A enxada e o tractor

Jerónimo explicou o plano do PCP para aumentar a produtividade, a riqueza e os salários recorrendo ao seguinte exemplo: um trabalhador precisará de um dia inteiro para cavar um terreno, mas com um tractor o trabalho fica feito num instantinho. Clara de Sousa, benemérita, tentou ajudá-lo dizendo que se estava perante uma metáfora, só para ser admoestada em protesto. Metáfora coisa nenhuma, indignou-se Jerónimo, aquilo era o que havia de mais concreto para dizer ao povo.

O debate trouxe uma novidade do foro científico: revelou que os dinossauros falavam e que se extinguiram afogados no Alqueva.

6 thoughts on “A enxada e o tractor”

  1. e quem é que paga o tractor? deve ser contribuição do dr. salgado para a reforma agrária e depois vem o oliveira da galp oferecer gásoil para não ficar atrás.

  2. e ospois como o trabalho fica feito num instantinho , e resta esperar que cresça o plantado , o dono dos meios de produção despede logo uma data de malta que já não lhe faz falta nenhuma prós hectares que tem , e pronto , lá aumenta o desemprego até à colheita.
    o jerónimo devia ler era outra vez o dinossaurio marx , aquela parte da optimização da exploração do trabalhador através da máquina.

  3. Ninguém trabalha um dia inteiro. No mínimo seriam necessários 3 homens, isto é, partindo do princípio que o Jerónimo de Sousa ainda defende o máximo de 8 horas diárias de trabalho, depois com o tractor, bastaria um homem, em part-time. Brilhante ! JS só não disse o que fazer aos 66% de desempregados criados com esta medida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.