uma clique sedimentar que nem foi metamorfizada,

    pela nitidez do projecto via actores fico contente, só se engana quem quiser.

  10. Para descomplicar: a 3341 será uma Companhia da Guerra Colonial onde o Isaltino Morais serviu?
    A ser verdade, aos menos restam-lhe os Camaradas de Armas, o que já não é mau.

  11. “nascido numa tessitura da direita tradicionalista e católica”

    E se a caracterização do MEP estiver assim um “bocadinho” desfocada? Não sou católico, nem da direita tradicionalista e sou candidato pelo MEP ao círculo de Lisboa. Há católicos praticantes no MEP? Seguramente e alguns com excelente trabalho feito na área social e na sociedade civil geralmente fora da política.
    Aqui há dias descobri que um amigo meu católico praticante é militante do BE. Não revelo a sua identidade não vá alguém de tal partido estar a ler-me por aqui. Mas que os há, há. O que é que isso diz do BE?
    O MEp tem uma extensa parte do seu programa dedicada à Justiça, suponho que não seja um exclusivo… Aqui fica o convite ao esclarecimento: http://www.mep.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=924&Itemid=1

    Cumprimentos cordiais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.