A extra ordinária Operação Marquês

Depois de 4000 páginas de despacho acusatório, 53 000 de investigação, 77 000 de documentação anexa, 8 000 de transcrições de escutas telefónicas, 13,5 milhões de ficheiros informáticos, 103 horas de vídeos de interrogatórios e 322 de depoimentos áudio de testemunhas, o que será mais extraordinário na “Operação Marquês”? Haverá respostas para todos os gostos, agendas e ódios, mas duvido que alguma ultrapasse em espanto e relevância esta: não se ter constituído como arguida Maria Adelaide de Carvalho Monteiro e não se ter constituído como arguido qualquer outro elemento dos XVII e XVIII Governos para além do respectivo primeiro-ministro. Isto é, as pontas da suposta investigação – que supostamente começou com a denúncia de dinheiro recebido da sua mãe por Sócrates na CGD e que terminou com uma acusação onde se diz terem existido supostos crimes cometidos em Gabinetes Ministeriais e Conselhos de Ministros – não constam no processo.

Algo similar aconteceu no “Face Oculta”. Num caso construído sem provas e baseado no relato em segunda mão de Ana Paula Vitorino, alegou-se que Mário Lino acedeu a um pedido ilícito de Vara mas o ex-ministro alegadamente cúmplice nem sequer foi constituído arguido. Porquê? Porque se calculou que, sem provas, sem prejuízo para o Estado, sem mais nada a não ser uma conversa que se diz ter existido com um certo sentido subjectivo, não seria possível fazer-se a Lino o que se ia fazer a Vara – nem se podia fazer a Vara alguma coisa sem por tabela Lino ter de levar igual ou até pior. O temor e tremor de acusar e prender um ex-ministro exclusivamente com provas indirectas e sem qualquer possibilidade de o relacionar com algum proveito material, ou outro, arriscava boicotar a vingança destinada ao asqueroso socialista que tinha ousado ir para o BCP como administrador depois do caos para onde o banco foi arrastado por Jardim Gonçalves e Paulo Teixeira Pinto.

Num certo dia de um certo mês de 2013, Rosário Teixeira e Joana Marques Vidal encontraram-se, a sós ou acompanhados por outros procuradores, e decidiram que era desta que o inimigo nº 1 da oligarquia portuguesa ia ser apanhado, linchado e enterrado. Nessa reunião, adivinho, tomaram decisões sobre a mãe de Sócrates e sobre os ministros e secretários de Estado ligados a Sócrates. Seria possível deter a frágil senhora, levá-la algemada para ser interrogada pelo Carlos Alexandre e de lá ter de mandá-la na ramona para uma prisão feminina qualquer? Isso causaria demasiado ruído mediático, correndo-se o risco de gerar antipatia contra a PGR e simpatia a favor de Sócrates. Pelo que se decidiu logo ali, imagino, que a pessoa que se iria apontar como tendo sido cúmplice principal de uma transacção fraudulenta no mais grave caso de suspeita de corrupção da História de Portugal iria ficar de fora do processo. E quanto às dezenas de ex-governantes que iriam ser apontados também como cúmplices de decisões supostamente vendidas por milhões vindos do Grupo Lena, do BES ou de quem a acusação se lembrasse de inventar? Idem, aspas, não haveria logística para serem investigados e nem tal era preciso, antes pelo contrário. A aventura seria triunfal mesmo que apenas decapitasse uma das cabeças da Hidra, a mais apetecida. Aumentar o número de arguidos com responsabilidades nos Executivos socráticos traria mais atrasos, mais dúvidas, mais riscos de se perceber que toda essa gente estava a ser presa para ser investigada, devassada e assassinada política e socialmente. Ter Sócrates como troféu de caça, mesmo que dali por não sei quantos anos ele acabasse condenado apenas por fraude fiscal, era só o que interessava garantir. A “Operação Marquês”, logo a partir da sua detenção para ser interrogado, iria ser a sua condenação instantânea sem ser preciso ficar dependente dos volúveis juízes. Os restantes alvos seriam atingidos por associação e contágio.

A “Operação Marquês” iria ser excepcional, algo nunca antes visto na Justiça portuguesa quanto aos recursos disponíveis e quanto ao caudal criminoso das violações do segredo de justiça e dos direitos fundamentais. A PGR só iria avançar se tivesse a certeza de conseguir blindar a acusação mesmo antes de se poder saber qual viria a ser o seu conteúdo. Aceitar arquivar o inquérito caso a investigação nada encontrasse não era uma opção. O suspeito teria de ser tratado como condenado a partir da sua constituição como arguido; a matéria de facto era um tópico quase indiferente, algo se iria apanhar de certezinha absoluta, e o trânsito do dinheiro já chegava para o gasto. O que importava era o simbolismo, o choque e pavor, a exibição da presa derrotada, ferida de morte. Para tal era necessário garantir não só a cumplicidade como a activa colaboração do juiz a quem competia a defesa das liberdades e garantias dos cidadãos. Carlos Alexandre era perfeito para esse papel de carrasco – e não havia alternativa, não havia risco de calhar um juiz que tivesse a mania de querer ser isento. O Ministério Público da santa Joana olhava à volta e via o Presidente da República, o Governo e a maioria parlamentar a pedirem acção impiedosa contra o monstro que os apavorava e que não admitiam ver como candidato à Presidência, via a comunicação social dominada pelos impérios da direita pronta para iniciar um fogo de barragem épico com a sua ubíqua indústria da calúnia, via o magistrado judicial responsável pelo Tribunal Central de Investigação Criminal a arder de desejo para ser a arma divina que limpa o mundo do pecado e dos políticos demoníacos, via um ano eleitoral a chegar para umas legislativas onde era preciso debilitar ao máximo um PS que tinha trocado o manso Seguro pelo bravo Costa. Era desta, 40 anos depois do 25 de Abril voltaríamos a poder assistir a um regime de excepção para julgar criminalmente opositores políticos.

É tentador ver na entrevista que Carlos Alexandre deu à SIC, em Setembro de 2016, o maior escândalo alguma vez protagonizado por um juiz em funções. Nela, ouvimos referências directas a um arguido num processo ainda sem acusação onde o próprio era juiz de instrução – ou seja, onde se tinha comprometido com o Estado a defender a Constituição e os códigos legais para respeitar os direitos desse mesmo arguido. Para além de ser o processo mais importante na história da Justiça portuguesa por estar em causa uma suspeita de corrupção sobre um primeiro-ministro, o registo usado para violar o dever de reserva a que os juízes estão obrigados misturava a intenção de publicitar a culpabilidade de Sócrates com o culto da sua augusta e proba pessoa de Mação, que ficava como bastião popular e rural contra os corruptos da elite e da cidade. Infelizmente, essa estouvada e torpe manifestação de soberba está longe do que é o supremo escândalo relativo à sua figura e papel na “Operação Marquês”. A suspensão do Estado de direito começou logo após a detenção dos suspeitos quando decretou a prisão preventiva de Sócrates e declarou ter pena de não poder impor uma pena ainda mais grave logo naquela fase inicial e sem sequer se saber quais os eventuais crimes em causa. Continuou com o prolongamento da prisão em Évora, concordando com Rosário Teixeira no deboche de se considerar demasiado arriscado passar Sócrates ao regime de prisão domiciliária sem o uso humilhante de uma pulseira electrónica – e isto apesar do Tribunal da Relação já ter excluído o perigo de fuga. Culminou com uma entrevista à RTP onde considerou uma farsa o sorteio informático que designou Ivo Rosa como o magistrado que liderará a fase de instrução criminal, assim despejando sobre todo o sistema da Justiça portuguesa uma calúnia maximamente agravada pelo seu estatuto. Pelo meio, conseguiu a mudança do Tribunal Central de Instrução Criminal do Campus de Justiça para as instalações da antiga sede da Polícia Judiciária, cuja leitura tanto pode ser vista como gesto político e/ou sintoma de paranóia, e ainda disparou ameaças genéricas para outros magistrados não identificados alertando ter uma excepcional memória. Last but not least, descobrimos que a relação com um certo amigo e o seu dinheiro, numa mixórdia de promiscuidades incríveis tendo em conta que ambos são magistrados, era um bocadinho diferente do que tinha apregoado na TV quando quis condenar na praça pública um cidadão à sua guarda.

A extraordinária responsabilidade, complexidade e cautela exigidos numa investigação com as consequências da “Operação Marquês” pedia um juiz com este perfil pacóvio, justiceiro, megalómano e estúrdio? Ao contemplarmos o modo como o seu desprezo pela Lei e pelos direitos de outrem foram validados pelo Conselho Superior da Magistratura, e ao percebermos que esse órgão é uma entidade corporativa onde a Assembleia da República e o Presidente da República se demitem estrategicamente da sua soberania quando há comunhão de vontades contra o bem comum, ficamos na posse de um retrato onde é todo o regime que apoia e protege Carlos Alexandre. Um retrato onde é cristalino o desprezo pela descoberta dos factos e a condenação dos eventuais criminosos, caso contrário jamais se deixaria de fora uma cidadã sem a cumplicidade da qual não teria existido a descoberta do crime (dizem eles), e ainda menos se deixaria sequer sem investigação as dezenas de governantes que tomaram decisões apenas para que Sócrates enriquecesse de modo ilícito (dizem eles). Em que outros casos cidadãos dados como coniventes em actos ilegais ficam impunes por causa da idade, sexo ou relação familiar com outros delinquentes? Por que raio a mãe de Sócrates, designada como a ponte entre Carlos Santos Silva e Sócrates para a lavagem de dinheiro vindo da corrupção, nem sequer como arguida foi constituída? E se o Ministério Público acha que existiu um Governo em Portugal que manipulou negócios de milhares de milhões de euros, envolvendo centenas de decisores entre responsáveis executivos, administradores bancários e accionistas da PT e do BCP, só para que um primeiro-ministro pudesse ir para Paris estudar e ficar numa casinha com um soalho ao seu gosto, como é que essa inominável e indescritível perversão da República Portuguesa fica sem investigação e condenação judicial?

A “Operação Marquês” nasceu de uma legítima suspeita a respeito da circulação de dinheiro usado privada e ocultamente por Sócrates, a qual teria de ser investigada necessariamente. Porém, a violação do Estado de direito marca os antecedentes e desenvolvimento da investigação, onde há igualmente legítimas suspeitas de espionagem ilícita sobre Carlos Santos Silva e Sócrates, legítimas suspeitas sobre abusos de poder no Ministério Público antes da abertura formal do processo, legítimas suspeitas sobre manipulação ilícita do sistema de Justiça de modo a garantir que fosse Carlos Alexandre a conduzir o processo até à acusação, legítimas suspeitas de actos criminosos cometidos pela equipa de procuradores de Rosário Teixeira ao violarem o segredo de Justiça, legítimas suspeitas da inexistência de integridade em Carlos Alexandre ao aceitar ser juiz num caso em que à partida já considerava culpado o arguido sem lhe conceder o direito a um processo justo. Tendo em conta que este caudal de violências foi festejado e reclamado como triunfo supremo por parte de Passos Coelho e Cavaco Silva aquando da campanha para a continuidade da sua Procuradora-Geral da República, a heroína a quem fizeram uma estátua de elogios e agradecimentos, fica evidente que a dimensão de linchamento e assassinato de um inimigo político não só supera como torna irrisória a dimensão judicial de se averiguar se um certo cidadão cometeu actos ilegais, seja lá qual for a sua gravidade. Neste sentido, a “Operação Marquês” é o maior triunfo da direita decadente desde o estabelecimento do Cavaquistão. Ver o PS e a esquerda a colaborarem com este festim sórdido e odiento exibe um regime onde é necessária a destruição de Sócrates por razões de Estado.

11 thoughts on “A extra ordinária Operação Marquês”

  1. Existem inquéritos cheios de opiniões “achismos”. São julgados pela opinião publica manipulada mesmo antes do julgamento . Todos os recursos são utilizados para alguns casos mediáticos, entretanto outros também relativos a crimes económicos investigados ao mesmo tempo, ficam parados, na gaveta ou prateleira, nem os DIAPs titulares desses processos conseguem fazer com que a investigação avance, pois podem ser acusados de querer “travar” a Justiça relativos aos processo que andam nas noticias. Em diversos processo como já aconteceu anteriormente a montanha pariu um rato, mas para a eternidade fica a calúnia, a difamação.

  2. É completamente falso que a operação Marquês nasça do aviso obrigatório da CGD. À data n avisos do mesmo género nunca pariram processo nenhum. Quem pariu o processo Marquês, pode-se mesmo dizer que o maior crime de Sócrates foi o regresso ao comentário político na RTP. Que é também o que justifica que o MP, com tantas suspeitas, nunca tenha agido antes. Não é por acaso que o processo no início cheirava a Cavaco por todos os poros. Claro que Cavaco não ia ficar impávido e sereno a ver o seu maior inimigo político destruir a sua imagem pública todas as semanas na televisão pública.

    Quanto ao saloio de Mação que não tinha amigos basta ouvir o seu verdadeiro amigo procurador, entretanto condenado, a dizer ao Proença que o contava com a amizade do Carlinhos para o que desse e viesse. No histórico de casos de corrupção não deve haver ironia maior. A verdade é que a direita em Portugal está quase especializada em ir buscar lã e voltar tosquiada. E ainda falta muito filme.

  3. Também eu quando vi a armadilha a Rangel – o juiz e já agora o único que tinha decidido a favor de Sócrates até aí – pensei que nenhum juiz volta a ter coragem para questionar o processo Marquês. Hoje penso que o processo Marquês só avançou com o agreement do PS. E o mesmo será dizer de António Costa. Depois dos processos Casa Pia e Face Oculta…

  4. Não sei porquê, mas este texto faz-me pensar que o super-juiz é dos que vão ganhar mais do que o P.R., assim como aquele que foi à A.R. acompanhado da comunicação social prender um deputado do PS, e também o dos casos de violência doméstica. Bem o merecem. Será que também vão ser condecorados pelo P.R. sempre tão atento e activo?

  5. Manuel da Cruz,o ferrador,no ‘Amor de Perdição’ :
    -Um que diz que viu e dois que ouviram dizer ,e lá vai um homem dançar,na ponta de uma corda…
    Será hoje a nossa Justiça igual à que aqui existia, antes do tempo de Camilo Castelo Branco ?

  6. O “crime” origem de vingança sobre Sócrates foi este ter querido que os doutores magistrados trabalhassem como os outros portugueses e sem mordomias especiais: que fossem portugueses como os outros.
    Tal como o velho Sócrates ateniense enfrentou, desfez, desdenhou e troçou da presunção do “saber” dos quinhentos juízes de então e foi condenado o nosso Sócrates foi sentenciado quando quis fazer algo semelhante com os coirões dos juízes que sobreviveram incólumes do salazarismo habituados ao “farniente” diário passado nos restaurantes dado que os julgamentos e sentenças eram previamente decididas pela pide: os doutores dos tribunais só tinham de fazer o papel de figurantes de juízes.
    Habituados a tratamento vip pelas instituições e muito respeitinho venerando pelo povo simples sentiram-se desrespeitados e despeitados: o motor de arranque do ressentimento e da vingança.
    Tendo conhecimento, d’escutas e de facto, detalhado do mundo corrupto do cavaquismo iniciado logo no ataque selvagem partidário aos “fundos comunitários” e o dito Cavaco à frente da trupe estavam, desse lado, perfeitamente cientes de que nada lhes aconteceria e idem idem do lado da “imprensa” dos empresários: era o tempo ideal para a vingança.
    A vingança pessoal à qual se juntava o plano ideológico de que o Séc XXI seria o do poder dos juízes que já os levara à formação de sindicatos profissionais como arma de combate político.
    E lançaram-se em carga de cavaleiros armados de lança em riste com o poder de ponta soberano intocável de juízes. De juízes a trabalhar em causa própria enquanto abandalhavam as Leis da Répública.
    Todos os conluiados, no fundo, uns pobres saloios de Mação tão ignorantes de história que se julgam vindos ao mundo para salvá-lo, quando não passam historicamente de mais uns pequenos guardas de esquadra emproados à porta dos palácios dos senhores.
    Se consumarem a sua raivosa vingança íntima já se sentirão compensados de sua má consciência e aliviados pensando, provavelmente, que já ganharam o céu quando na verdade já perderam há muito a realidade na terra.
    Agora andam, todo esse tipo de gente, bajulando a “grandeza” inconformista e rebelde da literatura e prática da Agustina porque se trata de palavras inóquas porque quando, tal inconformismo e rebeldia inovadora diz respeito à praxis e acção política, puxam logo da acusação e prisão preventiva.
    Não vá o diabo tecê-las!

  7. Gostei.
    É bom que se continue a expôr a palhaçada da operação e os intervenientes, a começar pelo burgesso do juiz.
    Só não entendo esta da direita “decadente”. É a direita. Quando muito, a “portuguesa”.
    Também não acredito na treta do Cavaco. É claro que esse idiota odeia o Sócrates, mas não pode fazer nada porque é (e sempre foi) um merdas a mando de outros ou organizações, o que quiserem, que dominam perfeitamente os orgãos de poder há anos.
    Não se esqueçam que, para além de ser imprevisível (no ponto de vista das elites) a nível nacional, o ex PM atreveu-se a mijar fora do penico no plano externo.
    E tudo se paga nesta vida.

  8. Agradeço penhoradamente, em nome de todos os portugueses decentes, esta aula simplesmente magistral.

    Deveria ser imprimida e distribuída à porta de todos os centros comerciais, estádios de Futebol, Escolas, Universidades e igrejas (à saída da missa dominical do meio-dia), em todo o País.

    E lida em voz alta e sonora em todas as carruagens de Metro de Lisboa e do Porto, nas travessias dos cacilheiros e ferries e até declamada, com solenidade, nas rádios e nos programas matinais das televisões mercantis.

    Até poderia ser estampada naquelas toalhas de mesa coloridas que se vendem nas Feiras e em pratos e chávenas da V. A.!

    Quando se justificasse, far-se-ia uma breve síntese:

    1º) O ex-1º-Ministro José Sócrates foi acusado de, no exercício desse cargo, praticar actos graves, mas que ninguém consegue descrever de forma que se entenda e que, eventualmente, muitos outros antes dele também já cometeram, mas de cuja prática nunca foram acusados, nem nunca ninguém soube de nada, ou então apenas existem suspeitas não investigadas (enfim, uma espécie daquilo que aconteceu ao Isaltino, mas em formato gigante);
    2º) A máquina da justissa brutugueza escolheu a “nata da nata” do seu pior esterco para perseguir deliberadamente fins ilícitos e inconfessáveis, com supremo dolo para a Justiça, o Direito e a República Portuguesa e ninguém com poderes para tanto mexeu uma palha para o impedir;
    3º) A opinião pública deixou-se mansamente intoxicar, sem dar um ai, pela mais feroz e violenta campanha de desinformação e manipulação de que há história em Portugal, desde pelo menos as patacoadas reaccionárias sobre o PCP em 1975 – as célebres injecções atrás da orelha nos velhinhos e os famosos pequenos-almoços infanticidas;
    4º) As élites políticas, sociais e culturais da Nação, por cobardia, ou por (des)interesse, pactuaram reiteradamente e continuam a pactuar com esta colossal infâmia, que ameaça tornar-se para a História do Séc. XXI português um caso mais vergonhoso e de repercussões ainda mais graves do que o célebre “Caso Dreyfus” na França dos finais do Séc. XIX.

    INQUALIFICÁVEL!

    E o pior de tudo é que, como alguém muito acertadamente já disse mais acima, “ainda falta muito filme”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.