Apontamentos sobre um congresso

O maior elogio a Seguro veio ontem do respeitável Correia de Campos, embora no quadro de uma comparação de Seguro com o “panhonha sem alma” Passos Coelho. Grande elogio, sem dúvida, mas enfraquecido pelo termo da comparação.

Seguro, esse, continua a querer congregar pessoas de todos os quadrantes políticos.

Mas hoje pediu uma maioria absoluta do PS para governar.

E disse que, mesmo com essa maioria absoluta, quer governar em coligação.

Para fazer o pleno, só lhe faltou dizer que também quer estar na oposição.

9 thoughts on “Apontamentos sobre um congresso”

  1. Foi uma desgraça que aconteceu a Portugal quando Sócrates teve de sair e a alternativa era o invertebrado Passos Coelho.
    Catástrofe é a única alternativa ao invertebrado ser o molusco Seguro.

    a continuar assim, mais 2 ou 3 ciclos de alternância e a alternativa será alguma coisa entre o zézé camarinha e o emplastro do Porto.

    estamos bem fod****…

    Miguel

  2. O Seguro não existe e é vergonhoso para o PS ter um secretário-geral tão medíocre; mas ele não é o único culpado da situação.

  3. temos o jeronimo,fala fluentemente o portugues,frances e ingles. tem prestigio na europa e no mundo, e tem uma cabeça cheia de ideias feitas desde 1917,para por o pais a viver tambem ou melhor do que o ex povos do leste.avancem,vão a jogo e expliquem (como diz o valupi) como conseguem dar-nos um mundo melhor,para ver se ultrapassam os 8%. só vos falta dizer que os portugueses são uns filhos da puta por vos darem 8%. nota: se retirarem os que votam para terem um partido que “faz de conta que protesta com a direita,” e arreganha os dentes ao ps,os ditos 8% vão para metade.quanto a seguro ides tê-lo como pm e o resto é inveja,são verdes não prestam! depois derrubem-no para haver mais alernancia com a direita.que vos pariu.

  4. na verdade, entre este governo ou um hipotético governo do jerónimo poucas são as diferenças: são máquinas de fazer pobres e pobrezinhos; reservado para a “nomenclatura está o melhor pedaço…e aí está a história para o comprovar, no passado, com a URSS e os seus satélites que mal abriram a porta se lançaram todos para a direita; e os seus exemplos de países da “resistência ao imperialismo”, que só a falta de vergonha, ou a presunção que somos todos estúpidos, como aliás faz este governo, permite apresentar: Coreia do Norte, China, Cuba e outras misérias que por aí abundam…

  5. . pedir maioria para governar,é o minimo que um partido politico responsavel pode pedir ao povo portugues, tendo em conta o triste historico da extrema esquerda para com governos minoritarios do ps.o bom governo de jose socrates com maioria absoluta justifica plenamente este pedido.seguro, ao afirmar que mesmo com maioria, pode repartir o poder,foi uma declaraçao inteligente. vamos ver quem quer efectivamente ajudar a resolver os problemas do pais. como era esperado, os inimigos do ps,aproveitam logo a oportunidade que o post lhes deu, para apoucar o lider que os socialistas escolheram.não sou segurista, mas confesso que aguardo com expectativa,o futuro do ps,com a unidade que foi conseguida.ver todas as figuras importantes do ps no mesmo barco é meio caminho andado para as proximas batalhas.nota:socrates, mais uma vez, demonstrou a sua grandeza como politico e como homem.

  6. Acho, caro nuno cm, que Seguro (ou qualquer socialista outro no seu lugar) teria que pedir agora (ou em qualquer outra altura) uma maioria absoluta. O PS tem sempre que querer e que pedir uma maioria absoluta. Nunca pensei nada diferente disto.

    Em post anterior pretendi mostrar o absurdo de Seguro ter apelado na semana passada a uma “aliança” com gente de todos quadrantes políticos, dos “progressistas” aos “democratas cristãos”, como se quisesse fazer uma união nacional.

    O problema é que ganhar uma maioria absoluta implica colocar vários quadrantes políticos em minoria absoluta…

    União nacional, não obrigado. Nem em retórica de comício.

  7. Correia de Campos só peca por optimismo: eu diria que o Tó-Zé Seguro poderia, eventualmente, não ser TÃO panhonha como o Passos Coelho.

    Na escala de Mercali (corrigida) do panhonhismo, o craque Passos Coelho amanda-se aí para um 18 ou um 19, enquanto que o Seguro, mais modesto, poderá não conseguir passar de um seguro 13…

  8. julio,pedir uma maioria absoluta quando as sondagens nos colocam muito longe desse desiderato,não é facil,mas os motivos que referi anteriormente justificam esse apelo.julio com toda a consideraçao ,digo-lhe que não valorizei muito esse apelo a gente de todos os partidos.se dissesse : estou aberto a independentes, ia dar ao mesmo mas de uma forma menos transparente.tem a virtude de por os paineleiros do costume, na esperança de um dia serem ministros, e como tal moderarem a sua dose de veneno diaria.há duvidas que muitos paineleiros quando criticam mesmo com razão,o fazem mais por despeito,por não terem sido escolhidos para os orgãos nacionais,ou para deputados? um exp. pacheco pereira.antonio costa se não estivesse na quadratura do circulo,não se perdia nada,pois pacheco pereira falava por ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.