Contributo para o negócio das bebidas e restauração

AMIGOS DESAVINDOS? SÓCRATES RESOLVE.

Uma mulher que apelida José Sócrates de “delinquente político” e adora ouvir Marcelo aos domingos à noite enquanto come um croissant acompanhado com vodka e um homem que diz do mesmo José Sócrates, enquanto beberica whisky, “Sempre detestei aquele senhor. É um analfabeto, oportunista e demagogo. É um homem detestável. Execrável.”

têm ou não têm suficientes pontos em comum e um motivo de peso para retomarem os almoços das quartas-feiras (“Almoçava todas as quartas-feiras com ele. Até que publiquei as minhas memórias.“)?

20 thoughts on “Contributo para o negócio das bebidas e restauração”

  1. Não só metem imensa pena, como não acrescenta nada a ninguém, ler o que estas duas criaturas infantis têm para nos dizer. Perdi o meu tempo, a ler duas entrevistas rascas de dois pedantes à rasca.

    E se odeiam o Sócrates, então fica tudo dito, coitados deles…

  2. Concluindo,são uns grandes bebados.. Não conduzem? São bebados caseiros,que depois vem destilar os vapores etilicos,para os meios de comunicação social

  3. Não dão para re-editar a famosa dupla Agostinha e Agostinho que rica pinga
    que rico vinho! Para eles são bebidas com mais octanas…saindo borras pífias!!!

  4. parafreasando alguém que conhecemos destas paragens:
    Filomena, larga o vinho.Vasco, larga o vinho.

    E mais não se pode recomendar a estas alminhas…

  5. Isto é malta de voz entaramelada, digestões mal feitas, o esplendor do lugar comum, nomes trocados, uma trapalhada. Ricos trapalhões quem os não conhecer que os compre. Eu não.

  6. Não há que que ter dúvidas acerca desses dois: pedantismo, acompanhado de esclerose são as suas marcas (para além do álcool, o que fiquei a saber agora)

  7. “And I’m sorry some of us
    Given you bad name
    yeah o yeah, cause without you
    Nothing is the same
    Yeah o yeah i miss you so
    Every time we break up
    Just to hit a higher note
    Every time we make up”

    (Gogol)

  8. Estes dois, desavindos desde os recuados anos 70, quando ela para ele não passava duma gaja “ávida e fria” (sic), cá para mim estão a caminho duma reconciliação. Mais um milagre do Sócrates, muito acima do de Fátima, onde o vinho não passa dos 12 graus.

  9. Caraças pá! Com tudo o que vocês já comentaram, e bem, o que é que eu vou dizer acerca deste par de “jarros”?

  10. ignatz,

    com esse intubanço, estás a sobrevalorizar a mediocridade da laranjada nacional…mas prontos, faz de conta que é a 5ª emenda que permite neste contexto a 9ª.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.