Vinte Linhas 752

João Cabral de Melo Neto – «a vida que levo sob o efeito permanente de aspirina»

O livro é organizado, apresentado e anotado por Flora Süssekind, editado pela Nova Fonteira e Casa de Rui Barbosa e chama-se «Correspondência de Cabral com Bandeira e Drummond». Aqui se juntam cartas, bilhetes, telegramas, poemas e cartões trocados entre João Cabral de Melo Neto (1920-1999) com Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e Manuel Bandeira (1886-1968). Neles se descobre por exemplo como Mário Calábria foi responsável em 1952 pela denúncia de João Cabral de Melo Neto como comunista o que levaria o poeta a ser desligado do Itamarati, só conseguindo a reintegração dois anos depois. Tudo porque Cabral solicitou a Paulo Cotrim Rodrigues Pereira um artigo para a revista do Partido Trabalhista Inglês. O mesmo Cabral escreveu em 1951 a Manuel Bandeira «porque da Europa é que pude descobrir como o Brasil é pobre e miserável. Isto é: depois de ver o que é a miséria europeia acho que é preciso inventar outra palavra para a nossa, cem vezes mais forte.»

Como curiosidade há uma carta de 1942 de João Cabral de Melo Neto a Carlos Drummond de Andrade. Depois de ter passado seis meses no sanatório de seu tio Ulisses, Cabral dirige-se a Drummond pedindo ajuda: «se a vida que levo, sob o efeito permanente de aspirina, me permite passar por um rapaz apenas magro e um tanto pálido, mas um rapaz que trabalha, vai ao cinema, lê, etc., lembro-me pela experiência que me ficou pelo tiro de guerra que os analgésicos não são suficientes para dominar os exercícios físicos, as marcha, a avida de soldado. Por todas estas coisas é que lhe estou mandando esta carta. Creio que uma colocação no Rio, mesmo provisória, me permitira fazer qualquer tratamento, principalmente porque me sinto em condições de assumir qualquer serviço.»

2 thoughts on “Vinte Linhas 752”

  1. tás cum uma pedrada meue, oube, granda pedrada, meue, inté comes as bígulas e te atrebes a albitrare coisas pulíticas. táze disculpado pa, chumbaste a terceira classe, a base.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.